Boca

O câncer de boca ou oral inclui tumores que podem se desenvolver em várias partes da boca, em seu revestimento interno, nas gengivas, na parte visível da língua, na parte que fica embaixo da língua, céu da boca e na área atrás dos dentes do siso. Fumo, álcool e idade acima de 60 anos são alguns dos principais fatores de risco.

Câncer de boca: 4 fatos que aumentam o risco

Linha Fina

Assista ao vídeo, saiba como se proteger e espalhe a ideia de conscientização 

O câncer de boca, também conhecido como câncer de cavidade oral, afeta lábios, gengiva, bochechas, céu da boca e o chamado assoalho da boca.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a previsão de novos casos neste ano é de 15.190, sendo 11.180 em homens e 4.010 em mulheres.

Fumantes de cigarro, cachimbo, charuto ou narguilé representam 90% dos casos de câncer de boca. O risco é proporcional à quantidade de fumo consumida: quanto maior o consumo, maior o risco. 

A chance de essas pessoas desenvolverem câncer de boca é de 6 a 16 vezes maior que entre as não fumantes.

Para se proteger, assista ao vídeo a seguir com quatro fatos que aumentam o risco. E não se esqueça de compartilhar essas informações tão importantes, que podem ajudar muita a gente na prevenção e no diagnóstico precoce. 

 

Julho Verde: um guia de prevenção e diagnóstico precoce para tumores de cabeça e pescoço

Linha Fina

No Dia Mundial de Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço, aprenda a se proteger e a identificar um problema cedo, algo que aumenta muito a chance de cura

Julho Verde, uma campanha de conscientização mundial sobre os tumores de cabeça e pescoço, vai chegando ao fim.

O A.C.Camargo, que ano a ano dissemina informações de qualidade para a comunidade e é altamente especializado em prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação para esses tipos de tumores, preparou um guia especial para este Dia Mundial de Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço.

A seguir, para fazer um eventual diagnóstico de forma precoce, algo que aumenta muito as chances de sucesso no tratamento, você confere fatores de risco, sinais e sintomas que merecem investigação em um médico. Falamos dos seguintes órgãos:

  • Tireoide
  • Boca
  • Garganta 
  • Laringe
  • Faringe
  • Paratireoide
  • Traqueia 
  • Sinonasal
  • Hipófise

Confira:

 

A estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) indica que em 2022 haverá 13.780 novos casos de câncer de tireoide no Brasil, sendo 1.830 em homens e 11.590 em mulheres, o que o torna o sexto mais comum entre o sexo feminino. Esses números demonstram com evidência que esse tipo de câncer é muito mais frequente em mulheres do que em homens. 

A tireoide é uma glândula que fica na frente do pescoço e tem a forma de uma borboleta, com dois lobos de cada lado da traqueia unidos pelo istmo.

Nódulos na tireoide são bastante comuns e, por causa de sua localização, os médicos, e muitas vezes os pacientes, conseguem senti-los com uma simples apalpação. Felizmente, entre 90% e 95% desses nódulos são benignos. Além disso, os cânceres de tireoide podem ser detectados precocemente e o sucesso do tratamento pode chegar a 97% dos casos. 


Sinais e sintomas

Várias doenças benignas e outros cânceres de pescoço podem ter os mesmos sintomas que o câncer de tireoide. Por isso, é preciso consultar um médico se você tiver:

  • Nódulo no pescoço, que às vezes cresce muito depressa
  • Dor na parte da frente do pescoço, que pode irradiar para os ouvidos
  • Rouquidão ou mudança no timbre de voz que não passa com o tempo
  • Dificuldade para engolir
  • Dificuldade para respirar, como se você estivesse respirando por um canudinho
  • Tosse que não passa e não é causada por gripe


Fatores de risco

Vale lembrar que fatores de risco aumentam o seu risco de desenvolver câncer de tireoide, mas isso não quer dizer que você vai ter câncer de tireoide.

Idade: pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum na faixa dos 30 aos 50 anos.

Sexo: a incidência em mulheres é três vezes maior que a incidência em homens.

Exposição à radiação: crianças que fizeram tratamento com radiação na região da cabeça e do pescoço ou radioterapia para câncer, como linfoma de Hodgkin, também correm maior risco de ter câncer de tireoide mais tarde. Isso não ocorre com adultos que fazem radioterapia.

Doenças hereditárias: Algumas doenças como síndrome de Gardner e polipose familial aumentam o risco de câncer em vários órgãos, inclusive tireoide. A doença de Cowden, que é rara, também aumenta o risco de câncer de tireoide. Algumas famílias, que representam 5% dos casos, apresentam incidência incomum de carcinoma papilífero.

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que, em 2022, o País terá 15.190 novos casos de câncer de boca, 11.180 em homens e 4.010 em mulheres, sendo o sexto mais comum para o sexo masculino. O tabagismo, em todas as suas formas (cigarro, cachimbo, charutos, rapé e fumo mascado), e o consumo de bebidas alcoólicas são os principais fatores de risco para o câncer de boca.

Mas a doença pode ocorrer mesmo em pessoas que nunca fumaram ou beberam. Por causa da localização, um número significativo de casos câncer de boca pode ser identificado por dentistas ou até mesmo pelo próprio paciente. No entanto, infelizmente, a maioria é diagnosticada em estádios avançados e mais difíceis de tratar.

O câncer de boca ou câncer oral inclui tumores que podem se desenvolver em várias partes da boca, em seu revestimento interno (mucosa), nas gengivas, na parte visível da língua, no soalho bucal (a parte que fica embaixo da língua), no palato (céu da boca) e na área atrás dos dentes do siso, que os médicos chamam de trígono retromolar.


Sinais e os sintomas

Eles variam de pessoa para pessoa e muitos deles são comuns a várias doenças benignas. No entanto, como a detecção precoce é fator decisivo para o sucesso do tratamento, é importante consultar um dentista ou um especialista em otorrinolaringologia ou em cabeça e pescoço se apresentar algum dos sintomas abaixo.

  • Ferida na boca que não cicatriza (sintoma mais comum)
  • Dor na boca que não passa (comum em fases mais avançadas do câncer)
  • Nódulo persistente ou espessamento de qualquer local da boca
  • Área vermelha ou esbranquiçada de qualquer local da boca
  • Dificuldade para abrir a boca ou para mastigar
  • Dificuldade para mover a mandíbula ou a língua
  • Dormência da língua ou de outra área da boca
  • Inchaço da mandíbula que faz dentadura ou prótese desencaixar ou incomodar
  • Dentes que ficam moles ou frouxos na gengiva ou dor em torno dos dentes ou da mandíbula
  • Sangramento na boca
  • Mau hálito persistente
  • Perda de peso inexplicável


Fatores de risco

Fumo: fumantes de cigarro, cachimbo (associado ao câncer de lábio), charuto ou narguilé, pessoas que mascam fumo (associado ao câncer da parte interna dos lábios, das bochechas e das gengivas) representam 90% dos casos de câncer de boca e o risco é proporcional à quantidade de fumo consumida. Ou seja, quanto maior o consumo, maior o risco. A chance de essas pessoas desenvolverem câncer de boca é de seis a 16 vezes maior que entre as não fumantes. Fumo passivo também é fator de risco.

Álcool: sozinho, o consumo de bebidas alcoólicas já é um fator de risco importante, particularmente entre os chamados bebedores pesados, que bebem mais de 21 doses de álcool por semana. O risco é seis vezes maior para quem bebe do que para quem não bebe. Combinado com o fumo, o risco se multiplica.

Idade: metade dos pacientes com câncer de boca tem mais de 60 anos, mas pode aparecer em idades mais jovens, inclusive na adolescência.

Sexo: dois terços dos pacientes são homens.

Sexo oral e HPV: o papilomavírus humano (HPV), que pode ser transmitido por meio de relações sexuais desprotegidas, é uma das causas da doença. Por isso, é importante utilizar preservativo, inclusive durante a prática de sexo oral.

Irritações da mucosa bucal: dentaduras, pontes e coroas que não estão bem ajustadas e dentes fraturados podem traumatizar cronicamente a mucosa e causar câncer. Por isso, essas próteses precisam ser avaliadas periodicamente pelo dentista; as dentaduras devem ser removidas e limpas todas as noites.

Imunossupressão: pessoas que tomam drogas imunossupressoras, para evitar a rejeição de um transplante, por exemplo, também podem ter risco aumentado para câncer de boca.

Exposição ao sol: mais de 30% dos pacientes de câncer de lábio são profissionais que trabalham ao ar livre, expostos à radiação ultravioleta do sol. Protetor labial com filtro solar ajuda na prevenção.

Alimentação: dietas pobres em frutas, legumes e verduras também estão associadas a maior risco de câncer de boca.

O câncer de garganta, também conhecido como orofaríngeo, desenvolve-se na parte da garganta que fica logo atrás da boca, que os médicos chamam de orofaringe. Ela inclui a base da língua (a parte posterior da língua), o palato mole, as amígdalas, os pilares, as paredes laterais e posterior da garganta.

Como a boca, a garganta participa da respiração, fala, alimentação e deglutição, contendo vários tipos de células e tecidos, nos quais diferentes tipos de tumores podem se desenvolver.


Sinais e sintomas

Os sintomas de câncer de garganta variam de pessoa para pessoa. Porém, os sintomas iniciais mais comuns são:

  • Mudanças na voz (como se tivesse uma "batata na garganta”)
  • Dificuldade para engolir ou sensação de que alguma coisa está presa na garganta
  • Irritação da garganta que não passa
  • Dor de ouvido
  • Caroço no pescoço
  • Tosse
  • Dificuldade para respirar
  • Perda de peso inexplicável


Fatores de risco

Conheça os fatores que aumentam a probabilidade de desenvolver câncer de garganta.

Fumo: ainda é o principal fator de risco para o câncer de garganta.

Álcool: sozinho, o consumo de bebidas alcoólicas já é um fator de risco importante, particularmente entre os chamados bebedores pesados. Combinado com o fumo, o risco se multiplica.

Idade: pode ocorrer em qualquer idade e o risco aumenta com o passar dos anos. Até recentemente, metade dos pacientes tinha mais de 65 anos. Nos últimos anos, tem se observado muitos casos em pacientes mais jovens, que não bebem e não fumam, mas geralmente associados a infecção pelo vírus do HPV.

Sexo: a maioria dos pacientes são homens.

Sexo oral e HPV: o papilomavírus humano (HPV), que pode ser transmitido por meio de relações sexuais desprotegidas, é uma das causas da doença. Por isso, é importante utilizar preservativo, inclusive durante a prática de sexo oral.

Produtos químicos: a exposição a substâncias como níquel, amianto e gases de ácido sulfúrico também aumenta o risco de câncer de garganta.

História familiar: há maior risco de câncer de garganta para pessoas com familiares que tiveram este tipo de câncer.

De acordo com estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) são esperados 6.470 novos casos de câncer de laringe em homens e 1.180 em mulheres para cada ano do triênio 2020-2022, sendo o nono mais comum para o sexo masculino.

A laringe (onde estão localizadas as cordas vocais) é o órgão da voz e fica entre a parte posterior da língua e a traqueia. Além da fala, ela é importante para a proteção dos brônquios e pulmões de partículas de alimentos durante a deglutição. A laringe é dividida em:

  • Supraglote, que fica acima das cordas vocais e contém a epiglote, responsável por fechar a laringe durante a deglutição, encaminhando o alimento para o esôfago e impedindo a passagem de partículas para os pulmões.
  • Glote, onde estão as cordas vocais;
  • Subglote, localizada abaixo das cordas vocais.

Por isso, um tumor da laringe pode afetar a voz, a deglutição ou a respiração.  


Sinais e sintomas

Rouquidão e mudança de voz persistentes são os principais sinais do câncer de laringe quando atingem as cordas vocais, o que facilita a detecção precoce. Porém, quando os tumores na laringe não começam nas cordas vocais, a rouquidão e a mudança de voz aparecem em estádios mais avançados. Por isso, algumas vezes, eles só são diagnosticados quando já se disseminaram para os gânglios linfáticos, quando o paciente nota um caroço no pescoço.

Outros sinais:

  • Irritação ou dor de garganta que piora com a deglutição e não passa em duas semanas
  • Rouquidão e mudança de voz, que persistem por mais de 15 dias
  • Aparecimento de nódulo no pescoço
  • Pigarro ou tosse constante
  • Dor ou dificuldade para engolir
  • Dificuldade para respirar
  • Perda de peso inexplicável


Fatores de risco

Conheça os fatores que aumentam a probabilidade de desenvolver câncer de laringe.

Fumo: é o principal fator de risco para o câncer de laringe.

Álcool: sozinho, o consumo de bebidas alcoólicas já é um fator de risco importante. Combinado com o fumo, o risco se multiplica. Essa combinação aumenta bastante o risco para vários tipos de câncer.

Idade: o risco aumenta com a idade; a maioria dos pacientes tem mais de 55 anos.

Sexo: homens e mulheres podem apresentar a doença, mas a maioria dos pacientes são homens.

Sexo oral e HPV: o papilomavírus humano (HPV), que pode ser transmitido por meio de relações sexuais desprotegidas, poucas vezes é uma das causas da doença. Mas, é importante utilizar preservativo, inclusive durante a prática de sexo oral, pois o HPV está muito associado a outro tumor da região, o da orofaringe.

Refluxo gastroesofágico: quando o suco gástrico sobe para o esôfago e alcança a laringe, provocando uma inflamação crônica.

A faringe é uma importante estrutura comum ao aparelho digestivo e respiratório, formada por três diferentes regiões:

  • Nasofaringe (ou rinofaringe): parte superior das vias aéreas, localizada atrás do nariz e acima do palato mole
  • Orofaringe: inclui a base da língua, o palato mole, as amígdalas e a parede posterior da faringe (a parte da garganta logo atrás da boca)
  • Hipofaringe: estende-se a partir do osso hioide, para baixo, conectando-se ao esôfago e à laringe


Sinais e sintomas

Nas fases iniciais, o câncer de faringe pode apresentar pouco ou nenhum sintoma. Nos estádios mais avançados, pode presentar:

  • Dor ou dificuldade para engolir
  • Dor de ouvido ou infecções recorrentes de ouvido em adultos
  • Sensação de congestão ou obstrução nasal, que acomete um lado e, depois de algum tempo, os dois lados
  • Alteração da fala ou até mesmo rouquidão
  • Aparecimento de nódulos (caroços) no pescoço
  • Sensação de que algo está preso na garganta
  • Engasgos com alimentos
  • Falta de ar
  • Secreção ou sangramento nasal
  • Tosse com sangue
  • Perda de peso inexplicável


Fatores de risco

Conheça os fatores que aumentam a probabilidade de desenvolver câncer de faringe.

  • Sexo: grande parte dos casos ocorrem em homens.
  • Fumo: é fator de risco para o câncer de faringe, principalmente da orofaringe e da hipofaringe.
  • Álcool: sozinho, o consumo de bebidas alcoólicas já é um fator de risco importante. Combinado com o fumo, o risco se multiplica. Essa combinação aumenta bastante o risco para vários tipos de câncer.
  • Alimentação: algumas pesquisas indicam que populações que consomem muitos alimentos preservados em sal têm maior risco para desenvolver câncer de faringe e que o consumo de frutas, legumes e hortaliças pode reduzir o risco de desenvolver a doença.
  • Infecções virais: o vírus de Epstein-Baar (EBV) associa-se ao risco de câncer da nasofaringe. Já o HPV associa-se ao câncer da orofaringe.

As paratireoides são quatro glândulas que ficam no pescoço, atrás da tireoide, cuja função é controlar os níveis de cálcio no sangue por meio da produção do hormônio paratireoideano ou paratormônio (PTH).

Quando há produção excessiva de PTH, os níveis de cálcio no sangue sobem, causando uma condição chamada hipercalcemia. Em 85% dos casos, esse quadro chamado hiperparatireoidismo é causado por tumores benignos (adenomas), por hiperplasia (crescimento anormal, mas benigno da glândula). Em 1% dos casos, é resultado de um câncer raro, o carcinoma de paratireoide.

Se não for tratado, tanto as doenças benignas quanto o câncer podem causar osteoporose, fraturas e cálculos renais. Essas doenças atingem igualmente homens e mulheres, geralmente acima dos 30 anos e, costuma ser descoberto por meio de exames de sangue que mostram elevação dos níveis de cálcio.


Sinais e sintomas

A maior parte dos adenomas e hiperplasias são assintomáticas por longos períodos. Nos casos mais avançados e de câncer de paratireoide, como consequência da hipercalcemia, pode-se observar:

  • Dor nos ossos e no corpo
  • Osteoporose
  • Fraturas espontâneas
  • Massa palpável no pescoço
  • Desidratação
  • Náusea e vômito
  • Cólica renal
  • Pedras nos rins
  • Insuficiência renal
  • Arritmia cardíaca
  • Fraqueza muscular
  • Cansaço
  • Perda de peso
  • Confusão mental


Fatores de risco

As causas do adenoma e do câncer das paratireoides não são conhecidas. As hiperplasias estão associadas à insuficiência renal.

Segundo o INCA, o câncer de traqueia, numa estatística conjunta a brônquios e pulmões, é o quarto mais comum entre os homens, com projeção de 17.760 novos casos neste ano.

A traqueia é um tubo oco formado por cartilagens e músculos, localizada entre a laringe e os brônquios e responsável por conduzir o ar do ambiente externo para dentro dos pulmões.

Por isso, tumores que atingem a traqueia, benignos ou malignos, causam o estreitamento desse órgão, dificultando a passagem de ar para os pulmões.


Sinais e sintomas

Problemas respiratórios podem ser causados por várias doenças, como asma e bronquite, mas também podem estar associados ao câncer da traqueia. Por isso, não devem ser ignorados e merecem uma consulta ao médico:

  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Tosse, com ou sem sangue, que não passa
  • Sibilo ou zumbido, barulhos que acompanham a respiração quando há obstrução da passagem de ar
  • Infecções frequentes das vias aéreas
  • Rouquidão
  • Dificuldade para engolir, que pode indicar que o crescimento do tumor está pressionando o esôfago


Fatores de risco

Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver câncer, mas isso não quer dizer que você vai ter câncer de traqueia.

Fumo: o tabagismo é o principal fator de risco para o câncer de traqueia.

O câncer sinonasal, um tumor de incidência baixa no Brasil, assim como nos Estados Unidos, representa cerca de 2% das neoplasias do trato respiratório.

Essa raridade faz com que muitos centros tenham pouca experiência no tratamento desse grupo complexo de doenças. Uma das maiores experiências nacionais é a do A.C.Camargo, onde cerca de 100 pacientes por ano são tratados pela equipe multidisciplinar.


Sinais e sintomas

O crescimento de tumores nasossinusais pode ser lento ou muito rápido, dependendo do tipo de tumor. 

Geralmente, não há manifestação detectável nas fases iniciais – o diagnóstico é feito em fases avançadas de evolução da doença – e o tipo de manifestação clínica depende das estruturas envolvidas

A obstrução nasal unilateral com secreção sanguinolenta ou com pus misturado com sangue são os principais sintomas.

Outros sinais:

  • Alterações visuais (olho saltado, visão dupla, perda visual)
  • Lacrimejamento
  • Assimetria facial
  • Amortecimento da região malar (maçã do rosto)
  • Amolecimento e má oclusão dentária
  • Abaulamento do palato, de gengiva superior ou externamente a ela
  • Dificuldade de abertura da boca (trismo)
  • Perda do olfato (anosmia)
  • Dor de cabeça (cefaleia) 
  • Dor facial

Doenças comuns, como resfriado, gripe e sinusite, podem causar sintomas semelhantes, mas eles são de curta duração e geralmente comprometem os dois lados do nariz. 

Pelo contrário, em tumores, os sintomas começam de um lado só, pioram progressivamente e só na fase mais avançada comprometem os dois lados.
 

Fatores de risco

Tumores nasossinusais não apresentam relação com tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas. 

Descreve-se um maior risco para pessoas que trabalham em indústria metalúrgica que utiliza níquel e aquelas que são expostas ao pó de serra na indústria madeireira. 

Outros riscos ocupacionais são descritos em pessoas que trabalham no processamento de couros, ou foram expostas a gás mostarda, isopropanol e à radiação ionizante pelo radium. 

O papel de sinusites crônicas é muito controverso.

A hipófise ou pituitária regula outras glândulas, como a tireoide, as adrenais, os testículos e os ovários.

Além disso, ela sintetiza uma série de hormônios, como o do crescimento, a prolactina, que estimula a produção do leite materno, a vasopressina, também chamada de hormônio antidiurético, fazendo com que os rins mantenham a água do organismo, e a oxitocina, que estimula a contração do útero durante o parto.


Sinais e sintomas

Nem todos os tumores de hipófise ou pituitária causam sintomas e alguns podem ser descobertos por acaso, quando o paciente faz uma tomografia ou ressonância por algum motivo. Adenomas funcionais, porém, geralmente produzem um dos hormônios da pituitária em excesso e macroadenomas podem causar sintomas neurológicos como:

  • Fraqueza muscular no olho, de forma que os dois olhos não se movem na mesma direção ao mesmo tempo
  • Visão dupla ou embaçada
  • Perda da visão periférica
  • Cegueira repentina
  • Dor de cabeça
  • Dor ou dormência no rosto
  • Tontura
  • Desmaios

Macroadenomas e os raros carcinomas de pituitária também podem pressionar e destruir áreas normais da glândula, reduzindo a produção de um ou mais hormônios, causando sintomas como:

  • Náuseas
  • Fraqueza
  • Perda ou ganho de peso inexplicável
  • Perda de pelos corporais
  • Sensação de frio
  • Alteração do ciclo menstrual ou ausência de menstruação
  • Disfunção erétil
  • Crescimento de tecido mamário em homens
  • Perda do desejo sexual, principalmente em homens
  • Diabetes insipidus: tumores muito grandes podem pressionar a parte posterior da hipófise, reduzindo a produção de vasopressina, o hormônio antidiurético, o que pode levar a um quadro de diabetes, em que a pessoa urina muito e sente muita sede.

Adenomas somatotróficos, que aumentam muito a produção do hormônio do crescimento, causam sintomas e quadros diferentes em crianças e adultos. Nas crianças, eles estimulam o crescimento de todos os ossos do corpo, causando gigantismo, cujos sintomas são:

  • Altura muito superior à média da idade
  • Crescimento muito acelerado
  • Dor nas juntas
  • Sudorese, isto é, aumento na produção de suor

Nos adultos, cujos ossos longos dos braços e das pernas já cresceram, eles causam acromegalia, com crescimento dos pés, das mãos e dos ossos da face. Os sintomas são:

  • Crescimento dos pés, mãos e crânio
  • Mudança do rosto, por causa do crescimento dos ossos da face
  • Espaçamento dos dentes e protuberância da mandíbula, por causa do crescimento da mandíbula
  • Dor nas juntas
  • Aumento nas taxas de glicemia (açúcar no sangue) ou diabetes mellitus
  • Pedras dos rins
  • Problemas cardíacos
  • Dor de cabeça e alterações da visão

Adenomas corticotróficos, que aumentam a produção de ACTH, fazem com que as glândulas adrenais elevem a síntese de hormônios como o cortisol, na chamada síndrome de Cushing, cujos sintomas são:

  • Ganho de peso inexplicável, principalmente no rosto, tórax e abdome
  • Aumento de pelos no rosto, tórax e abdome
  • Acne
  • Inchaço e vermelhidão no rosto
  • Acumulação de gordura atrás do pescoço
  • Aumento nas taxas de glicemia (açúcar no sangue) ou diabetes mellitus
  • Pressão alta
  • Alterações da visão
  • Perda de interesse sexual
  • Enfraquecimento dos ossos, que pode causar osteoporose ou mesmo fraturas

Adenomas lactotróficos, que estimulam a síntese de prolactina, podem causar redução na frequência dos ciclos menstruais ou sua interrupção e produção anormal de leite. Em homens, pode causar crescimento das mamas e disfunção erétil. Em ambos os sexos, esses adenomas também podem causar:

  • Infertilidade
  • Perda de interesse sexual
  • Osteoporose

Adenomas tireotróficos, que elevam a produção de TSH, causam sintomas de hipertireoidismo como:

  • Batimento cardíaco acelerado ou irregular
  • Tremores
  • Perda de peso
  • Aumento do apetite
  • Suor excessivo
  • Dificuldade para dormir
  • Ansiedade
  • Aumento do número de evacuações


Fatores de risco

Poucos fatores de risco são conhecidos para os tumores de pituitária e todos eles são genéticos, ou seja, não há fatores ambientais ou comportamentais que aumentem as chances de alguém desenvolver tumores de pituitária ou hipófise. No entanto, algumas síndromes genéticas aumentam o risco de tumores de pituitária:

Neoplasia endócrina múltipla Tipo I (MEN1): é uma doença hereditária com alto risco de desenvolvimento de tumores em três glândulas: pituitária, paratireoide e pâncreas, causada por mutação no gene MEN1, que é transmitida para metade dos filhos do portador.

Neoplasia endócrina múltipla Tipo IV (MEN4): essa síndrome, causada por mutação no gene CDKN1B, é rara, mas aumenta o risco de tumores da pituitária.

Síndrome de McCune-Albright: essa condição é causada por mutação no gene GNAS, que não é hereditária, mas ocorre durante a formação do feto. A pessoa afetada apresenta manchas de cor marrom na pele, problemas ósseos e também pode ter distúrbios hormonais e tumores de pituitária.

Complexo de Carney: é uma síndrome rara, em que o portador apresenta problemas cardíacos, de pele e de adrenais e tem risco ampliado de desenvolver vários tumores, entre eles os tumores de pituitária.

Julho Verde: tudo sobre os tipos de câncer de cabeça e pescoço

Linha Fina

Tireoide, boca, garganta... Veja uma seleção de conteúdos com as táticas de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação para esses tumores

Julho Verde é o mês de conscientização mundial sobre os tumores de cabeça e pescoço, que representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com os dados do IARC (sigla para Agência Internacional de Pesquisa em Câncer), uma agência da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Tumores de cabeça e pescoço são aqueles que atingem tireoide, boca, garganta, laringe, faringe, paratireoide, traqueia e região sinonasal.

A boa notícia é que, quando um câncer é detectado no início, são grandes as chances de sucesso no tratamento – sendo assim, cuide-se bem.

Para afastar o risco, inclua alimentos mais saudáveis nas refeições, faça atividade física, não fume, não beba, previna-se contra a obesidade e não deixe de realizar os exames médicos. 

Mesmo em tempos de pandemia, temos um Atendimento Oncológico Protegido, implementado para que os pacientes possam seguir seus tratamentos com segurança, além de fazer suas consultas e exames para investigar eventuais sinais e sintomas.

No A.C.Camargo Cancer Center, eles são tratados por uma equipe multidisciplinar no Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço, que entende a necessidade individualizada de cada paciente e o coloca no centro do cuidado.

Para que você saiba mais sobre o universo dos tumores de cabeça e pescoço e proteger sua saúde, apresentamos a seguir dezenas de publicações.

Elas foram divididas pelas temáticas de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação, os pilares que definem a jornada do nosso paciente na Instituição.

Tem vídeos, podcasts, textos... Confira:

Podcast - Câncer de cabeça e pescoço: comportamentos a se evitar
Não vacinar, fumar, comer mal e até mesmo algumas profissões são vilões

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
Descubra como é a relação entre o álcool e as neoplasias 

A vacina contra HPV para evitar o câncer de cabeça e pescoço
Vírus é responsável por 75% dos casos de câncer de amígdala e 32% dos de boca

9 mitos e verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Enxaguantes bucais têm relação? Estas e outras questões

Conheça os sinais e sintomas dos tumores na garganta
Nódulo no pescoço, dificuldade para engolir e perda de peso inexplicável podem ser indícios 

Tireoide: cistos e nódulos podem virar um câncer?
A importância de manter os exames em dia para prevenir tumores

9 fatores que podem contribuir para o câncer de boca
Conheça também os sinais e os sintomas que podem indicar um tumor

Podcast - Câncer de cabeça e pescoço: prevenção e diagnóstico precoce
Aprenda a se defender e a detectar um eventual tumor

Alimentação saudável contribui para evitar o câncer
Antioxidantes e fibras ajudam a prevenir tumores

Podcast - O câncer de tireoide
Ouça esta conversa e saiba tudo sobre sinais, sintomas e fatores de risco

Prevenção e fatores de risco para câncer de cabeça e pescoço
Sinais, sintomas e outros pontos para você observar

Vegetais e frutas na diminuição do risco de tumores de cabeça e pescoço
Estudo com brasileiros confirma benefícios do consumo 

Câncer de cabeça e pescoço: profissões e fatores de risco
Pesquisa internacional analisou 8839 casos

Vídeo: o papel do estomatologista em tumores de cabeça e pescoço
Este odontologista é vital para o diagnóstico das doenças da boca 

Vídeo: prevenção e diagnóstico precoce
Veja e defenda-se dos tumores de cabeça e pescoço

Pesquisa aponta aumento da incidência de câncer de orofaringe associado a HPV
Estudo feito em SP analisou mais de 15 mil casos de câncer de boca e orofaringe 

Covid-19: não pare seu tratamento
Pesquisa mostra o impacto da demora em se buscar tratamento oncológico durante a pandemia 

Vídeo: a cirurgia robótica no câncer de cabeça e pescoço
Ela representa progressos e benefícios para os pacientes

Podcast - Câncer de cabeça e pescoço: tratamentos inovadores
Ouça e conheça as principais evoluções nas técnicas terapêuticas

Vigilância Ativa em câncer de tireoide: o tratamento acompanhado de perto
Monitoramento pode proporcionar uma terapia mais benéfica e evitar a retirada da glândula

Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço
Entenda como a equipe multidisciplinar coloca o paciente no centro do cuidado 

Vídeo: evoluções no câncer de cabeça e pescoço
Assista e conheça os avanços no tratamento 

Podcast - Atendimento Oncológico Protegido
Saiba como o A.C.C. está preparado para cuidar de seus pacientes com segurança e excelência em tempos de Covid-19

Tratamento oncológico e libido: entenda a relação
Fatores orgânicos ou emocionais podem desencadear problemas

Câncer de cabeça e pescoço e Covid-19
Artigo científico traz recomendações para cirurgias oncológicas

Genômica, a ciência que faz diferença
Assista ao vídeo e entenda melhor como ela contribui para o combate ao câncer

O que o paciente com câncer deve saber sobre interações medicamentosas?
Chás e alguns medicamentos podem interferir na ação dos quimioterápicos 

Laringe: caminhos para a cura e a preservação das funções
Pesquisa estabelece biomarcadores para o melhor tratamento

Cientistas focam em evitar desnecessárias cirurgias de tireoide
pesquisas visam elucidar maior conhecimento da biologia do tumor 

As células tumorais circulantes
Pesquisa evidencia relação entre elas e a resposta ao tratamento em cabeça e pescoço

Espectrometria de massas
Pesquisa inovadora mostra que este recurso pode evitar cirurgias de tireoide

A eficácia do tratamento do câncer de cabeça e pescoço
Estudo avalia biomarcadores que podem afetar ação do cetuximab

Osteorradionecrose: entenda esse efeito colateral
Estudo inédito faz alerta aos profissionais que tratam pacientes

Laringectomizados totais: os cuidados em tempos de covid-19
Saiba como esses pacientes devem se proteger

Fonoaudiólogo: uma nova voz para quem perdeu a fala
Veja o vídeo “Dias Melhores” com o Coral Sua Voz, formado por pacientes laringectomizados

Podcast - A reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia

Exercício e câncer: preparação pré-cirúrgica traz vantagens aos pacientes
Descubra os inúmeros benefícios que a atividade física proporciona durante e após a cirurgia

Podcast Rádio Cancer Center - Como manter a mente calma em tempos de Covid-19
Uma conversa que ensina táticas para se reinventar e passar bem por esta atípica fase 

Vídeo: combata a disgeusia com esta salada caprese com pesto
Assista e aprenda uma receita feita para quem tem diminuição ou alteração no paladar

Disfagia: problemas na deglutição devem ser tratados
Além de comprometer o bem-estar do paciente, alteração pode levar à pneumonia 

Fonoaudiologia em vídeo: como funciona a residência
entenda como essa especialidade é fundamental na reabilitação 

Fisiatra, o médico que promove mobilidade e qualidade de vida
Conheça esse profissional de essencial importância para o “ir e vir”, inclusive para o paciente oncológico 

Exercícios durante ou após a quimioterapia em pacientes com câncer
Estudo holandês apresentado na ASCO analisou o impacto da atividade física

Pesquisa no câncer: conheça três entre as mais revolucionárias

Linha Fina

São estudos que revelaram fatores de risco importantes para desenvolver tumores nos últimos 50 anos

A pesquisa no câncer é um dos pilares do A.C.Camargo Cancer Center. Em nosso CIPE (Centro Internacional de Pesquisa), o estudo de hoje se torna o tratamento de amanhã, que cura ou melhora a qualidade de vida dos nossos pacientes.

E é assim nos centros de excelência mundo afora. Essa é a premissa da integração de diagnóstico, tratamento, ensino e pesquisa do câncer, o modelo que adotamos aqui no A.C.Camargo Cancer Center, assim como nos principais Cancer Centers do mundo.

Uma evolução do conceito de saúde em oncologia para aprofundar constantemente o conhecimento sobre a doença e gerar inovação. Para nós, a pesquisa é um tema de extrema relevância. 

Para comemorar o 50º aniversário da Lei Nacional do Câncer nos Estados Unidos, a revista científica Cancer Research, da AACR (Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, em tradução livre), compilou algumas das descobertas mais marcantes em uma lista intitulada Cancer Research Landmarks.

Nela, foram destacados 23 estudos marcantes publicados no periódico durante esse período e queremos aqui compartilhar três deles. 


Pesquisa no câncer: imunoterapia e outros marcos

Esses artigos abrangem toda a gama da pesquisa do câncer – desde a identificação dos fatores de risco e alterações celulares associadas ao aparecimento e à progressão do câncer até o desenvolvimento de terapias revolucionárias contra os tumores. 

Conheça abaixo um resumo de três deles – para ter acesso aos estudos da lista toda (em inglês), clique aqui.


1988 - Identificação do ato de fumar e beber como fatores de risco para câncer de boca e faringe

O Dr. Joseph Fraumeni, Jr. e seus colegas compararam o uso de tabaco e álcool entre 1.114 pacientes com câncer de orofaringe e 1.268 indivíduos pareados sem a doença, representando quatro áreas distintas dos Estados Unidos.

Os pesquisadores concluíram que os fumantes tinham um risco mais de 200% maior de câncer de orofaringe do que os indivíduos que nunca fumaram. Da mesma forma, o consumo pesado de álcool foi associado a um aumento de quase 800% no risco de câncer de orofaringe. 

Fraumeni e colegas também observaram que a cessação do tabagismo reduziu significativamente esse risco.

Como se sabe, essas descobertas tiveram implicações além do câncer de orofaringe – hoje, o tabaco é um fator de risco bem estabelecido para vários tipos de câncer, incluindo formas agressivas como câncer de pulmão e pâncreas.


1990 - Células relacionadas ao câncer de mama

O Dr. Samuel Brooks Jr. comandou um estudo que permitiu várias descobertas importantes sobre a biologia das células mamárias normais, bem como as alterações genéticas e celulares básicas que levam ao desenvolvimento do câncer de mama.

Entre essas descobertas fundamentais está o melhor entendimento de como as alterações dos principais oncogenes (HER2, PTEN, TP53 e BRCA1) contribuem para o desenvolvimento do câncer de mama.


2004 - Abrindo o caminho para a imunoterapia

Hoje, a imunoterapia – estratégia que estimula o organismo a identificar as células cancerosas e atacá-las com medicamentos que modificam a resposta imunológica – é uma modalidade de tratamento muito bem estabelecida. 

Mas isso não ocorria até a publicação dessa pesquisa pela equipe do Dr. Augusto Ochoa, que demonstrou a existência de células mieloides imunossupressoras no estroma tumoral.

Ao classificar as populações de células de tumores de camundongos, eles descobriram, entre outras coisas, que a inibição da enzima arginase aumentou a atividade antitumoral em modelos de camundongos, destacando a possibilidade de regular terapeuticamente a imunidade antitumoral no microambiente tumoral.

Desta forma, esse estudo lançou as bases para pesquisas subsequentes sobre o aprimoramento da imunoterapia, compreendendo as diferenças entre as células mieloides no tecido tumoral e as dos órgãos linfoides, além de explorar os inibidores da arginase como terapia contra o câncer.

9 fatores que podem contribuir para o câncer de boca

Linha Fina

Conheça também os sinais e os sintomas que podem indicar um tumor na boca

O câncer de boca pode se desenvolver no seu revestimento interno (mucosa bucal), nas gengivas, nos dois primeiros terços da língua, no soalho bucal (a parte que fica embaixo da língua), no céu da boca e na área atrás dos dentes do siso, chamada trígono retromolar. 

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa para 2022 é de 11.180 casos em homens e de 4.010 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 10,69 casos novos a cada 100 mil homens e 3,71 para cada 100 mil mulheres.

 Alguns fatores podem aumentar o risco de desenvolver câncer de boca. Confira:

  1. Fumo: usuários de tabaco representam 80% dos casos de câncer de boca e o risco é proporcional à quantidade de fumo consumida. A chance de essas pessoas desenvolverem câncer de boca é de seis a 16 vezes maior que entre as não fumantes.
  2. Álcool: o consumo de bebidas alcoólicas é um fator de risco importante, principalmente, entre os chamados bebedores pesados, que bebem mais de 21 doses de álcool por semana. O risco é seis vezes maior para quem consome bebida alcoólica. Além disso, o álcool potencializa a ação do tabaco.
  3. Idade: o risco de câncer bucal aumenta com a idade.
  4. Sexo: dois terços dos pacientes são homens.
  5. Sexo oral e HPV: a infecção pelo papilomavírus humano (HPV) pode causar câncer de boca. Por isso, é importante usar preservativo durante a prática.
  6. Irritações da mucosa bucal: dentaduras, pontes e coroas precisam ser avaliadas periodicamente pelo dentista; as dentaduras devem ser removidas e limpas todas as noites.
  7. Imunossupressão: pessoas que tomam drogas imunossupressoras, para evitar a rejeição de um transplante, por exemplo, também podem ter risco aumentado para câncer de boca.
  8. Exposição ao sol: grande parte dos pacientes com câncer de lábio são profissionais que trabalham ao ar livre, expostos à radiação ultravioleta do sol. Protetor labial com filtro solar ajuda na prevenção.
  9. Alimentação: dietas pobres em frutas, legumes e verduras também estão associadas a maior risco de câncer de boca.

  
Atenção aos sinais e sintomas do câncer de boca

Consultar o médico ou o dentista se qualquer um dos sintomas listados abaixo persistirem por mais de duas semanas:
 

  • Ferida na boca que não cicatriza (sintoma mais comum)
  • Dor na boca que não passa (também muito comum, mas em fases mais tardias)
  • Nódulo persistente ou espessamento na bochecha
  • Área avermelhada ou esbranquiçada em qualquer local da boca
  • Irritação na garganta ou sensação de que alguma coisa está presa ou entalada
  • Dificuldade para mastigar ou engolir
  • Dificuldade para mover a mandíbula ou a língua
  • Dormência da língua ou outra área da boca
  • Inchaço da mandíbula que faz com que a dentadura ou prótese perca o encaixe ou incomode
  • Mudanças na voz
  • Nódulos ou gânglios aumentados no pescoço
  • Perda de peso
  • Mau hálito persistente

É possível prevenir e fazer o diagnóstico precoce de câncer bucal na cadeira do cirurgião-dentista. Esse profissional é capaz de detectar sinais como placas esbranquiçadas, lesões avermelhadas e feridas. Quando essas lesões não cicatrizam em menos de 15 dias, uma investigação mais acurada é necessária.

Fonte: Dr. Fábio Alves, head da estomatologia do A.C.Camargo Cancer Center

Webinar - O câncer de cabeça e pescoço

Linha Fina

Assista ao vídeo e saiba como prevenir, diagnosticar, tratar e reabilitar pessoas com esses tipos de tumor

Câncer de cabeça e pescoço: nesta conversa, discutimos da prevenção até a reabilitação desses tumores, na visão do médico, do fonoaudiológico e do paciente laringectomizado.

Assista: 

 

Podcast Rádio Cancer Center #49 - Câncer de cabeça e pescoço: fatores comportamentais que devem ser evitados

Linha Fina

Uma conversa objetiva com dicas práticas para proteger a sua saúde

O câncer de cabeça e pescoço, muitas vezes, surge a partir de hábitos e fatores comportamentais como a não vacinação contra o HPV, o tabagismo, o etilismo, a alimentação inadequada e a exposição a determinadas condições, como em algumas profissões.

Para minimizar os riscos de um câncer de cabeça e pescoço, ouça esta conversa objetiva com a Dra. Maria Paula Curado, head do Grupo de Epidemiologia e Estatística em Câncer do A.C.Camargo, ela que recentemente foi eleita uma das 100 mil top cientistas do mundo em toda a história.

Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço

Linha Fina

No mês de conscientização por conta desses tumores, especialista do A.C.Camargo desmistifica dúvidas variadas sobre o tema 

Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios paranasais, cavidade nasal e glândulas salivares, aproximadamente 700 mil novos casos são registrados anualmente.

No cenário brasileiro, segundo o INCA, estima-se que houve em 2018 31.980 novos casos.

Esses são alguns dos pontos que deixam o Julho Verde ainda mais relevante. Trata-se de uma campanha mundial de conscientização e prevenção do câncer de cabeça e pescoço, nome dado a um conjunto de tumores que afetam regiões da boca, faringe, laringe, cavidade nasal e seios paranasais, glândulas salivares e tireoide.

A seguir, para abrir uma série de conteúdos que serão publicados neste Julho Verde, confira nove mitos e verdades sobre tumores de cabeça e pescoço selecionados por Luiz Paulo Kowalski, head do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

 

1. O câncer não apresenta dores imediatas? Verdade

Trata-se de uma doença com caráter assintomático em seus primeiros estágios, confundida com uma série de enfermidades comuns, como gripe ou faringite. Muitos pacientes demoram a consultar um especialista por tentar justificar os próprios sintomas, mesmo que persistam por bastante tempo. Essa situação dificulta o diagnóstico precoce - que proporciona grandes chances de sucesso no tratamento. Portanto, é preciso um cuidado especial com feridas na boca, rouquidão ou inflamações que durem mais de duas semanas sem apresentar quadros de melhora, após seguir recomendações médicas.

 

2. Consultar-se sempre com o mesmo especialista pode ajudar em um diagnóstico mais precoce? Verdade

Mesmo após uma primeira consulta, quando os sintomas persistem, alguns pacientes buscam a opinião de outro médico. Por "começar do zero", este profissional pode também não encontrar a verdadeira causa desses sintomas - principalmente em caso de câncer, de caráter assintomático inicialmente e que necessita de um acompanhamento mais próximo e constante do médico.

A opinião de outro especialista, porém, é sim saudável: o problema é a alteração constante, em busca de um diagnóstico favorável ao que o paciente deseja ouvir. O conhecimento individual do caso pode colaborar para que o médico solicite exames mais apropriados e realize uma análise específica do paciente.

 

3. A queda do número de fumantes diminuiu os casos de câncer? Mito

Reconhecido como um dos principais fatores de risco para tumores na cavidade oral, a diminuição de fumantes no Brasil não determinou o mesmo efeito para a incidência do câncer. Isso porque, apesar desse hábito ter diminuído, aumentou o número de casos relacionados ao papilomavírus humano (HPV), decorrente do ato sexual sem proteção, resultando em um crescimento de pacientes com tumores na cabeça e no pescoço sem histórico de tabagismo ou etilismo.

 

4. O consumo em excesso de carne vermelha pode aumentar o risco de desenvolvimento de câncer na região? Verdade

Ingerir diariamente carne vermelha em grandes quantidades pode predispor a um tumor na boca ou garganta, principalmente quando preparada em churrasqueiras, uma vez que o carvão utilizado contém elementos carcinogênicos. O consumo ideal de carne é de 2 a 3 vezes por semana e recomenda-se variar a forma de preparo, além de incluir bastante salada na alimentação.

 

5. Alimentação rica em frutas e verduras pode ser fator de proteção? Verdade

Uma dieta com predominância de frutas cítricas e vegetais verdes, por exemplo, pode proteger diversos tipos de câncer, como os de cabeça e pescoço. Bebidas naturais, como chá verde, açafrão e própolis, também podem ser importantes fatores de proteção contra esses tumores, devido à presença de antioxidantes, componentes capazes de evitar a formação de lesões e tumores nas células.

 

6. Câncer na boca pode ser causado pelo uso de próteses dentárias? Mito

A utilização de próteses dentárias não provoca câncer. Porém, caso esteja solta e machuque continuamente a boca, pode causar um traumatismo crônico, lesão com possibilidade de predispor ao câncer. A boca deve ser higienizada corretamente, pois, de acordo com algumas pesquisas, a gengivite crônica pode acumular bactérias com potencial carcinogênico. No entanto, não há ligação entre cáries e câncer.

 

7. Enxaguantes bucais têm relação com a formação de tumores na boca? Verdade

A utilização de enxaguantes bucais com álcool em sua composição pode aumentar a incidência de câncer. Isso ocorre com o uso diário e em longo prazo, pois o álcool pode eliminar bactérias protetoras da boca e facilitar a proliferação de substâncias maléficas ao organismo.

 

8. A cirurgia de retirada da laringe impede que o paciente volte a falar? Mito

Atualmente, há métodos que permitem ao paciente laringectomizado a oportunidade de novamente se comunicar pela voz. A prótese traqueosofágica possibilita a fala para 90% dos operados e traz bons resultados em qualidade do som e tempo de fonação. Alternativas como a eletrolaringe e a voz esofágica, técnica em utilizar o esôfago para a produção de som, também são oferecidas ao paciente, permitindo maiores chances de sucesso na reabilitação pós-cirúrgica.

 

9. O câncer de cabeça e pescoço é uma doença exclusivamente masculina? Mito 

Décadas atrás, os homens eram mais acometidos por tumores na região da cabeça e pescoço, por representarem maior número de fumantes. No entanto, a proporção, outrora dividida em torno de 90% masculina e 10% feminina, hoje está igualada. A maior presença do tabagismo entre as mulheres, além do aumento da incidência de câncer de tireoide (causado principalmente por variações hormonais, mais constantes em organismos femininos) são as principais causas dessa mudança. A consulta com um especialista, a realização de exames periódicos e os cuidados com a saúde devem, portanto, ser realizados por ambos os sexos.

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?

Linha Fina

Neste Julho Verde, mês de conscientização sobre o combate aos tumores de cabeça e pescoço, descubra como é a relação entre o álcool e as neoplasias 

A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer.

Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso (colorretal).


Qualquer bebida alcoólica?

O álcool é prejudicial em todas as suas formas, mas o grande problema é o abuso dos destilados, pois o efeito carcinogênico é dose-dependente, e os destilados são os que apresentam a maior quantidade de álcool por mililitro (ml).

“O que a gente sabe é que, principalmente, bebidas destiladas têm esse potencial carcinogênico. Há trabalhos que mostram que quem toma a partir de duas doses diárias de destilados, ou seja, 14 ou mais doses por semana, eleva o risco de câncer sobretudo para boca, faringe e laringe”, explica o Dr. José Vartanian, head do Departamento de Tumores de Cabeça e Pescoço do A.C.Camargo.

“De vez em quando, não teria um problema uma cerveja ou um cálice de vinho, mas evite ao máximo os destilados”, avisa o especialista.


Interação com o cigarro 

Além do fator carcinogênico isolado do álcool, ele tem um efeito multiplicador do risco quando a pessoa também consome tabaco

“Quem fuma tem um risco até 25 vezes maior de desenvolver um câncer de boca. Já quem bebe ao menos duas doses diárias de destilados aumenta em até dez vezes esse risco. Quando se consome ambos ao mesmo tempo, multiplica-se o perigo. Em câncer de laringe, por exemplo, esse risco pode chegar a mais de 100 vezes. Assim, além de o álcool ter seu efeito isolado, ele potencializa muito o efeito do tabaco”, afirma o Dr. Vartanian.


Enxaguantes bucais

Alguns trabalhos na literatura científica, inclusive, mostraram que enxaguantes bucais com álcool também seriam um fator de risco. 

“Esses estudos revelaram que, se a pessoa faz o bochecho com um enxaguante com álcool mais de uma vez por dia, sendo duas ou três vezes, isso aumentaria em até duas vezes o risco de um câncer de boca. Por isso, muitas empresas reafirmam nos rótulos que o produto não contém álcool”, acrescenta o médico. 


Julho Verde: mês de conscientização 

A campanha mundial representa o mês de conscientização sobre o combate aos tumores de cabeça e pescoço.

Com o slogan O Câncer tá na Cara, mas às Vezes Você não Vê!, o movimento chama a atenção para as pessoas se precaverem o ano todo, para que fiquem atentas a eventuais sinais e sintomas, para que incluam hábitos saudáveis na rotina e realizem os exames médicos necessários.

A boa notícia é que, quando um câncer é detectado no início, são grandes as chances de sucesso no tratamento – sendo assim, cuide-se bem.
 

Saiba mais:

- Veja se seus sinais e sintomas precisam de avaliação médica

- Agende sua consulta ou seu exame

Câncer de cabeça e pescoço: programa científico – Next Frontiers to Cure Cancer 2021

Linha Fina

Por Thiago Bueno de Oliveira, vice-líder do Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço

O câncer de cabeça e pescoço será o foco de dois dias intensos de debates no Next Frontiers to Cure Cancer 2021. Um total de 56 especialistas renomados nessa área, incluindo 10 palestrantes internacionais, abordarão as principais novidades no tratamento desses tumores, além de aspectos relacionados à prevenção, ao diagnóstico e à ciência translacional. 

O programa está dividido em oito sessões – a maioria delas, com um formato que traz, além de palestras, discussões interativas de casos clínicos com profissionais de diversas especialidades da equipe multidisciplinar envolvida no cuidado ao paciente.

Baseado na experiência de nosso Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço, no qual diversas especialidades atuam de maneira integrada, buscamos refletir essa integração em nosso programa científico, trazendo em cada tema abordado diversos profissionais envolvidos na cadeia de cuidado, para enfatizar a importância deste modelo multidisciplinar centrado no paciente.

No primeiro dia (25/6) serão discutidos temas como o descalonamento de terapia em tumores de orofaringe relacionados ao HPV, com o intuito de maximizar as taxas de cura e minimizar efeitos colaterais e potenciais sequelas do tratamento, culminando numa melhor qualidade de vida. 

Na sequência, o tratamento atual dos tumores de cavidade oral e as estratégias de preservação de função de órgão nos tumores de laringe e hipofaringe serão debatidos, mais uma vez buscando curabilidade e proporcionando melhor reabilitação funcional e qualidade de vida. 

Por fim, os tumores sinonasais ganham os holofotes, trazendo a expertise de nossa equipe no tratamento destas neoplasias e a troca de experiência com outros centros mundialmente reconhecidos no tratamento do câncer.

No segundo dia (26/6), os temas serão o tratamento atual das recidivas do câncer de cabeça e pescoço, com foco na cirurgia de resgate, e no papel fundamental da imunoterapia, que veio revolucionar a terapêutica neste cenário da doença e já faz parte do arsenal de tratamento em nosso centro. 

Depois, abordaremos os tumores de tireoide e de glândulas salivares, mais uma vez unindo nossa expertise com a de grandes centros mundiais. 

Finalizando o nosso programa científico, teremos uma sessão de medicina translacional em câncer de cabeça e pescoço, no qual abordaremos o que acreditamos ser o futuro do cuidado aos nossos pacientes, ou seja, as novas fronteiras para a cura do câncer, fazendo jus ao nosso grande congresso anual.
 

Doutor Thiago Bueno de Oliveira, branco, traços orientais, sorri de jaleco
"
O programa está dividido em 8 sessões: a maioria delas, com um formato que traz, além de palestras, discussões interativas de casos clínicos com profissionais de diversas especialidades da equipe multidisciplinar envolvida no cuidado ao paciente.
Doutor Thiago Bueno de Oliveira, vice-líder do CR em Tumores de Cabeça e Pescoço