Covid-19 e transplante de medula óssea: a relação

Publicado em: 25/06/2021 - 09:06:55
Diagnóstico
Tratamento
Epidemiologia
Neoplasias Hematológicas
Next Frontiers
Linha Fina

Os insights do Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle

Covid-19 e transplante de medula óssea: as infecções respiratórias têm impacto importante em pacientes transplantados. Isso foi reafirmado no Next Frontiers to Cure Cancer pelo Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle (EUA).

Na Sessão IV do congresso – Complicações Infecciosas em Terapia Celular e Transplante de Medula Óssea –, o especialista apresentou o painel O Impacto das Infecções Respiratórias, Incluindo a Covid-19, no Transplante de Medula Óssea.


Vírus respiratórios x transplantes

Os vírus respiratórios respondem por grande parte das doenças infecciosas, algo que causa impacto na população de pacientes imunossuprimidos, sobretudo os que fizeram ou farão um transplante de medula óssea (TMO). 

Isso já ocorria antes mesmo da pandemia de Covid-19. “Há um estudo que mostrou que 40% da população desenvolvia alguma infecção respiratória nos primeiros 100 dias após o transplante”, afirma o Dr. Steven Pergam.


Covid-19 e transplante de medula óssea 

Há alguns estudos que discutem a vacinação para Covid-19 em pacientes transplantados de medula óssea. 

Entre os achados, a malignidade maior para tumores hematológicos em relação aos sólidos fica evidente. 

“Um estudo com 318 transplantados mostrou que 51% desenvolveram quadro grave de Covid um mês após o procedimento, sendo que as variantes delta e gama (brasileira) foram motivo de grande preocupação”, explica o Dr. Steven.

“Não se sabe ainda exatamente o melhor momento de dar a vacina em pacientes transplantados de medula óssea, mas verificamos que a vacina tem eficácia e deve ser aplicada pelo menos 3 meses após o transplante”, acrescenta o médico.  

O especialista do Fred Hutchinson Cancer Research Center reforça que é essencial vacinar urgentemente as pessoas que mantêm contato com o paciente que será transplantado, como familiares e equipe médica. 


PCR e outros vírus 

Além dos sequenciamentos genômicos, para detectar surtos de vírus respiratórios, o segredo é sempre testar pacientes de TMO.

“Muitos sintomas podem estar associados a vírus respiratórios, mas não estão. No caso do Influenza, a gente imagina dor muscular e febre, mas isso não ocorre com frequência nos transplantados”, conta o Dr. Steven. 

“Coriza, a reclamação mais comum, pode ser um vírus ou não ser nada, por isso precisamos testar esses pacientes e tratar o quanto antes, é importante esse diagnóstico preciso para eles”, acrescenta.

Segundo o médico, entre os testes, a cultura se mostra interessante para verificar a resistência da bactéria ou novas cepas, mas demora mais. 

Já o teste rápido, só vale pela rapidez, já que carece de precisão. “O PCR é o melhor, como vimos no trato da Covid-19, mas é um teste caro e, por vezes, sensível demais, mostrando até falsos positivos”, analisa.

“Seja para Covid-19 ou para outros vírus, como o Influenza, é muito importante testar, pois há pacientes assintomáticos, que, além de não estarem aptos a ser transplantados, podem estar transmitindo vírus sem saber”, finaliza o especialista.

Dr. Steven Pergam, careca, loiro, de óculos e blusa de lã azul
"
Temos alguns papers que discutem a vacinação para Covid-19 em pacientes transplantados de medula óssea. Verificou-se que a vacina deve ser aplicada pelo menos 3 meses após o transplante.
Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Covid-19: atente-se aos riscos do uso das máscaras com válvula expiratória
Esse tipo de máscara não tem sua utilização indicada para evitar a disseminação do vírus durante a pandemia do novo Coronavírus Covid-19 e a máscara certa para se proteger. Depois da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção facial em locais públicos, muitas pessoas têm...
AACR 2019: projeto registra dados do genoma de milhares de pacientes com câncer
Com essas informações será possível fazer comparações e buscar padrões que ajudarão na tomada de decisões clínicas e em novas pesquisas Por Dr. Israel Tojal da Silva, head do grupo de Biologia Computacional e Bioinformática do A.C.Camargo Cancer Center A pesquisa genômica promete grandes avanços...
Confira nossa política para visitantes e acompanhantes
Estamos diante de um momento de atenção em relação ao aumento do número de casos de Covid-19 na cidade de São Paulo e na nossa Instituição. Por esta razão, as vistas aos pacientes internados estão suspensas momentaneamente. Essa é mais uma das nossas medidas de...
Outubro Rosa: uma seleção de conteúdos para você saber tudo sobre o câncer de mama
Outubro Rosa: o Instituto Nacional de Câncer (Inca) projeta 66.280 novos casos de câncer de mama para cada ano do triênio 2020-2022, sendo o segundo mais comum entre as mulheres, atrás apenas dos tumores de pele não melanoma. Sim, o Outubro Rosa, que é um...
Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil
Dra. Cecília Costa, head da pediatria do A.C.Camargo Cancer Center, explica a importância da equipe multidisciplinar especializada para o tratamento do paciente pediátrico O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil é comemorado em 23 de novembro. A data é uma forma de chamar atenção...