Covid-19 e transplante de medula óssea: a relação

Publicado em: 25/06/2021 - 09:06:55
Linha Fina

Os insights do Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle

Covid-19 e transplante de medula óssea: as infecções respiratórias têm impacto importante em pacientes transplantados. Isso foi reafirmado no Next Frontiers to Cure Cancer pelo Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle (EUA).

Na Sessão IV do congresso – Complicações Infecciosas em Terapia Celular e Transplante de Medula Óssea –, o especialista apresentou o painel O Impacto das Infecções Respiratórias, Incluindo a Covid-19, no Transplante de Medula Óssea.


Vírus respiratórios x transplantes

Os vírus respiratórios respondem por grande parte das doenças infecciosas, algo que causa impacto na população de pacientes imunossuprimidos, sobretudo os que fizeram ou farão um transplante de medula óssea (TMO). 

Isso já ocorria antes mesmo da pandemia de Covid-19. “Há um estudo que mostrou que 40% da população desenvolvia alguma infecção respiratória nos primeiros 100 dias após o transplante”, afirma o Dr. Steven Pergam.


Covid-19 e transplante de medula óssea 

Há alguns estudos que discutem a vacinação para Covid-19 em pacientes transplantados de medula óssea. 

Entre os achados, a malignidade maior para tumores hematológicos em relação aos sólidos fica evidente. 

“Um estudo com 318 transplantados mostrou que 51% desenvolveram quadro grave de Covid um mês após o procedimento, sendo que as variantes delta e gama (brasileira) foram motivo de grande preocupação”, explica o Dr. Steven.

“Não se sabe ainda exatamente o melhor momento de dar a vacina em pacientes transplantados de medula óssea, mas verificamos que a vacina tem eficácia e deve ser aplicada pelo menos 3 meses após o transplante”, acrescenta o médico.  

O especialista do Fred Hutchinson Cancer Research Center reforça que é essencial vacinar urgentemente as pessoas que mantêm contato com o paciente que será transplantado, como familiares e equipe médica. 


PCR e outros vírus 

Além dos sequenciamentos genômicos, para detectar surtos de vírus respiratórios, o segredo é sempre testar pacientes de TMO.

“Muitos sintomas podem estar associados a vírus respiratórios, mas não estão. No caso do Influenza, a gente imagina dor muscular e febre, mas isso não ocorre com frequência nos transplantados”, conta o Dr. Steven. 

“Coriza, a reclamação mais comum, pode ser um vírus ou não ser nada, por isso precisamos testar esses pacientes e tratar o quanto antes, é importante esse diagnóstico preciso para eles”, acrescenta.

Segundo o médico, entre os testes, a cultura se mostra interessante para verificar a resistência da bactéria ou novas cepas, mas demora mais. 

Já o teste rápido, só vale pela rapidez, já que carece de precisão. “O PCR é o melhor, como vimos no trato da Covid-19, mas é um teste caro e, por vezes, sensível demais, mostrando até falsos positivos”, analisa.

“Seja para Covid-19 ou para outros vírus, como o Influenza, é muito importante testar, pois há pacientes assintomáticos, que, além de não estarem aptos a ser transplantados, podem estar transmitindo vírus sem saber”, finaliza o especialista.

Dr. Steven Pergam, careca, loiro, de óculos e blusa de lã azul
"
Temos alguns papers que discutem a vacinação para Covid-19 em pacientes transplantados de medula óssea. Verificou-se que a vacina deve ser aplicada pelo menos 3 meses após o transplante.
Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
O papel do enfermeiro navegador e seu impacto na jornada oncológica
Durante a jornada oncológica, pacientes do A.C.Camargo Cancer Center podem contar com a expertise dos enfermeiros navegadores. São profissionais altamente especializados em oncologia que atuam como um elo entre o paciente e todas as equipes (assistenciais e administrativas), desenvolvendo um trabalho fundamental para melhorar os...
"O homem não pode se descuidar de jeito nenhum!"
Sou Carlos Levy, tenho 75 anos, funcionário público aposentado e pai de cinco filhos. Também sou avô dos meus quatro queridos netos e casado com o amor da minha vida, Amália. Desde meus 50 anos tenho um compromisso comigo mesmo: fazer meus exames periódicos. Sigo...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...
2020, O Ano do Profissional de Enfermagem
Saiba mais sobre essa especialidade vital para o cuidado. Clique aqui caso tenha problemas para acessar o vídeo abaixo. video { width: 100%; height: auto; }