Mitos & verdades sobre Câncer Infantil

Publicado em: 25/02/2015 - 14:02:13

O câncer infantil em geral desperta diversas dúvidas em pais, cuidadores e familiares. Confira a seguir alguns mitos e verdades comuns sobre o assunto.

1. Todo tratamento quimioterápico em crianças faz o cabelo cair?
Mito - Apesar de grande parte dos tratamentos quimioterápicos provocarem queda de cabelo, isso não ocorre necessariamente com todos os pacientes. A queda capilar depende do tipo de tumor e do medicamento utilizado. Doses mais intensas de quimioterapia costumam aumentar o risco desse efeito colateral.

2. A criança em tratamento oncológico não pode ir para a escola?
Mito - Nos períodos em que o paciente estiver clinicamente bem, é permitido frequentar a escola e até mesmo outros locais, como parques. No entanto, deve-se tomar cuidado redobrado quando houver casos de doenças na escola ou na classe do paciente, pois a imunidade da criança em tratamento oncológico é mais baixa.

Muitos pais acreditam que durante o tratamento devem manter os filhos em casa. Mas eles podem sair mantendo-se alguns cuidados, como por exemplo: evitar lugares fechados e aglomerados, como hipermercados e transporte público, devido ao maior risco de contrair alguma infecção.

3. Criança em tratamento quimioterápico não pode comer alimentos crus?
Verdade - Apesar de oferecerem maior concentração de nutrientes, os alimentos crus são mais propensos a conter microrganismos, aumentando o risco de infecções. Por isso, tais alimentos devem ser evitados. O nutricionista que acompanha o tratamento é o profissional ideal para indicar quais frutas e verduras podem ser consumidas.  Também é importante evitar se alimentar em restaurantes, lanchonetes ou outros estabelecimentos, por não ser possível verificar a procedência e a higienização dos produtos.

4. Pacientes pediátricos em tratamento quimioterápico não podem frequentar praia e/ou piscinas?
Verdade - As águas do mar e da piscina são ambientes que oferecem alto risco de contaminação, devido à alta concentração de produtos químicos ou bactérias. Devido à queda na imunidade provocada pelo tratamento, os pacientes oncológicos devem evitar praias e piscinas.
A exposição à luz solar em excesso também pode trazer riscos. Caso uma criança em tratamento quimioterápico precise sair ao ar livre, recomenda-se escolher horários de sol mais ameno (antes das 10h e depois das 16h), o uso de protetor solar e permanecer preferencialmente na sombra.

5. Crianças em tratamento quimioterápico devem ficar longe do animal de estimação?
Mito - O animal não precisa ser retirado da residência de um paciente em tratamento.  Porém, deve-se tomar uma série de cuidados para que o contato da criança com o bicho não ofereça risco de contaminação. O paciente não pode ter contato com os excrementos dos animais, tampouco deixá-lo dormir na mesma cama. Preservar-se de atos como lambidas no rosto, arranhões e mordidas também é importante.

6. O câncer infantil é somente de natureza hereditária?
Mito - Apesar do câncer infantil não estar diretamente associado a fatores como dieta e sedentarismo, não se determina a predisposição genética como o único fator de risco. Pelo contrário, menos de 10% dos pacientes pediátricos tem a hereditariedade como causa da doença. A razão para a maioria dos casos de câncer infantil ainda é desconhecida.

7. Mesmo após a alta do tratamento, o paciente pediátrico precisa continuar o acompanhamento médico ao longo da vida?
Verdade - O cuidado com o paciente pediátrico deve permanecer após a alta para avaliação de possíveis efeitos tardios decorrentes da terapia ou mesmo da possibilidade de recidiva da doença. Esse acompanhamento clínico busca assegurar melhor qualidade de vida para a criança e adolescente ao longo de sua vida.

Dra. Cecília Maria Lima da Costa - CRM 77799
Diretora do Departamento de Oncologia Pediátrica

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
O papel do enfermeiro navegador e seu impacto na jornada oncológica
Durante a jornada oncológica, pacientes do A.C.Camargo Cancer Center podem contar com a expertise dos enfermeiros navegadores. São profissionais altamente especializados em oncologia que atuam como um elo entre o paciente e todas as equipes (assistenciais e administrativas), desenvolvendo um trabalho fundamental para melhorar os...
"O homem não pode se descuidar de jeito nenhum!"
Sou Carlos Levy, tenho 75 anos, funcionário público aposentado e pai de cinco filhos. Também sou avô dos meus quatro queridos netos e casado com o amor da minha vida, Amália. Desde meus 50 anos tenho um compromisso comigo mesmo: fazer meus exames periódicos. Sigo...
15 de setembro - Dia mundial de conscientização sobre linfomas
Como se prevenir deles? Indo ao médico assim que perceber os sintomas. Então apareceu um gânglio diferente no pescoço, ou na axila, ou na virilha, que não dói, mas você sente extremo cansaço, febre, está suando à noite e também perdendo peso sem razão aparente...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...