Mitos & verdades: câncer de estômago e esôfago | A.C.Camargo Cancer Center Pular para o conteúdo principal

Mitos & verdades: câncer de estômago e esôfago

 
Publicado em:

Mitos & verdades: câncer de estômago e esôfago

Publicado em:

Refluxo, gastriste e a bactéria H. Pylori podem ser fatores de risco para o desenvolvimento de tumores no estômago e no esôfago? Dr. Felipe Coimbra, Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal esclarece alguns mitos e verdades sobre o tema.
 

Gastrite pode ser um sinal ou fator de risco para o desenvolvimento de câncer?

Depende. A maioria dos diagnósticos de gastrite não tem relação com o desenvolvimento de tumores, exceto a gastrite atrófica, que ocorre quando os anticorpos atacam o revestimento do estômago. Essa doença é encontrada facilmente durante um exame endoscópico. Portanto, em casos de dores no estômago persistentes, recomenda-se a avaliação de um especialista.
 

Ter refluxo pode aumentar o risco de desenvolver câncer de esôfago?

Depende. Quando o ácido proveniente do estômago entra em contato com o esôfago, pode haver alterações em seu revestimento, causando doenças como a esofagite, que pode aumentar o risco para o desenvolvimento de tumores. Mas nem todo tipo de refluxo gastroesofágico é fator de risco. A endoscopia é o exame recomendado para avaliar pacientes com refluxo e possíveis complicações.
 

Ter a bactéria H. Pylori é certeza de tumores no estômago?

Mito. Na população brasileira há um alto número de indivíduos com H. Pylori, mas a porcentagem de pessoas que irá desenvolver o câncer é bastante pequena. A atenção deve surgir nos casos diagnosticados com a bactéria junto de uma doença, como a gastrite atrófica.
 

Pacientes que retiraram o estômago devido a uma úlcera têm risco aumentado de desenvolver câncer?

Verdade. Há cerca de 15 anos, ainda era utilizado o tratamento cirúrgico para úlcera. A forma como esse procedimento era realizado pode se tornar um fator de risco para câncer de estômago e, por isso, os pacientes operados precisam realizar um acompanhamento periódico.

Atualmente, esse problema não existe mais, pois o tratamento da úlcera é realizado por meio de medicações que não predispõem ao câncer.

A cirurgia bariátrica, técnica de redução do estômago para emagrecimento, também não é fator de risco para o desenvolvimento de tumores.

Dr. Felipe José Fernandez Coimbra - CRM 93020
Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE 30634
Especialista em Cirurgia Geral - RQE 30635

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Um símbolo da nossa coragem
Outro dia, numa consulta, o médico colocou um estetoscópio nos ouvidos e encostou o auscultador no meu peito. Para não dizer que tomei um susto, eu me surpreendi com o gesto. Há anos não via o tradicional aparelho em consultório...
Conheça o centro de imunização do A.C.Camargo
O centro de imunização do A.C.Camargo Cancer Center surgiu para ampliar ainda mais o cuidado ao paciente oncológico oferecido na instituição. O espaço disponibiliza com comodidade e agilidade as vacinas para pacientes, familiares e qualquer pessoa interessada no serviço de...
Câncer colorretal tem cura e pode ser prevenido
O câncer colorretal é um dos mais frequentes no mundo todo. A boa notícia é que há prevenção para reduzir a probabilidade de desenvolver este câncer e as taxas de cura são altas quando detectadas precocemente. Por isso, conhecer e...
Câncer infantil se cura com ciência, alegria e carinho
A experiência do paciente de câncer, dele e de sua família, é bem difícil, não há como negar. Quem vive, sabe como a doença convulsiona as emoções, transtorna o cotidiano, impacta a vida. Já é duro passar por ela quando...
Dona Carmen, a nossa padroeira
Na semana que vem ele me alcança. Tem sido assim desde sempre, desde que nascemos naquele mesmo ano. Eu faço aniversário e, menos de dois meses depois, ele faz também. Na próxima semana, o A.C.Camargo completa os 71 de uma...