Pesquisa

A.C.Camargo realiza primeira infusão de células CAR-T

Linha Fina

Nova modalidade que modifica geneticamente células que atacam o tumor é a base do estudo em fase 3 que está em andamento no Cancer Center

O A.C.Camargo Cancer Center, realizará, no próximo dia 28 de novembro, a infusão do primeiro produto de terapia celular da história da instituição, e a segunda em todo o Brasil, de células CAR-T (células T geneticamente modificadas e reprogramadas em laboratório para destruir os tumores) da Janssen Cilag Farmacêutica. Apenas quatro instituições de saúde foram credenciadas para oferecer esse tratamento de alta complexidade no Brasil, e o A.C.Camargo é o único Cancer Center que poderá administrar essa terapia no país.

Essa nova modalidade de imunoterapia, que modifica geneticamente os linfócitos – tipo de célula do sistema imunológico presente no sangue – contra o tumor, é a base do estudo em fase 3 que está em andamento no Cancer Center.

Essa nova terapia poderá beneficiar pacientes que sofrem com mieloma múltiplo refratário, que é uma alteração nas células do sistema imune que provoca disfunção na resposta imunológica, produzindo anticorpos defeituosos, sem atividade e que continua progredindo mesmo após o tratamento convencional (quimioterapia ou transplante de medula óssea), e é a primeira à base de células CAR-T para tratar esse tipo de câncer. Ela foi aprovada pela ANVISA em março de 2022.

O mieloma múltiplo refratário é mais recorrente em pessoas com mais de 60 anos. Seus sintomas são similares aos das doenças crônicas como, cansaço excessivo, marcas roxas na pelem, confusão, diminuição da força e da sensibilidade dos dedos, dor nos ossos, aumento dos níveis de cálcio no sangue, fraturas frequentes e espontâneas e o aumento no risco de desenvolver anemia, decorrente da diminuição na quantidade plaquetas e glóbulos brancos e vermelhos. No entanto, dificilmente estes sintomas se manifestam ainda na fase inicial da doença.
O diagnóstico pode ser realizado por um hematologista ou oncologista, por meio de testes clínicos, sanguíneos, de urina e biópsia da medula. Por ser considerado relativamente raro, o Instituto nacional do Câncer (INCA), não possui dados precisos. Porém, autoridades americanas estimam que, cerca de 95% dos casos são diagnosticados em fases avançadas da doença nos EUA. Nesse quadro avançado, a taxa de sobrevida de cinco anos é de 51%, podendo chegar a 74% quando diagnosticado em estágio inicial.

Como funciona imunoterapia feita no A.C.Camargo?

A primeira etapa do processo é colher células do sistema imunológico do paciente a partir da centrifugação do sangue. Este procedimento é conhecido como leucaférese, e é similar a uma hemodiálise.

Em seguida, já em um laboratório, um especialista isola o linfócito T (tipo de leucócito ou célula de defesa do sistema imunológico). Esse linfócito é capaz de reconhecer antígenos (substâncias estranhas ao organismo como vírus, bactérias, tumores ou substâncias tóxicas) existentes no organismo.

O próximo passo é enviar o material coletado a um laboratório que fará a manufatura dessas células, ou seja, fará a modificação genética para programá-las para destruir o tumor. Isso é feito com auxílio de um vetor viral (vírus que tem o material genético alterado em laboratório para reconhecer e combater o tumor). Esse vetor entra no linfócito T, modifica o DNA dele e faz com que aquela célula expresse um receptor que reconheça o antígeno da doença, nesse caso o mieloma múltiplo, e a ataque.

Dentro de sete dias após a infusão das células CAR-T, pode haver uma reação inflamatória, sinal de que os linfócitos modificados estão se reproduzindo dentro do organismo e induzindo a liberação de substâncias para eliminar o tumor. Nesse momento, além de febre, o paciente pode apresentar variações em sua pressão arterial e eventual necessidade de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Sobre o estudo CARTITUDE-5

Registrado no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) do A.C.Camargo sob o nº:3212/22 e na comissão nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) sob o nº: 48248621.6.2002.5432 o “CARTITUDE-5” é um  estudo de fase 3, randomizado comparando Bortezomibe, Lenalidomida e Dexametasona (VRd) seguidos por Ciltacabtagene Autoleucel, uma Terapia de Células T com receptor de antígeno quimérico (CAR-T) direcionado ao BCMA versus Bortezomibe, Lenalidomida e Dexametasona (VRd) seguidos por terapia com Lenalidomida e Dexametasona (Rd) em participantes da pesquisa com mieloma múltiplo recém-diagnosticado e para os quais o transplante de células-tronco hematopoéticas não está planejado como terapia Inicial. 

Número do Estudo: 68284528MMY3004 
Pesquisador Responsável: Dr. Jayr Schmidt Filho 
Patrocinador: Janssen Cilag Farmacêutica Ltda.
 

A.C.Camargo participa de estudo global publicado no The New England Journal of Medicine

Linha Fina

Grupo de trabalho formado por 25 cientistas, de 14 países, avaliou as evidências levantadas por uma série de estudos sobre prevenção primária e secundária de câncer bucal. A revisão é fundamental para a construção de políticas públicas de saúde e orientação de tratamentos e prevenção

Entre os meses de setembro e dezembro de 2021, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC em inglês), agência intergovernamental ligada a Organização Mundial da Saúde (OMS) reuniu um grupo de trabalho formado por 25 cientistas, de 14 países, avaliou as evidências levantadas por uma série de estudos sobre prevenção primária e secundária de câncer bucal.

Luiz Paulo Kowalski, Líder do Centro de Referência em Tumores de Cabeça e PescoçoO grupo de cientistas, entre eles o Dr. Luiz Paulo Kowalski, líder do Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço do A.C.Camargo Cancer Center, revisou uma série de estudos relevantes publicados e avaliou as evidências de acordo com os preâmbulos atualizados dos manuais de prevenção do câncer criados pela IARC.

A participação em estudos desse porte reforça o compromisso do A.C.Camargo com a melhoria do ecossistema oncológico mundial além de auxiliar na produção científica que contribuirá para a construção de políticas públicas de tratamento e prevenção baseadas em ciência e informação.

Em 2020, os cânceres de lábio e cavidade oral ocuparam a 16ª posição como tipos de câncer que mais mataram no mundo e uma das principais causas de mortalidade entre homens no Sul e Sudeste Asiático e no Pacífico Ocidental (Austrália, Melanésia, Micronésia, Nova Zelândia).

Muitos fatores genéticos, ambientais e comportamentais contribuem para o aumento no risco desses tipos de câncer. Entre eles estão atribuídos o tabagismo (ativo e passivo) e consumo excessivo de álcool. No Sudeste Asiático e no Oeste das Ilhas do Pacífico, onde a incidência de câncer oral é mais alta, os principais fatores de risco são tabagismo passivo e o consumo de produtos à base de nozes de areca (uma espécie de palmeira típica dos continentes asiático e africano).

Uma pequena porcentagem de câncer bucal em todo o mundo – aproximadamente 2% do total – é causada por outro fator, a infecção pelo papilomavírus humano, principalmente HPV16’5.

Toda a revisão e avaliações científicas foram publicadas no The New England Journal of Medicine em outubro. 

Comitê de Ética no Uso de Animais - CEUA

O Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) é um comitê regulador local, sob supervisão do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), que garante a aplicação do princípio dos três Rs (Reduzir, Reutilizar e Refinar) em todos os projetos relacionados a animais. O comitê é composto por membros com diversas formações, representante da sociedade protetora dos animais e segue leis e diretrizes brasileiras específicas.

Entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Muitos pacientes que deixam a UTI com cuidados paliativos sobrevivem e retomam o tratamento do câncer

Linha Fina

Estudo revela que aproximadamente 20% dos pacientes receberam alta para casa e até voltaram às terapias contra o câncer

Alguns pacientes internados em UTI e que não apresentam melhora no quadro deixam esse serviço em cuidados paliativos. 

Há, no entanto, pouca amostragem sobre o que acontece com eles após a alta da UTI. E foi isso que motivou uma pesquisa do corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, que foi publicada na revista científica Critical Care Medicine. Nela, identificou-se que mais da metade consegue retomar o tratamento.

Intitulado Outcomes of Cancer Patients Discharged from ICU After a Decision to Forgo Life-Sustaining Therapies (Resultados de Pacientes com Câncer Saídos da UTI Após Decisão de Abrir Mão de Terapias de Manutenção de Vida), o estudo avaliou 507 pessoas que receberam alta com doenças terminais e incuráveis. 

Entre as conclusões do trabalho, a primeira é que um a cada cinco pacientes que passaram pela UTI e receberam alta com cuidados paliativos consegue voltar para casa.

A segunda é bem melhor: mais de 50% destes pacientes que recebem alta para casa conseguem retomar seu tratamento oncológico, o que lhes confere aumento da sobrevida. 

 

Cuidados paliativos: o que se analisa

O cuidado é paliativo, pois, como esses pacientes têm doenças terminais e incuráveis, essas medidas extremas e invasivas de suporte avançado da vida – caso de hemodiálise ou ventilação mecânica – costumam ser desproporcionais. Elas apenas acrescentam sofrimento ao paciente. 

É importante ressaltar que a decisão de limitar o suporte avançado da vida é sempre consensual entre médicos, pacientes e responsáveis. Se não houver concordância de todas as partes, a decisão não é tomada. E quem decide pela alta da UTI é o médico da UTI em consenso com o oncologista clínico ou cirúrgico. A decisão é 100% centrada no paciente.

Em todo o mundo, aproximadamente 10% dos pacientes internados em UTI recebem a determinação de abrir mão de medidas extremas e invasivas de suporte avançado da vida – seja por diretriz da família ou por protocolos médicos.


Fonte: Dr. Pedro Caruso, head do Departamento de UTI Adulto do A.C.Camargo

A.C.Camargo Cancer Center é destaque na revista Nature

Linha Fina

Cientista da Instituição propõe desvendar as raízes complexas do câncer no Brasil, especialmente os fatores de risco para tumores de cabeça, pescoço, estômago e mama. Contribuição científica é inédita

Em outubro, o A.C.Camargo foi destaque na revista Nature, uma das principais publicações científicas do mundo e que circula em mais de 150 países. A participação confirma o compromisso, e a contribuição, da instituição para o avanço do ecossistema oncológico mundial. 

A matéria, que leva o título, “Desvendando as raízes complexas do câncer no Brasil”, mostra o trabalho da Dra. Maria Paula Curado, chefe do Grupo de Epidemiologia e Estatística em Câncer (GEECAN) que faz parte do Centro Internacional de Pesquisa (CIPE) do A.C.Camargo Cancer Center, que ingressou na instituição em 1978 no programa de cirurgia de cabeça e pescoço.

O texto se aprofunda também sobre o estudo da cientista do A.C.Camargo sobre os fatores de risco para câncer de cabeça, pescoço, estômago e mama.

Fundada em 1869, na Grã Bretanha, a Nature é uma das publicações científicas mais antigas e importantes do mundo e é reconhecida por suas publicações científicas inéditas.

Lembrando que a Dra. Maria Paula Curado foi eleita uma das 100 mil top cientistas do mundo em toda a história.

Confira a matéria completa (em inglês) no site da revista Nature.

A Dra. Maria Paula Curado inclusive participou do nosso podcast Rádio Cancer Center para falar, de uma forma clara e objetiva, sobre os fatores comportamentais que devem ser evitados ante o câncer de cabeça e pescoço. Ouça:

Venda de medicamentos oncológicos cresce 32%

Linha Fina

Segundo o estudo, os Estados que lideram esta alta são, Distrito Federal, com 135% e Espírito Santo, com 64%. Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul também registraram altas, 31% e 19% respectivamente

Entre junho de 2021 e julho deste ano, a venda de medicamentos oncológicos no Brasil cresceu 32%. O levantamento foi realizado pela consultoria InterPlayers e divulgado esta semana.

Segundo o estudo, os Estados que lideram a alta na venda de medicamentos oncológicos são, Distrito Federal, com 135% e Espírito Santo, com 64%. Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul também registraram altas, 31% e 19% respectivamente. Já os Estados de São Paulo e Ceará foram na contra mão registrando queda na aquisição dos medicamentos de 2% e 15%.

Para o médico urologista e gerente médico do A.C.Camargo Cancer Center, Dr. Walter Henriques da Costa, umas das razões para este crescimento é o represamento de procedimentos por conta da pandemia de Covid-19. “Esses números chamam muito a atenção e expõem mais uma triste consequência que a pandemia de Covid-19 nos trouxe. Nos últimos dois anos, observamos uma diminuição do número de consultas preventivas e exames diagnósticos em decorrência da insegurança e do receio dos pacientes em procurar um serviço de saúde a fim de realizar estes procedimentos”.

Costa ainda acrescenta que, além de uma demanda represada de diagnósticos oncológicos que agora se expõe claramente, observamos também tumores sendo diagnosticados em estágios mais avançados, o que compromete o sucesso do tratamento e o trona mais complexo.

Durante o primeiro pico da pandemia, em 2020, clínicas e hospitais públicos e privados foram obrigados a suspender ou cancelar consultas e exames. Esta movimentação atrasou o diagnóstico de novos casos, causando um represamento na assistência.

Estimativas divulgadas pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA), indicam que, entre 2020 e 2022, aproximadamente 625mil novos casos serão diagnosticados no Brasil. Depois do câncer de pele não melanoma, que representa cerca de 177 mil novos casos, os mais incidentes serão, o câncer de mama e de próstata com 66 mil casos cada, câncer de cólon e reto, com 41 mil, pulmão com 30 mil casos e estômago com 21 mil.


Assistência durante a pandemia

Durante toda a pandemia de Covid-19, o A.C.Camargo Cancer Center manteve as portas abertas para todos os pacientes oncológicos e não suspendeu nenhum procedimento. Com protocolos de segurança do paciente reforçados e um time assistencial comprometido, o hospital manteve sua operação e dobrou seus esforços para reduzir o gargalo gerado pela pandemia no acesso ao tratamento oncológico no Brasil. 

O papel da patologia no câncer: o tratamento correto depende do diagnóstico correto

Linha Fina

Nova head do departamento de Anatomia Patológica do A.C.Camargo, Doutora Louise De Brot Andrade explica quão diferenciado é este segmento na Instituição, que acaba de receber 12 importantes prêmios 

Patologia no câncer, um pilar fundamental para o sucesso no tratamento oncológico, pois um tratamento correto depende de um diagnóstico preciso.

Segundo a Doutora Louise De Brot Andrade, nova head do departamento de Anatomia Patológica do A.C.Camargo, o tratamento do cirurgião, do radioterapeuta e do oncologista clínico depende essencialmente disso.

"Sem diagnóstico, não há tratamento, e sem diagnóstico correto não há tratamento correto. Atrasos, erros e contradições são problemas extremamente relevantes. Atrasos fazem com que o paciente demore mais para receber o tratamento correto, e, como na mensagem que ouvimos tanto no A.C.Camargo, 'quem tem câncer tem pressa'. Erros e contradições podem fazer com que o paciente seja submetido a tratamentos ineficazes, gerando efeitos sem gerar benefício. O diagnóstico correto, baseado numa patologia forte e estruturada, é a pedra fundamental para que o sucesso no tratamento do paciente possa ocorrer", explica a Doutora Louise De Brot.


Patologia no câncer: desafios

No âmbito da patologia, especialmente, o mercado brasileiro se encontra altamente aquecido, com vários hospitais e empresas atuando em diagnóstico. É o que pensa a nova líder da Patologia do ACC.

"Ser uma pessoa jovem em um papel de liderança sempre é algo desafiador. O maior desafio, sem dúvida, é manter o protagonismo do A.C.Camargo como o principal centro de diagnósticos do Brasil, além de garantir que este mesmo protagonista se fortaleça em outras áreas importantes dentro da patologia, como genômica e patologia digital", analisa a Doutora Louise De Brot.


Os 12 prêmios no Congresso Brasileiro de Patologia

Para atestar a qualidade do departamento, O A.C.Camargo foi laureado em diversas categorias do Prêmio da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) 2022, que foi apresentado durante o Congresso Brasileiro de Patologia, em Foz do Iguaçu, entre os dias 3 e 6 deste mês.

A SBP laureou o A.C.Camargo com 12 prêmios, sendo a instituição mais reconhecida do Congresso Brasileiro de Patologia.

"O maior destaque, a meu ver, é que mantemos nosso protagonismo em pesquisa como a instituição com mais prêmios, além de fortalecer, também, a visão da assistência e do ensino, já que foram premiados tanto os médicos titulares do departamento como os residentes", afirma a Doutora Louise.

O A.C.Camargo foi premiado nas seguintes categorias:

Prêmio SBP Categoria Pôster – A.C.CAMARGO GANHOU DOIS PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, com os trabalhos intitulados: “Expressão de L1CAM em câncer de endométrio: será realmente um fator prognóstico” e “A utilização do sequenciamento de nova geração (NGS) no diagnóstico integrado de tumores do sistema nervoso central segundo a classificação da OMS de 2021”.

Prêmio SBP Médico Residente – A.C.CAMARGO GANHOU SEIS DOS 10 PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, INCLUINDO PRIMEIRO, SEGUNDO E TERCEIRO LUGARES. Seguem os títulos dos trabalhos, autores envolvidos, assim como as colocações nessa categoria:

PRIMEIRA COLOCAÇÃO – “Implementation of DNA methylation profiling for brain tumor diagnosis: the first brazilian experience.” João Victor Alves De Castro; Felipe D’almeida Costa; Gleyson Francisco De Carvalho; Yanca Gasparini; Amom Mendes Do Nascimento; Lucas Viera Liro; Cristovam Scapulatempo-Neto; Giovana Tardin Torrezan; Leslie Domenici Kulikowski. A.C.Camargo Cancer Center.

SEGUNDA COLOCAÇÃO – “Determinação da concordância interobservador na interpretação imuno-histoquímica dos clones 22C3 e SP142 de PD-L1 no câncer de mama triplo-negativo.” Rodrigo Fonseca Abreu; Roberto Bonfim Pimenta Peixoto; Marcelo Corassa; Warley Abreu Nunes; Tatiane Neotti; Thiago De Almeida Rodrigues; Cynthia Aparecida Bueno De Toledo Osório; Tábata Alves Domingos; Dirce Maria Carraro, Helenice Gobbi; Marina De Brot; A.C.Camargo Cancer Center.

TERCEIRA COLOCAÇÃO – “Nut carcinoma, an under-recognized malignancy: a clinicopathologic and molecular series of 6 cases showing a subset of patients with better prognosis and a rare znf532::nutm1 fusion.” Rodrigo Fonseca Abreu; Felipe D’almeida Costa; Clóvis Antonio Lopes Pinto; Warley Abreu Nunes; Thiago Bueno De Oliveira; Hans Hertzler; Ronaldo Nunes Toledo; Alessandra F. Nascimento; Christopher Alexander French, Antonio Geraldo Nascimento; A.C.Camargo Cancer Center.

QUINTA COLOCAÇÃO – “Neoplasias cutâneas anexiais écrinas e apócrinas: estudo retrospectivo em um centro hospitalar oncológico.” Leonardo Romaniello Gama De Oliveira; Arthur Ferrari De Arruda; Gabriel Roberti De Oliveira; Bruno Tolino Maran; João Henrique Coelho Quintão; Guilherme Andrade Pellissari; Rafaela Brito De Paula; A.C.Camargo Cancer Center.

SÉTIMA COLOCAÇÃO – “Neoplasias fibroepiteliais da mama diagnosticadas em biópsias por agulha grossa: características clínico-patológicas e critérios preditivos de tumor phyllodes.” João Henrique Coelho Quintão; Caio Carvalho Inacio De Vasconcellos; Nicolai Merlotti Gomes; Gabriel Roberti De Oliveira; Bruno Tolino Maran; Guilherme Andrade Pellissari; Leonardo Romaniello Gama De Oliveira; Solange Moraes Sanches; Fabiana Baroni Makdissi, Almir Bitencourt; Cynthia De Toledo Osorio; Marina De Brot; A.C.Camargo Cancer Center.

NONA COLOCAÇÃO – “Análise retrospectiva da aplicação do sistema de milão em um centro oncológico: uma experiência de três anos.” Arthur Ferrari De Arruda; Leonardo Romaniello Gama De Oliveira; Gabriel Roberti De Oliveira; Mauro Tadeu Ajaj Saieg; Adriana Passos Bueno; A.C.Camargo Canter Center.

Prêmio SBP Categoria Oral – A.C.CAMARGO GANHOU DOIS DOS 10 PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, INCLUINDO SEGUNDO LUGAR GERAL. Seguem os títulos dos trabalhos, autores envolvidos, assim como as colocações nessa categoria:

SEGUNDA COLOCAÇÃO – “Estudo imuno-histoquímico e classificação molecular dos adenocarcinomas de endométrio com expressão heterogênea dos genes de reparo do DNA.” Louise De Brot; Bruna Tirapelli Gonçalves; Marcelo Corassa; Dirce Maria Carraro; Sara De Oliveira Silva; Giovanna Torrezan; Glauco Baiocchi Neto; Graziele Bovolim; A.C.Camargo Cancer Center.

DÉCIMA COLOCAÇÃO – “Correlação interobservador do estadiamento pt4a em carcinoma colorretal – um estudo multi-institucional.” Guilherme Andrade Pellissari; Warley Abreu Nunes; Flavia Cristina Gonçalves De Aquino; Marina Alessandra Pereira; Gabriel Oliveira Dos Santos; Rafaela Brito Bezerra Pinheiro; Rafael Dyer Rodrigues De Moraes; Vanderlei Segatelli; Pedro Castro Soares, Evandro Sobroza De Mello; A.C.Camargo Cancer Center.

Prêmio Seminário de Lâminas de Médico Residente – A.C.CAMARGO GANHOU DOIS DOS SEIS PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, com dois dos melhores casos clínicos enviados para discussão em plenária. O Departamento de Anatomia Patológica foi representado por dois residentes de terceiro ano: João Victor Alves de Castro e Rodrigo Fonseca Abreu.

A.C.Camargo Cancer Center é premiado Congresso Brasileiro de Patologia

O A.C.Camargo Cancer Center foi laureado em diversas categorias do Prêmio da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) 2022, que foi apresentado durante o Congresso Brasileiro de Patologia, em Foz do Iguaçu, entre os dias 3 e 6 deste mês.

“Nós recebemos mais prêmios do que qualquer outra instituição, tanto em trabalhos dos titulares quanto dos residentes. Isto demonstra a força do Departamento de Anatomia Patológica do A.C.Camargo Cancer Center no cenário da Patologia no Brasil, em assistência, pesquisa e ensino”, destaca a Dra. Louise De Brot Andrade, head de Patologia do A.C.Camargo Cancer Center.

Como reconhecimento dos trabalhos apresentados no congresso, a SBP premiou o A.C.Camargo com 12 prêmios, sendo a instituição mais premiada do Congresso Brasileiro de Patologia. O departamento de Anatomia Patológica foi premiado nas seguintes categorias:

Prêmio SBP Categoria Pôster – ACCAMARGO GANHOU DOIS PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, com os trabalhos intitulados: “Expressão de L1CAM em câncer de endométrio: será realmente um fator prognóstico” e “A utilização do sequenciamento de nova geração (NGS) no diagnóstico integrado de tumores do sistema nervoso central segundo a classificação da OMS de 2021”.

Prêmio SBP Médico Residente – A.C.CAMARGO GANHOU SEIS DOS 10 PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, INCLUINDO PRIMEIRO, SEGUNDO E TERCEIRO LUGARES. Seguem os títulos dos trabalhos, autores envolvidos, assim como as colocações nessa categoria:

PRIMEIRA COLOCAÇÃO – “Implementation of DNA methylation profiling for brain tumor diagnosis: the first brazilian experience.” João Victor Alves De Castro; Felipe D’almeida Costa; Gleyson Francisco De Carvalho; Yanca Gasparini; Amom Mendes Do Nascimento; Lucas Viera Liro; Cristovam Scapulatempo-Neto; Giovana Tardin Torrezan; Leslie Domenici Kulikowski. A.C.Camargo Cancer Center

SEGUNDA COLOCAÇÃO – “Determinação da concordância interobservador na interpretação imuno-histoquímica dos clones 22C3 e SP142 de PD-L1 no câncer de mama triplo-negativo.” Rodrigo Fonseca Abreu; Roberto Bonfim Pimenta Peixoto; Marcelo Corassa; Warley Abreu Nunes; Tatiane Neotti; Thiago De Almeida Rodrigues; Cynthia Aparecida Bueno De Toledo Osório; Tábata Alves Domingos; Dirce Maria Carraro, Helenice Gobbi; Marina De Brot; A.C.Camargo Cancer Center

TERCEIRA COLOCAÇÃO – “Nut carcinoma, an under-recognized malignancy: a clinicopathologic and molecular series of 6 cases showing a subset of patients with better prognosis and a rare znf532::nutm1 fusion.” Rodrigo Fonseca Abreu; Felipe D’almeida Costa; Clóvis Antonio Lopes Pinto; Warley Abreu Nunes; Thiago Bueno De Oliveira; Hans Hertzler; Ronaldo Nunes Toledo; Alessandra F. Nascimento; Christopher Alexander French, Antonio Geraldo Nascimento; A.C.Camargo Cancer Center

QUINTA COLOCAÇÃO – “Neoplasias cutâneas anexiais écrinas e apócrinas: estudo retrospectivo em um centro hospitalar oncológico.” Leonardo Romaniello Gama De Oliveira; Arthur Ferrari De Arruda; Gabriel Roberti De Oliveira; Bruno Tolino Maran; João Henrique Coelho Quintão; Guilherme Andrade Pellissari; Rafaela Brito De Paula; A.C.Camargo Cancer Center

SÉTIMA COLOCAÇÃO – “Neoplasias fibroepiteliais da mama diagnosticadas em biópsias por agulha grossa: características clínico-patológicas e critérios preditivos de tumor phyllodes.” João Henrique Coelho Quintão; Caio Carvalho Inacio De Vasconcellos; Nicolai Merlotti Gomes; Gabriel Roberti De Oliveira; Bruno Tolino Maran; Guilherme Andrade Pellissari; Leonardo Romaniello Gama De Oliveira; Solange Moraes Sanches; Fabiana Baroni Makdissi, Almir Bitencourt; Cynthia De Toledo Osorio; Marina De Brot; A.C.Camargo Cancer Center

NONA COLOCAÇÃO – “Análise retrospectiva da aplicação do sistema de milão em um centro oncológico: uma experiência de três anos.” Arthur Ferrari De Arruda; Leonardo Romaniello Gama De Oliveira; Gabriel Roberti De Oliveira; Mauro Tadeu Ajaj Saieg; Adriana Passos Bueno; A.C.Camargo Canter Center

Prêmio SBP Categoria Oral – A.C.CAMARGO GANHOU DOIS DOS 10 PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, INCLUINDO SEGUNDO LUGAR GERAL. Seguem os títulos dos trabalhos, autores envolvidos, assim como as colocações nessa categoria:

SEGUNDA COLOCAÇÃO – “Estudo imuno-histoquímico e classificação molecular dos adenocarcinomas de endométrio com expressão heterogênea dos genes de reparo do DNA.” Louise De Brot; Bruna Tirapelli Gonçalves; Marcelo Corassa; Dirce Maria Carraro; Sara De Oliveira Silva; Giovanna Torrezan; Glauco Baiocchi Neto; Graziele Bovolim; A.C.Camargo Cancer Center

DÉCIMA COLOCAÇÃO – “Correlação interobservador do estadiamento pt4a em carcinoma colorretal – um estudo multi-institucional.” Guilherme Andrade Pellissari; Warley Abreu Nunes; Flavia Cristina Gonçalves De Aquino; Marina Alessandra Pereira; Gabriel Oliveira Dos Santos; Rafaela Brito Bezerra Pinheiro; Rafael Dyer Rodrigues De Moraes; Vanderlei Segatelli; Pedro Castro Soares, Evandro Sobroza De Mello; A.C.Camargo Cancer Center

Prêmio Seminário de Lâminas de Médico Residente – A.C.CAMARGO GANHOU DOIS DOS SEIS PRÊMIOS NESSA CATEGORIA, com dois dos melhores casos clínicos enviados para discussão em plenária. O Departamento de Anatomia Patológica foi representado por dois residentes de terceiro ano: João Victor Alves de Castro e Rodrigo Fonseca Abreu.

A.C.Camargo Cancer Center e Princess Margaret Cancer Centre: parceria e colaboração consolidadas

Linha Fina

Com um modelo colaborativo em busca de unir esforços na luta global contra o câncer, as duas instituições já verificam bons resultados da parceria, que foram reportados no relatório anual do Programa Global de Câncer 

A parceria com outras instituições de saúde constitui uma de nossas ações dentro do modelo cancer center. Além das fronteiras do Brasil, o relacionamento com os principais centros oncológicos mundiais oferece uma oportunidade de compartilhar conhecimentos sobre melhores práticas, novas iniciativas e discussão de casos clínicos desafiadores. 

Nesse cenário, o A.C.Camargo Cancer Center expandiu e consolidou sua parceria com o Princess Margaret Cancer Centre, instituição que está entre os cinco maiores cancer centers do mundo, conta um sistema de saúde pública e é reconhecido pela boa gestão dos recursos. 

Um resumo dos resultados de 2021 dessa parceria pode ser conferido no relatório anual do Programa Global de Câncer da instituição canadense, publicado em julho deste ano, que destaca a importância do trabalho conjunto e da colaboração entre instituições e profissionais da oncologia para o controle mundial da doença. 

Principais resultados da parceria

A convite e em parceria com o Princess Margaret, realizamos um master course no congresso mundial da Union for International Cancer Control (UICC). O curso abordou conceitos básicos do funcionamento de um cancer center, experiências bem-sucedidas, oportunidades de mercado e políticas de combate ao câncer, entre outros. 

No programa de pesquisa de 2021, um dos estudos selecionados para receber financiamento da instituição canadense conta com um profissional do A.C.Camargo. Outros dois estudos com participação de nossos profissionais que foram financiados em 2020 estão em andamento. São eles:

•    Reirradiação parcial da mama usando ultra-hipofracionamento: estudo multi-institucional de fase 2
Proposta de estudo aprovada para financiamento em 2021.

•    Impacto da doença do coronavírus (COVID-19) na prestação de cuidados de câncer
O objetivo principal deste estudo é caracterizar os padrões de atendimento ao câncer durante a pandemia de COVID-19 em comparação com o ano anterior, tanto no Princess Margaret quanto no A.C.Camargo. O estudo avaliará o impacto da COVID-19 na qualidade do atendimento ao paciente oncológico, examinará possíveis disparidades e avaliará o impacto nos resultados dos pacientes.

•    Fechando a lacuna da pesquisa do câncer no mundo: treinamento avançado em comunicação científica
Este estudo desenvolverá e pilotará um curso globalmente focado na comunicação avançada da ciência do câncer para traduzir melhor a pesquisa para a prática. O impacto do curso será avaliado nos conhecimentos e percepções através de um estudo longitudinal.

O objetivo do programa de pesquisa do Princess Margaret é impulsionar estudos e inovações que abordem as disparidades no controle do câncer, biologia, epidemiologia e os resultados clínicos do câncer em diferentes contextos, além da avaliação de programas econômicos para melhorar a prestação de cuidados.  

Outro resultado importante dessa parceria foi a participação do A.C.Camargo no Global Oncology Leadership Development (GOLD), um programa interdisciplinar que inclui treinamento em habilidades de liderança intrapessoal, interpessoal, organizacional e de sistemas, combinando com treinamento em sistemas de saúde.

Nossos profissionais também participaram dos webinars de verão e mantém encontros mensais com a equipe do Princess Margaret, como forma de promover o diálogo entre as equipes e fomentar melhorias na assistência, qualidade e segurança em oncologia. Também são feitas reuniões específicas de avanços em custo-efetividade para ajudar a oncologia brasileira a equilibrar seus custos, mantendo a qualidade, a ciência e a capacitação em alto nível.

Cancer center: modelo colaborativo 

Em entrevista para a revista Next Frontiers, a emérita cientista Mary Gospodarowicz, diretora médica do Princess Margaret Cancer Centre e ex-presidente do UICC, comentou que “a parceria com o A.C.Camargo tem sido realmente muito bem vista entre meus colegas e as sessões que mantemos têm tido muita audiência, com alto nível de interesse, elevando também os níveis da informação e do conhecimento”. 

Ela explica que o modelo cancer center é muito colaborativo e é importante unir esforços na luta global contra o câncer. “O A.C.Camargo tem ótimos programas, como a navegação e o paciente no centro do cuidado, que superam de longe nossos programas. Logo, nós aprendemos com eles e esperamos que também aprendam conosco.”
 

Podcast Rádio Cancer Center #62 - Tudo sobre pesquisa clínica

Linha Fina

O que é este tipo de estudo? Os pacientes podem se beneficiar? Há risco ao participar? Entenda tudo neste episódio com o Doutor Rodrigo Taboada e o Doutor Daniel Garcia, oncologistas clínicos do A.C.Camargo

Você sabe o que é pesquisa clínica? Esses estudos de hoje são os tratamentos que salvarão vidas amanhã. Ao participar, um paciente vai contribuir com a ciência do câncer e ainda poder ter evoluções no tratamento. 

Entre as dúvidas, que são esclarecidas neste podcast, estão:

  • O que é pesquisa clínica? Como são as fases de uma pesquisa. 
  • Qual é a importância desses estudos para a comunidade científica e para os pacientes? Como os pacientes podem se beneficiar com a participação? Esses pacientes podem ajudar a salvar vidas no futuro? 
  • O que garante aos pacientes a segurança para eles fazerem parte de um estudo clínico? Muitos acabam com medo de se tornarem cobaias? Estando em um estudo clínico, os pacientes correm algum risco? 
  • Todos os pacientes são elegíveis caso haja uma pesquisa aberta para aquele tipo de câncer que ele trata? O que define a participação ou não de um paciente?
  • O que um paciente tem que fazer para integrar uma pesquisa clínica? Ele deve perguntar para o médico dele se há algum estudo aberto? Caso o paciente desista, ele pode retomar o tratamento sem prejuízos?

Saiba tudo sobre pesquisa clínica neste podcast com o Doutor Rodrigo Taboada e o Doutor Daniel Garcia, oncologistas clínicos do A.C.Camargo:

 

Se preferir, ouça este podcast em nossos agregadores de streaming: Spotify, SoundCloud, Google Podcasts e Deezer.