HPV, a vacina vital que previne vários tipos de câncer

Publicado em: 10/01/2020 - 10:01:54
Prevenção
Diagnóstico
Epidemiologia
Tumores Ginecológicos

Segura, essencial e subutilizada, a imunização contra o papilomavírus humano pode evitar o desenvolvimento de tumores de colo do útero, orofaringe e ânus, entre outros 

HPV e sua vacina. Tema importantíssimo, mas negligenciado muitas vezes por desconhecimento e preconceito.

Embora haja consolidados programas nacionais de imunização em boa parte do Brasil e da América Latina, eles seguem sendo pouco utilizados. 

É que, para conseguir uma melhor proteção ante a infecção pelo papilomavírus humano (HPV), a vacina deve ser aplicada cedo.

Se isso não é feito, há um terreno fértil para a infecção por HPV, que pode desencadear, em casos extremos, em variados tipos de câncer. 


HPV e os tumores 

A infecção pelo HPV é comum, mas regride espontaneamente na maioria das vezes. 

Quando a infecção persiste e é causada por um tipo viral oncogênico, ocasionalmente acontecem lesões precursoras. Estas, se não identificadas e tratadas, podem evoluir para um câncer. 

“Ocorre principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis e orofaringe”, explica Andréa Gadêlha, oncologista clínica do A.C.Camargo Cancer Center.


Por que vacinar tão cedo contra HPV e quais as barreiras para uma maior adesão à vacinação?

Em 2014, o Ministério da Saúde implantou no SUS a vacinação gratuita tetravalente contra o HPV em meninas entre 9 e 13 anos. Na época, a recomendação era de três doses.

Tal faixa etária foi eleita por ser a que apresenta maior benefício pela grande produção de anticorpos e por ter sido menos exposta ao vírus por meio de relações sexuais.

Em 2017, o esquema vacinal do SUS foi ampliado para meninos de 11 a 14 anos, e as garotas de 14 anos também foram incluídas – passaram a ser recomendadas duas doses com intervalo de seis meses.  

A dificuldade de alcançar crianças e adolescentes, que já não vão aos postos de saúde regularmente, como faziam na primeira infância, está longe de ser o maior problema para combater o HPV. 

De acordo com a Dra. Andréa Gadêlha, várias são as barreiras à adesão à vacinação contra HPV, que vão desde o desconhecimento – se trata de uma vacina que previne câncer – às fake news. 

“Há quem considere a vacina insegura, quem diga que está relacionada a eventos adversos. Fatores religiosos e culturais também associam a vacinação contra HPV como estímulo ao início precoce da atividade sexual, algo que não é verdade, como comprovam alguns estudos”, afirma a médica.

Em suma, é importante desmistificar esses conceitos errôneos e ratificar que a criança deve ser imunizada contra HPV da mesma forma que ocorre com outras vacinas. Essa imunização é segura e deve ser realizada antes do início da atividade sexual, onde se garante uma maior resposta protetora da vacina.

HPV vacina Doutora Andrea Gadelha

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Tumores cerebrais e do sistema nervoso central: tudo sobre esses tipos de câncer
Tumores cerebrais são pouco comuns: as estatísticas mundiais apontam que, do total de tipos de câncer que existem, menos de 2% se localizam no cérebro. Mais frequentes, porém, são as metástases cerebrais de outros tumores mais incidentes, como mama ou pulmão. Já os sintomas, o...
Covid-19: como a quarentena influencia nosso sono
Ter sonhos vívidos ou dormir de forma intermitente durante a noite costumam ser características que ocorrem em momentos de estresse, como a pandemia do novo Coronavírus Covid-19 e nossa relação com o sono. Durante o isolamento social, muitas pessoas dizem enfrentar uma noite de sono...
Outubro Rosa: tomografia computadorizada é uma aliada na biópsia da mama
Raramente usada para exames de imagem da mama, ela ajuda a garantir o melhor planejamento terapêutico Outubro Rosa é sinônimo de prevenção, portanto saiba que os melhores exames de imagem para avaliação de lesões mamárias são a mamografia, a ultrassonografia e a ressonância magnética. A...
Podcast Rádio Cancer Center #23 - Nutrição e oncologia
Ouça e conheça as informações para as principais dúvidas sobre alimentação Nas nossas mídias sociais, muitas pessoas mandaram dúvidas sobre nutrição no dia a dia e também relacionada à oncologia. Neste episódio, Ana Carolina Cantelli, nutricionista oncológica, e José Luiz Gasparini Júnior, enfermeiro da Educação...
Coronavírus: recomendações importantes
O novo Coronavírus foi classificado como pandemia em 11 de março, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A definição de pandemia não depende de um número específico de casos. Considera-se que uma doença infecciosa atingiu esse patamar quando afeta um grande número...