Mitos & verdades: câncer de estômago e esôfago

Publicado em: 03/12/2019 - 10:12:40
Institucional
Prevenção
Epidemiologia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto
Mitos & Verdades

Refluxo, gastriste e a bactéria H. Pylori podem ser fatores de risco para o desenvolvimento de tumores no estômago e no esôfago? Dr. Felipe Coimbra, Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal esclarece alguns mitos e verdades sobre o tema.
 

Gastrite pode ser um sinal ou fator de risco para o desenvolvimento de câncer?

Depende. A maioria dos diagnósticos de gastrite não tem relação com o desenvolvimento de tumores, exceto a gastrite atrófica, que ocorre quando os anticorpos atacam o revestimento do estômago. Essa doença é encontrada facilmente durante um exame endoscópico. Portanto, em casos de dores no estômago persistentes, recomenda-se a avaliação de um especialista.
 

Ter refluxo pode aumentar o risco de desenvolver câncer de esôfago?

Depende. Quando o ácido proveniente do estômago entra em contato com o esôfago, pode haver alterações em seu revestimento, causando doenças como a esofagite, que pode aumentar o risco para o desenvolvimento de tumores. Mas nem todo tipo de refluxo gastroesofágico é fator de risco. A endoscopia é o exame recomendado para avaliar pacientes com refluxo e possíveis complicações.
 

Ter a bactéria H. Pylori é certeza de tumores no estômago?

Mito. Na população brasileira há um alto número de indivíduos com H. Pylori, mas a porcentagem de pessoas que irá desenvolver o câncer é bastante pequena. A atenção deve surgir nos casos diagnosticados com a bactéria junto de uma doença, como a gastrite atrófica.
 

Pacientes que retiraram o estômago devido a uma úlcera têm risco aumentado de desenvolver câncer?

Verdade. Há cerca de 15 anos, ainda era utilizado o tratamento cirúrgico para úlcera. A forma como esse procedimento era realizado pode se tornar um fator de risco para câncer de estômago e, por isso, os pacientes operados precisam realizar um acompanhamento periódico.

Atualmente, esse problema não existe mais, pois o tratamento da úlcera é realizado por meio de medicações que não predispõem ao câncer.

A cirurgia bariátrica, técnica de redução do estômago para emagrecimento, também não é fator de risco para o desenvolvimento de tumores.

Dr. Felipe José Fernandez Coimbra - CRM 93020
Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE 30634
Especialista em Cirurgia Geral - RQE 30635

Veja também

Bebida alcoólica e câncer: excesso contribui para a formação de tumores
Bebida alcoólica e câncer: esta relação aumenta a probabilidade de desenvolvimento de tumores. E não só para os bebedores pesados (que consomem mais de 21 doses de álcool por semana): qualquer quantidade ingerida contribui para o aumento do risco de desenvolver certos tipos de câncer...
O câncer de rim e sua relação com o hormônio renina
Conduzido pelo corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, estudo abre uma outra perspectiva sobre a função endócrina renal: seus hormônios podem ser fatores prognósticos para câncer? O câncer de rim também orbita pelo universo de Novembro Azul. Há mais de 15 variações dele. Entre elas...
Podcast Rádio Cancer Center #29 - Tumores urológicos: prevenção e diagnóstico precoce
Tumores urológicos: prevenção e diagnóstico precoce, algo essencial para a saúde do homem. Esta é a temática da conversa de hoje em meio a este Novembro Azul, o mês de conscientização sobre os cânceres que atingem a próstata, o rim, a bexiga, o testículo e...
A oncologia personalizada do A.C.Camargo
Pacientes contam com novas ferramentas de diagnóstico e tratamento para maior precisão no combate ao câncer Ao longo dos anos, os avanços científicos proporcionaram não só um maior número de tratamentos contra o câncer como também uma maior personalização, considerando as peculiaridades de cada pessoa...