Vacinação e Covid-19: 5 coisas que o paciente com câncer precisa saber

Publicado em: 09/06/2021 - 06:06:00
Prevenção
Diagnóstico
Epidemiologia
Mama
Linha Fina

No Dia Nacional da Imunização, tire dúvidas importantes em tempos de pandemia

Vacinação e Covid-19: para o paciente com câncer, todo o contexto ainda gera muitos questionamentos.

Neste 9 de junho, o Dia Nacional da Imunização, o A.C.Camargo Cancer Center reafirma alguns fatos importantes.

Lembramos ainda que no A.C.Camargo são tomadas todas as medidas preventivas em tempos de pandemia. Desta forma, de maneira segura, é possível prosseguir com seu tratamento

Importante: o paciente oncológico não deve deixar de conversar com o médico para programar o melhor momento da vacinação.  

A seguir, tire cinco dúvidas sobre a Covid-19 no que se refere à vacinação.

Recomendamos que todos os pacientes oncológicos tomem a vacina, exceto os menores de 18 anos.

Se você, atualmente, está em tratamento oncológico, sabemos que a melhor resposta para seu sistema imunológico é obtida se a vacina for administrada 15 dias antes ou 15 dias depois da última quimioterapia.

Pacientes que receberam um transplante de medula óssea devem consultar seu médico de confiança para definir o melhor período para a administração da vacina.

De qualquer forma, todos os pacientes oncológicos devem alinhar a questão da vacinação com seus médicos.

As doses das vacinas são complementares.

Assim, a segunda dose da vacina deve, obrigatoriamente, ter sido produzida pelo mesmo laboratório que desenvolveu a primeira.

Ou seja, quem tomou a primeira dose da AstraZeneca, tem de receber a segunda dose da AstraZeneca.

E isso vale para todas as vacinas, pois as plataformas de produção e os componentes de cada uma delas são diferentes. 

Não importa qual das vacinas contra a Covid-19 você receba: tenha a certeza de que ela é segura e eficaz na proteção contra infecções graves.

As duas vacinas que estão em uso no país atualmente – CoronaVac e AstraZeneca/Oxford – são compostas por vírus inativados e vetor viral, respectivamente, portanto, são incapazes de provocar a doença em quem as recebe.

Uma das coisas mais importantes que você tem de ter em mente é que os suprimentos da vacina contra a Covid-19 ainda são limitados em todo o Brasil. Assim, se surgir a oportunidade de obter uma vacina, vacine-se.

Pacientes que fizeram cirurgia na mama ou na axila devem receber a vacina no braço do lado oposto ao da cirurgia.

Tratamentos hormonais, em sua maioria, não interferem na resposta vacinal, não sendo necessário parar o tratamento.  

No entanto, apenas o seu médico pode traçar a melhor estratégia. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Pesquisa integrada aponta alterações em genes que podem estar relacionadas ao desenvolvimento do carcinoma de pênis
Se os dados coletados forem confirmados em estudos futuros, será possível criar terapias personalizadas para esse tipo de tumor. Durante seu doutorado, o pesquisador Fabio Marchi, do CIPE, cruzou uma imensa quantidade de dados moleculares sobre o carcinoma de pênis. Seu foco era entender como...
Podcast Rádio Cancer Center #42 - Precisamos falar sobre o câncer de canal anal
O câncer de canal anal é um tipo de tumor que costuma trazer questões psicológicas importantes para os pacientes, como o receio de compartilhar o quadro, muitas vezes por vergonha. Nesta conversa, você vai descobrir como se prevenir, com destaque importante para a vacina contra...
Coronavírus: recomendações importantes
O novo Coronavírus foi classificado como pandemia em 11 de março, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A definição de pandemia não depende de um número específico de casos. Considera-se que uma doença infecciosa atingiu esse patamar quando afeta um grande número...
Conheça os sinais e sintomas dos tumores na região da garganta
A garganta, assim como a boca, participa da respiração, fala, alimentação e deglutição, contendo vários tipos de células e tecidos nos quais diferentes tipos de tumores podem se desenvolver. Alguns sintomas são comuns para grande parte dos tumores na garganta. Outros são bem específicos. Por...
Câncer de mama: pesquisa aponta aumento de 40% na incidência da doença no Brasil em quase 30 anos
O câncer de mama é o segundo tipo de tumor mais frequente em mulheres, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Nas últimas décadas, algumas pesquisas científicas mostraram que as taxas de mortalidade por câncer de mama foram reduzidas ou estabilizadas, principalmente em regiões...