Câncer de próstata e hiperplasia prostática

 
Publicado em: 01/11/2022 - 14:11:32
Linha Fina

As diferenças existem, mas há sintomas comuns entre essas duas doenças que acometem a próstata, por isso, é importante ficar atento e realizar os exames de rotina

O mês de novembro é marcado por uma série de campanhas de combate e prevenção ao câncer de próstata. Batizado como “Novembro Azul”, o objetivo principal é conscientizar homens em todo o mundo sobre a gravidade da doença.


No Brasil, de acordo com o Instituto nacional de Câncer (INCA), estima-se o diagnóstico de 65.840 novos casos de câncer de próstata em 2022. Esta estatística corresponde a cerca de 63 novos casos para cada 100mil homens. 


Ainda segundo o INCA, o câncer de próstata ocupa a primeira posição no ranking de tipos de câncer que acometem homens no Brasil, sendo: 72,35/100 mil na Região Nordeste, 65,29/100 mil na Região Centro-Oeste,  63,94/100 mil na Região Sudeste, de 62,00/100 mil na Região Sul e de 29,39/100 mil na Região Norte.


Mas você sabe qual é a diferença entre uma próstata inflamada, aumentada ou com câncer?


A próstata tem o tamanho de uma noz e contém pequenas glândulas que produzem sêmen. Ela está localizada abaixo da bexiga e na frente do reto, com a uretra. As diferenças entre o aumento ou câncer são mínimas, por isso, é vital que se procure um médico especialista ao surgir qualquer sintoma.


Próstata aumentada ou inflamada (hiperplasia)


A hiperplasia prostática, ou inflamação e o aumento da próstata, é um crescimento benigno (não sendo um câncer) do tamanho da próstata que atinge cerca de 25% dos homens na faixa dos 40 aos 49 anos. Esse aumento pode comprimir a uretra diminuindo o seu calibre e dificultando – ou até mesmo impedindo – a passagem da urina e causando inúmeros problemas.
Os principais sintomas urinários causados pela próstata inflamada (hiperplasia prostática benigna) são:


•    Dificuldade para começar urinar, jato urinário fraco ou interrompido.
•    Esforço miccional (dificuldade para urinar).
•    Sensação de não esvaziar a bexiga completamente.
•    Gotejamento excessivo após urinar
•    Urinar com mais frequência que o habitual
•    Acordar a noite para urinar (Noctúria)
•    Incontinência urinária
•    Dor suprapúbica


Câncer de Próstata


Nos estágios iniciais, o câncer de próstata, em geral, não apresenta sintomas e, por esse motivo, as visitas anuais ao urologista são fundamentais para a detecção precoce. A dificuldade para urinar pode ser sintoma de câncer que, em geral, já deve estar em fases mais avançadas), mas também da hiperplasia benigna e só um médico pode fazer o diagnóstico correto. Portanto, fique atento aos sintomas e procure seu médico, principalmente se possuir mais de 40 anos.


•    Urinar pouco de cada vez
•    Urinar com mais frequência, especialmente à noite, quando o paciente se levanta várias vezes da cama para ir ao banheiro
•    Dificuldade para urinar
•    Redução da força ou do calibre do jato urinário
•    Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga após urinar
•    Demora para iniciar o ato de urinar
•    Dor ou ardência ao urinar
•    Presença de sangue no sêmen ou na urina
•    Ejaculação dolorosa


Reiteramos que na grande maioria dos cânceres de próstata em fase inicial, que são os com maior taxa de cura e que cujo tratamento causa menos sintomas e tem menores custos, esse tumor não tem sintomas. Os sintomas acima, em geral associadosa hiperplasia beninga, quando causados pelo câncer, em geral decorrer de turmoes mais avnaçados, cujas taxas de cura são menores, os tratamentos tem maior custo e se associam a maiores efeitos colaterais.


Da mesma forma que o câncer de mama, quanto mais cedo for diagnosticado o câncer de próstata, maiores serão as chances de cura.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...