Meu filho tem hemangioma, e agora? | A.C.Camargo Cancer Center Pular para o conteúdo principal

Meu filho tem hemangioma, e agora?

 
Publicado em:

Meu filho tem hemangioma, e agora?

Publicado em:

Alguns bebês, logo após o nascimento, desenvolvem uma mancha ou saliência vermelha na pele. Trata-se de hemangioma, tumor benigno presente em cerca de 3% dos recém-nascidos, que exige atenção por parte dos pais, mas não predispõe ao desenvolvimento de outras doenças.



Mais frequente na infância, o hemangioma é decorrente de uma atividade anormal das células dos vasos sanguíneos, que resulta na formação de um tumor de pele nos primeiros dias de vida. Não existem fatores de risco específicos, tampouco medidas de prevenção. Porém, as chances de desenvolver um hemangioma aumentam em caso de prematuridade e a frequência em meninas é três vezes maior do que em meninos.

Os motivos que levam à formação de um hemangioma ainda são desconhecidos. São os tumores benignos mais frequentes na infância, geralmente surgem no rosto e no couro cabeludo e, em cerca de 70% dos casos, desaparecem até os 10 ou 12 anos. Os hemangiomas afetam a superfície da pele da criança e podem provocar ferimentos ou sangramentos. Em casos que atingem a face, podem também afetar a respiração e obstruir a visão. 

Já outras anomalias vasculares congênitas, adquiridas antes do nascimento, podem ser identificadas no período pré-natal, em exames como a ultrassonografia. Não involuem com o decorrer do tempo e, posteriormente, podem provocar aumento de volume na região atingida, exigindo tratamento.

Tanto os hemangiomas como as anomalias vasculares congênitas são diagnosticados, após o nascimento, pelo exame clínico, e raramente há a exigência de utilizar tecnologias de imagem.
 

Formas de tratamento

Ao identificar o surgimento de um hemangioma no corpo do bebê, os pais devem procurar um especialista. No A.C.Camargo Cancer Center, por exemplo, o Núcleo de Cirurgia Plástica e Reparadora é responsável pelo tratamento desse tumor. "A avaliação clínica precoce é imprescindível para diagnosticar e tratar um hemangioma", ressalta a diretora do Núcleo, Dra. Heloisa Galvão do Amaral Campos. Ela salienta que cada tumor tem um ritmo de crescimento, cabendo ao especialista orientar individualmente a família sobre como proceder. "Antigamente, os médicos optavam por 'esperar para ver', mas essa conduta ficou no passado. A consulta com o especialista é fundamental, principalmente porque o tratamento precoce é a única maneira de impedir que o desenvolvimento do hemangioma deixe sequelas", orienta.

Atualmente, a modalidade de tratamento mais utilizada são os medicamentos como o betabloqueador. "O hemangioma tem desenvolvimento muito rápido de suas células. Assim, essa medicação interrompe esse processo de divisão celular", explica Dra. Heloisa. Em casos de uma ferida superficial, outra técnica utilizada é a laserterapia, que também colabora na prevenção dos ferimentos. A cirurgia tradicional é utilizada somente quando não é possível empregar outras condutas terapêuticas, pois tem maior risco de sequelas.

Dra. Heloisa Galvão do Amaral Campos - CRM 44108
Diretora do Núcleo de Cirurgia Plástica e Reparadora
Especialista em Cirurgia Pediátrica - RQE nº 13546

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Cuidados paliativos, para todas as horas
"Fulano, coitado, ele já está nos cuidados paliativos". É pouco provável que você nunca tenha ouvido essa frase, ou outra parecida com ela, numa conversa sobre doença. O coitado seria uma pessoa muito enferma, já incurável, vivendo os seus últimos...
A quimérica célula Car-t
Você se lembra da notícia, certamente. Se já era oncológico à época, recorda especialmente a esperança que ela trouxe para todos os pacientes. Em 9 de setembro de 2019, no Hospital das Clínicas da de Ribeirão Preto, um aposentado de...
Os planos e o drama da cobertura
Imagine você estar na Emergência do A.C.Camargo, acomodado provisoriamente numa baia, esperando a transferência para um quarto do hospital. Você é um paciente em seguimento de câncer e deu entrada com um quadro de diarreia intensa. Como é o auge...
Nossos índices de chance de cura são os mais altos do país
Lançado em abril de 2023, o Observatório do Câncer do A.C.Camargo avaliou mais de 98 mil casos tratados na instituição nos últimos 20 anos. E os dados apresentados mostram que, cada vez mais, alcançamos ótimos resultados junto aos pacientes. Nos...