Arte gráfica em fundo verde água com mulheres deitadas em um sofá de ponta cabeça.

HPV: tudo o que você queria saber da doença, mas tinha vergonha de perguntar

Publicado em: 03/03/2021 - 14:03:40
Linha Fina

Quatro de março é Dia Internacional de Conscientização sobre HPV e selecionamos as dúvidas mais frequentes sobre o papilomavírus humano, sem tabus

O HPV ou papilomavírus humano é um vírus que pode ser transmitido por relações sexuais sem proteção e infectar pele ou mucosas, como boca, vulva, vagina, colo do útero e pênis.

É considerado uma infecção sexualmente transmissível (IST) e é a causa de mais de 70% dos casos de câncer de colo de útero (os tipos mais frequentes que culminam em tumores são o HPV 16 e o 18).

A principal forma de prevenção é através da vacina, disponibilizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para meninos e meninas de 11 e 9 anos, respectivamente. A vacinação disponível no SUS é a quadrivalente e protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18.

Além disso, manter bons hábitos de higiene e praticar sexo seguro também ajudam a prevenir o HPV.

No Dia Nacional de Conscientização sobre o HPV, convidamos a Dra. Andréa Gadêlha, oncologista clínica do A.C.Camargo Cancer Center, e o Dr. Glauco Baiocchi Neto, líder do Centro de Referência em Tumores Ginecológicos da Instituição, para tirar as principais dúvidas sobre a doença. Confira:

- Toda verruga na área genital é HPV? Devo me preocupar?
Nem toda verruga na área genital é HPV. Cada caso deve ser avaliado com seu médico ginecologista/urologista, que pode pedir exames mais detalhados (como biópsia) para investigar melhor.

- Por que algumas pessoas apresentam lesões somente uma vez na vida enquanto outras pacientes relatam lesões insistentes, com tratamento mais demorado?
O HPV reage de formas diferentes em cada organismo. O vírus pode "desaparecer" espontaneamente em algumas pessoas, enquanto em outras podem necessitar de tratamentos recorrentes. É importante ressaltar que isso não se dá, necessariamente, por algum tipo diferente do vírus. Um histórico de imunossupressão, HIV ou coinfecção por outros agentes sexualmente transmissíveis, como clamídia e gonorreia, podem estar relacionados a essas recorrências.

- Tenho HPV, posso fazer depilação íntima? Qual a recomendação?
Se estiver na fase ativa de uma verruga genital, não é recomendado depilar a área, pois há um processo inflamatório local, que pode machucar e aumentar o risco de contaminação em outras áreas. É importante ficar atento, pois, às vezes, a lesão pode não ser visível.

- Compartilho brinquedos sexuais com outras pessoas. Posso me contaminar com HPV?
Sim. Há estudos que relatam a presença do papilomavírus humano (HPV) mesmo 24 horas após a lavagem de brinquedos eróticos – e até mesmo na ponta dos dedos. Os acessórios devem ser lavados com água e sabão sempre após o uso e devem ser guardados secos e longe da sujeira.

- Estou com HPV, posso engravidar?
Não há um impeditivo, mas é recomendável engravidar após o tratamento do HPV.

- Já tive HPV, sou imune?
Não. É possível se recontaminar pelo HPV várias vezes na vida.

- Já tive HPV, mas não os tipos cancerígenos. Posso estar mais propensa a desenvolver câncer?
A propensão e contaminação não está relacionada à infecção prévia, mas sim à exposição sexual sem proteção.

- Idosos podem ser contaminados pelo vírus?
Sim, ainda que seja mais frequente na população mais jovem, por conta da maior exposição sexual, os idosos podem desenvolver a doença.

Previna-se contra o HPV
Para evitar uma possível infecção pelo papilomavírus humano (HPV), a vacinação é a medida eficaz para prevenção. A imunização é distribuída gratuitamente pelo SUS e é indicada para: meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos; pessoas que vivem com HIV e pessoas transplantadas na faixa etária entre 9 e 26 anos.

Confira nossa página especial sobre o sinais e sintomas do câncer, informe-se e compartilhe com suas amigas! Em caso de dúvidas, marque uma consulta com algum de nossos especialistas. Quem tem câncer, tem pressa.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...
9 fatores que podem contribuir para o câncer de boca
O câncer de boca pode se desenvolver no seu revestimento interno (mucosa bucal), nas gengivas, nos dois primeiros terços da língua, no soalho bucal (a parte que fica embaixo da língua), no céu da boca e na área atrás dos dentes do siso, chamada trígono...
Covid-19: pandemia pode causar até 20% a mais de mortes por câncer
Covid-19 e câncer: a pandemia mudou o estilo de vida de grande parte dos brasileiros. Sair de casa somente para o essencial e fazer o uso de medidas protetivas contra o vírus da Covid-19 viraram hábitos que já completam um ano. Por isso, muitas pessoas...
Câncer de cabeça e pescoço: programa científico – Next Frontiers to Cure Cancer 2021
O câncer de cabeça e pescoço será o foco de dois dias intensos de debates no Next Frontiers to Cure Cancer 2021. Um total de 56 especialistas renomados nessa área, incluindo 10 palestrantes internacionais, abordarão as principais novidades no tratamento desses tumores, além de aspectos...