Pai e filho abraçados e sorrindo, olhando para o celular

Mutações genéticas e o câncer de próstata

Publicado em: 17/11/2020 - 07:11:00
Linha Fina

Nesta edição da coluna Fala, Doutor!, o oncologista clínico Dr. Daniel Garcia explica como as mutações e o histórico familiar estão relacionados ao câncer de próstata


O Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, comemorado em 17 de novembro, deu origem ao movimento Novembro Azul, com objetivo de falar sobre a doença, que afeta homens geralmente na meia-idade ou mais. Ao longo da vida, aproximadamente um em cada nove homens terão a doença. 

A próstata é uma glândula que envolve a uretra masculina e ajuda a produzir sêmen, o fluido que transporta os espermatozoides. Quando certas células da próstata tornam-se anormais e multiplicam-se sem controle, formam um tumor. 

A origem do câncer de próstata

A maioria dos casos de câncer de próstata ocorre esporadicamente, ou seja, por acaso e devido a combinações de fatores difíceis de identificar. No entanto, ter um histórico pessoal ou familiar de alguns tipos de câncer pode aumentar o risco.

Aproximadamente 12% dos homens com câncer de próstata metastático e 6% dos que têm a doença localizada na próstata, de alto risco, têm uma predisposição genética identificada. Os genes mais frequentemente envolvidos são o BRCA 1 e BRCA 2 - os mesmos genes que, entre as mulheres, são responsáveis por grande parte dos tumores de mama e ovário. 

Outras alterações genéticas, como a Síndrome de Lynch e mutações nos genes ATM, CHEK2 e PALB2, também podem ter associação com o câncer de próstata, apesar de serem menos frequentes. A ancestralidade também pode influenciar no risco, como é o caso dos descendentes de judeus asquenazes (provenientes da Europa central e oriental), que apresentam maior frequência de mutações nos genes BRCA 1 e BRCA 2.

Significado das mutações

Os homens portadores de mutação BRCA 1 têm um risco três vezes maior de desenvolver câncer de próstata do que os não portadores; para BRCA 2, este risco é ainda mais elevado, chegando a ser oito vezes maior quando comparado a não portadores. Além disso, as mutações em BRCA também aumentam as chances de desenvolver outros tipos de câncer, como pâncreas, colón e melanoma.

A Síndrome de Lynch está mais associada ao câncer colorretal. Até os 80 anos, o risco cumulativo de desenvolver o câncer colorretal varia de 8,7% a 61%; para o câncer de próstata, esse risco varia entre 2,5% e 15,9%. Outras neoplasias também têm um risco cumulativo maior entre os portadores da síndrome, como os tumores de endométrio, ovário, ureter/pelve renal, estômago, entre outros.

Quem deve realizar o teste genético

 As recomendações médicas atuais indicam  testes genéticos para homens com história pessoal de câncer de próstata metastático, com doença localizada de alto risco ou doença localizada com histologia intraductal, bem como uma história familiar de mutações germinativas de alto risco (por exemplo, BRCA 1 e BRCA 2 , mutação de Lynch, ascendência judaica asquenaze), ou para aqueles com um forte histórico familiar de câncer.

Como são realizados os testes

Os testes utilizados atualmente são exames que analisam o DNA do paciente por meio de exame de sangue ou saliva, e demoram algumas semanas para ficarem prontos.

O aconselhamento genético é importante antes e depois do teste. Especialistas em genética médica podem ajudar a responder perguntas sobre o teste e auxiliar a entender o que está envolvido. Se o teste for positivo para uma alteração genética, pode haver protocolos a seguir para detectar o câncer precocemente ou diminuir seus riscos. No entanto, o teste genético não é perfeito. A maioria das pessoas com câncer e/ou histórico familiar de câncer não tem um gene herdado anormal, assim como nem todas as pessoas que herdaram uma alteração genética desenvolverão câncer.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...