Inovação: a era da bioimpressão 3D chega à saúde

Publicado em: 17/05/2019 - 20:05:53
Tratamento
Pesquisa
Inovação e tecnologia

Tecnologia permite a construção de tecidos que reduzem rejeições e de modelos in vitro para testes de drogas imunossupressoras

Células carregadas em matrizes poliméricas, as chamadas biotintas, são impressas posicionadas hierarquicamente, camada a camada, de maneira programada. Nascem assim, por meio da tecnologia de bioimpressão 3D, tecidos humanos funcionais e modelos in vitro tridimensionais.

A bioimpressão surge como uma das mais revolucionárias tecnologias capazes de mudar os rumos do diagnóstico e tratamento de inúmeras doenças.

No campo da medicina regenerativa, abre-se um mundo de inovação que traz mais tecnologia para médicos e profissionais da saúde e esperança para pacientes. De acordo com a palestrante Ana Luíza Millás, da startup 3D Biotechnology Solutions, “a tecnologia de bioimpressão permite utilizar diferentes tipos celulares e materiais poliméricos naturais e/ou sintéticos, que, combinados ou não com as células do próprio paciente, permitem o desenvolvimento de tecidos com menor chance de rejeição e a produção de modelos para o teste de medicamentos imunossupressores”.

A fabricação dos objetos vivos é uma atividade multidisciplinar e interdisciplinar, pois exige o envolvimento de várias áreas de conhecimento. Os protótipos nascem de uma imagem médica de tomografia computadorizada ou de ressonância magnética, ou, então, de um desenho CAD - Computer Aided Design. Por meio de biotintas carregadas com células vivas e biomoléculas, vai nascendo o tecido. As biotintas são o equivalente às tintas em uma impressora normal. Porém, nesse caso, os cartuchos são recheados de proteínas, células e componentes biológicos que permitem a construção do tecido.

Na Oncologia, a bioimpressão vem ampliar os horizontes da oncologia personalizada por meio da impressão simultânea de células tumorais e de células saudáveis do paciente para reconstrução de estruturas 3D, simulando o microambiente tumoral. Podem ser usadas para avaliar a eficácia de tratamentos fora do corpo do paciente. É possível avaliá-las em laboratório, testar um imunossupressor, garantindo assim uma melhor eficácia do tratamento.

Vale destacar que essas iniciativas ainda estão restritas à pesquisa, mas a possibilidade de vários grupos de estudos estarem trabalhando com o mesmo tema em diversos locais no Brasil e no mundo gera uma quantidade enorme de informação qualificada que permitira grandes avanços na Medicina.

Acredita-se, ainda, que entre cinco e dez anos será possível produzir tecidos impressos com características específicas, passando por tecidos ósseos, de cartilagem, de pele e até enxertos e outros órgãos.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Coronavírus e os cuidados necessários com a traqueostomia
Pacientes traqueostomizados devem manter algumas precauções específicas Com a pandemia do novo Coronavírus, o paciente traqueostomizado precisa de cuidados que vão além daqueles de rotina. Quando um paciente tem um câncer que dificulta a passagem de ar para os pulmões, como um tumor na garganta...
Dia Nacional de Atenção à Disfagia (20/3): problemas na deglutição devem ser tratados
Além de comprometer o bem-estar do paciente, alteração pode levar à pneumonia A disfagia é caracterizada por qualquer alteração no ato de engolir e pode trazer uma série de riscos à saúde, como aspirações de alimentos ou saliva que, se atingirem os pulmões, levam à...
Exame de sangue oculto nas fezes ajuda a diagnosticar câncer de intestino precocemente
Ele funciona como uma espécie de triagem em grandes populações, indicando quem deve fazer a colonoscopia Pouca gente se lembra de fazer – e às vezes até mesmo os médicos se esquecem de pedir – o exame de sangue oculto nas fezes. Entretanto, ele é...
Novembro Azul: é possível “não tratar” um câncer de rim ou de próstata?
Novembro Azul é o mês que reafirma a importância de as pessoas ficarem atentas a fatores de risco, sinais, sintomas e, quando diagnosticadas com um tumor urológico, aos tipos de tratamento existentes. Neste ano em particular, vivemos o dilema entre postergar tratamentos oncológicos para alguns...
Governança de dados em saúde
O tema governança de dados em saúde é pouco discutido na atualidade. Durante sua palestra na 5ª edição do Next Frontiers to Cure Cancer, Marcelo Félix, do Núcleo de Inovação do Hospital das Clínicas (InovaHC), explica que vivemos um período de desaquecimento da inteligência artificial...