Estudo: pacientes com melanoma de mucosa avançado Pular para o conteúdo principal

Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado

 
Publicado em:

Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado

Publicado em:

Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center

O melanoma de mucosa pode se originar em diversas regiões, sendo as mais frequentes: cavidades nasal e oral e mucosa vulvovaginal e anorretal. 

É um subtipo raro de melanoma, sendo responsável por 1,3% de todos os melanomas nas populações caucasianas. Já nas populações de pacientes afro-descendentes, hispânicos e asiáticos, o subtipo mucoso é responsável por uma maior proporção, chegando a representar 9% dos melanomas entre os pacientes negros e hispânicos e até 25% entre os asiáticos. 

Apesar de uma proporção maior de melanomas da mucosa nessas populações, a incidência absoluta de melanoma da mucosa permanece maior entre os caucasianos. 


A pesquisa 

Em um estudo chinês de fase Ib publicado no Journal of Clinical Oncology, Sheng et al relataram a atividade do tratamento combinado de Toripalimabe e Axitinibe – um imunoterápico anti PD-1 e um inibidor da angiogênese, respectivamente – em pacientes asiáticos portadores de melanoma de mucosa avançado, a maioria virgem de tratamento.

Os dados foram apresentados no congresso da American Society of Clinical Oncology (ASCO), em maio deste ano. 

Estudos prévios mostraram resultados modestos quando a imunoterapia anti PD-1 é realizada de forma isolada no tratamento da doença avançada, atingindo taxas de resposta da ordem de 19 a 23%. 

No estudo publicado por Sheng et al, 14 de 29 pacientes obtiveram reduções tumorais significativas, atingindo uma taxa de resposta de 48%. 

A duração da resposta não foi alcançada até a publicação e a taxa de controle da doença foi de 86%.


Toxicidade 

Nenhuma toxicidade limitante foi observada. Dentre os efeitos adversos mais importantes, destacaram-se diarreia, proteinúria, síndrome mão-pé, elevação de colesterol, hipertensão e neutropenia.

Os autores concluíram que “A combinação de Toripalimabe mais Axitinibe foi tolerável e mostrou atividade antitumoral promissora em pacientes com melanoma metastático da mucosa virgens de tratamento. Essa terapia combinada deve ser validada em um estudo randomizado de fase III, antes que possa se tornar um tratamento padrão.”

Daniel Garcia e o melanoma

Saiba mais:

- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia , que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e...
Imunoterapia para o câncer colorretal metastático
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O estudo mais aguardado desta ASCO foi o Keynote-177 , pois a imunoterapia é usada para diversos tumores atualmente. Para os pacientes com câncer colorretal, a imunoterapia é...
Avaliação de resposta discordante entre PET/CT 18F-FDG e RECIST em pacientes com melanomas metastáticos tratados com inibidores de pontos de verificação
Por Milton José de Barros e Silva, primeiro autor do estudo e oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center A imunoterapia com inibidores de pontos de verificação vem revolucionando o tratamento dos pacientes com melanoma metastático. Nos estudos que levaram à...
Seguimento de longo prazo de Lifileucel – terapia com TILs para pacientes com melanoma avançado que falharam em múltiplos tratamentos
Por Milton José de Barros e Silva, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O tratamento do melanoma metastático avançou muito na última década com a imunoterapia, através dos inibidores de pontos de verificação e da terapia-alvo para os pacientes com...
Covid-19 e imunoterapia em pacientes com câncer em tratamento
Conheça os cuidados que essas pessoas devem manter para garantir a proteção contra o vírus Covid-19 e imunoterapia . As pessoas que fazem tratamento contra o câncer a partir desse tipo de terapia devem ter os mesmos cuidados da população...