Mitos & verdades: câncer de pâncreas, fígado e vesícula

Publicado em: 03/12/2019 - 14:12:00
Notícias
Mitos & Verdades

Geralmente assintomáticos no início, os tumores no fígado e no pâncreas podem ser diagnosticados tardiamente, em fase mais avançada e agressiva. Confira alguns mitos e verdades sobre câncer de pâncreas, fígado e vesícula biliar.
 

O diabetes pode se desenvolver em câncer?

Mito. O diabetes não é um fator de risco para o desenvolvimento da doença, mas o modo e a intensidade de sua manifestação podem ser sintomas do câncer de pâncreas.

Quando surge subitamente em não diabéticos ou em quem estava com a doença controlada, recomenda-se a análise do pâncreas, pois um tumor pode causar esse desequilíbrio. Essa verificação é importante para direcionar o paciente ao tratamento correto e não somente alterar medicações ou doses de insulina para inibir os sintomas.
 

O câncer no fígado pode ser causado por hepatites?

Verdade. Infecções virais como as hepatites B e C, se estiverem em atividade, podem se tornar fatores de risco para a forma mais comum de câncer de fígado, o hepatocarcinoma. A cirrose, outra doença que pode atingir o órgão, também pode ser relacionada às hepatites, além de predispor ao desenvolvimento de tumores no fígado.
 

O fígado se regenera após sua retirada parcial cirurgicamente?

Verdade. Devido à extensão de alguns tumores, é necessária a retirada parcial do fígado. Após o procedimento, o órgão cresce para reocupar o espaço e também todas as suas funções. Mas essa "regeneração" só é possível se, após a cirurgia, reste pelo menos metade do fígado.
 

Pedras na vesícula podem aumentar o risco de desenvolvimento de tumores?

Depende. Essa possibilidade varia de acordo com o tamanho do cálculo. A maioria das pedras que aparecem na vesícula biliar costuma ter entre 0,5 e 1 cm e, geralmente, é retirada por meio da laparoscopia, procedimento cirúrgico minimamente invasivo. Mas, caso o tamanho do cálculo supere os 3 cm, é considerado fator de risco para o desenvolvimento do câncer de vesícula biliar, tumor raro e de comportamento agressivo.

Dr. Felipe José Fernandez Coimbra - CRM 93020
Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE 30634
Especialista em Cirurgia Geral - RQE 30635

Veja também

Novo Coronavírus: 7 mitos e verdades
Cães e gatos transmitem? Enxaguante bucal ajuda? Entenda algumas dúvidas recorrentes sobre a Covid-19 Mais sobre o novo Coronavírus: - Podcast Rádio Cancer Center #9 - Covid-19, leucemias e outros cânceres hematológicos - Coronavírus: cuidados para quem toma hormônio contínuo - Coronavírus: como proteger cuidadores...
Produção científica: um dos importantes pilares de atuação do A.C.Camargo Cancer Center
A pesquisa – ao lado do diagnóstico, tratamento e ensino – constitui um dos importantes pilares de atuação do A.C.Camargo Cancer Center. A produção de conhecimento científico é considerada fundamental e traz benefícios para o paciente, na medida em que os estudos resultam em práticas...
Cinco jeitos de curtir SP
São Paulo apresenta várias opções de lazer, diversão e cultura. Confira abaixo algumas dicas para curtir o aniversário da cidade de forma gratuita, saudável e divertida: Com 1,5 milhão de metros quadrados e grande variedade de plantas e aves, o Parque do Ibirapuera é um...
Dia Nacional de Atenção à Disfagia (20/3): problemas na deglutição devem ser tratados
Além de comprometer o bem-estar do paciente, alteração pode levar à pneumonia A disfagia é caracterizada por qualquer alteração no ato de engolir e pode trazer uma série de riscos à saúde, como aspirações de alimentos ou saliva que, se atingirem os pulmões, levam à...
Para que jejum em exames de imagem?
Tese de doutorado avalia se deixar de comer e beber pode piorar as condições dos pacientes. Afinal, é mesmo necessário ficar em jejum para exames de tomografia ou ressonância? A Dra. Paula N. V. Pinto Barbosa, da Radiologia, fez a si mesma essa pergunta depois...