Cientistas brasileiros lideram estudo que pode revolucionar o tratamento do câncer de próstata

Publicado em: 28/06/2015 - 21:06:00
Pesquisa
Institucional
Inovação e tecnologia

Um estudo iniciado há mais de cinco anos no MD Anderson Cancer Center, em Houston, Estados Unidos, por um grupo de pesquisadores de diversos países, entre eles três brasileiros, acaba de ter suas conclusões publicadas em uma das principais revistas científicas internacionais, o PNAS (Proceedings of the National Academy of Science), mostrando o caminho para um salto de grandes proporções no diagnóstico e tratamento do câncer de próstata, o de maior incidência entre homens no mundo todo, inclusive no Brasil. 

Wadih Arap e Renata Pasqualini, hoje da Universidade do Novo México, e a equipe de Emmanuel Dias-Neto, do A.C.Camargo Cancer Center, associados a pesquisadores do Instituto Ludwig de Pesquisas sobre o Câncer, de San Diego, Califórnia, entre outros, mostraram in vitro e depois em camundongos que o PCA3 – um marcador específico de câncer de próstata que acaba de ser aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration) e em breve substituirá o já conhecido e inespecífico PSA – interage com o gene PRUNE2 e proteínas presentes no tumor, tornando possível identificar seu grau de agressividade e ajudaria a definir com precisão a melhor terapêutica para o tratamento: cirurgia, químio e/ou radioterapia, e em que dosagem.

Nos ensaios trazidos no paper, os autores demonstram em modelos animais o êxito em reduzir o tamanho dos tumores de próstata. "Vimos que se aumentarmos a ação da PRUNE2 os animais desenvolvem tumores menores. Desde que o PCA3 foi aprovado pelo FDA, é a primeira vez que uma função como biomarcador clínico foi descoberta", destaca Wadih Arap. O cientista Webster Cavenee, diretor do Instituto Ludwig de Pesquisas sobre o Câncer de San Diego (Califórnia) e coautor do estudo, reforça que "a descoberta representa a primeira compreensão dos mecanismos moleculares relacionados ao eixo PCA3/PRUNE2 no desenvolvimento do câncer de próstata humano".

"A definição do papel de PCA3 no câncer de próstata agrega valor à sua importância como marcador diagnóstico e, ainda mais importante, abre novos caminhos terapêuticos", observa Dias-Neto. Segundo o cientista, outras duas proteínas fazem parte do mesmo complexo – P54 e ADAR1 – e também podem ser valiosas para a concepção de novas estratégias terapêuticas. "Ao desvendarmos um complexo envolvendo três proteínas e um RNA, aumentamos tremendamente o nosso arsenal de possíveis alvos terapêuticos para este câncer. O PCA3 é uma molécula específica e muito relevante na gênese do câncer de próstata; quando ela se associa a este novo gene que suprime tumores (PRUNE2), ocorrem alterações nos RNAs promovidas pelas proteínas associadas, o que leva ao descontrole da multiplicação celular e ao câncer. Mostramos que, se formos capazes de impedir a formação deste complexo, conseguimos combater o tumor de modo muito eficiente", explica Dias-Neto.

Confira o artigo

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

AACR 2019: confira as novidades sobre câncer pela visão dos especialistas do A.C.Camargo
Inovações em prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer foram destaques do congresso promovido pela American Association for Cancer Research, em Atlanta (EUA) Durante o AACR Pre-Annual Meeting (28/03 a 03/04), em Atlanta, nos Estados Unidos, o A.C.Camargo esteve presente acompanhando as novidades em prevenção, diagnóstico...
A.C.Camargo é eleito uma das 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar
Pela sétima vez, o A.C.Camargo é eleito uma das 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar pelo Guia Você S/A - Exame. Em 2015, o primeiro Cancer Center do Brasil conquistou também o destaque de Melhores Práticas em Cidadania Empresarial, prêmio concedido pela mesma publicação. O...
Outubro Rosa: por que a prática de atividade física é benéfica durante e após o tratamento oncológico
Outubro Rosa. Correr, malhar, fazer caminhada ou até mesmo dançar pela casa. Quando alguém se exercita, o organismo libera um neurotransmissor chamado serotonina. Esse hormônio é responsável por auxiliar e regular o humor e ajuda a diminuir os sintomas de tristeza e depressão. Estudos recentes...
Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado
Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O melanoma de mucosa pode se originar em diversas regiões, sendo as mais frequentes: cavidades nasal e oral e mucosa vulvovaginal e anorretal. É um subtipo raro de melanoma, sendo responsável por 1,3% de todos os...
Você conhece o nosso Pronto Atendimento Digital?
O A.C.Camargo Cancer Center, em parceria com plataforma Laura P.A. Digital, dispõe para os pacientes oncológicos uma triagem virtual por meio do Pronto Atendimento Digital, que pode ser feita pelo computador, tablet ou celular. Com essa plataforma, é possível esclarecer dúvidas sobre o novo coronavírus...