Fundo verde com ilustração branca de pulmão

Câncer de pulmão: como fazer o rastreamento

 
Publicado em: 02/03/2022 - 11:03:02
Linha Fina

Entenda se você tem perfil para buscar o diagnóstico precoce

O câncer de pulmão é um dos mais frequentes em todo o mundo. 

No Brasil, estima-se que, neste ano, mais de 30 mil pessoas serão diagnosticadas com câncer de pulmão. Destes casos, cerca de 60% a 80% serão descobertos em estágios localmente avançados ou metastáticos. 

Na maioria das vezes, o câncer de pulmão não apresenta nenhum sintoma nas fases iniciais, ou os sintomas podem ser confundidos com outras doenças, como pneumonia, bronquite, enfisema pulmonar, entre outras. 

Por este motivo, aguardar a presença de sintomas para fazer o diagnóstico leva à descoberta da doença em estágios mais avançados e, consequentemente, com menores chances de cura. 

O rastreamento do câncer de pulmão é realizado para diagnosticar a doença em indivíduos assintomáticos, considerados de alto risco para desenvolver um tumor pulmonar. 

As pessoas com as seguintes características são consideradas de alto risco para ter câncer de pulmão:

1.    Idade acima de 55 anos
2.    Fumante ativo
3.    Ex-fumante que cessou há menos de 15 anos

Os tabagistas ou ex-tabagistas são considerados de risco alto quando tiverem carga tabágica acima de 30 maços/ano (deve-se multiplicar o número de maços de cigarro fumados por dia pelo número total de anos de tabagismo).


Câncer de pulmão: exames 

O exame de rastreamento que deve ser realizado nas pessoas classificadas como de alto risco é uma tomografia computadorizada de baixa dose de radiação. 

É um tipo de tomografia que utiliza pouca radiação, mas que identifica lesões pulmonares que podem ser câncer. 

O objetivo do exame de rastreamento é identificar câncer de pulmão em estágios iniciais, que são curáveis, na grande maioria das vezes. Estudos já demonstraram que realizar tomografia de tórax de baixa dose em indivíduos de risco reduz a chance de se morrer por câncer de pulmão. 

Aconselha-se que os fumantes e os ex-fumantes procurem orientação médica para serem avaliados quanto à necessidade de realizar o exame de rastreamento. 

A interpretação do exame também é muito importante, pois a tomografia pode mostrar muitas alterações e o radiologista deve classificar estes achados conforme o risco de câncer. 

Exames adicionais podem ser necessários para a investigação diagnóstica de lesões pulmonares suspeitas.


Benefícios 

O benefício de realizar o rastreamento em indivíduos assintomáticos de alto risco é aumentar significativamente as chances de cura do câncer de pulmão.

Para aqueles que ainda continuam fumando, é fundamental verificar com o médico sobre a indicação de realizar o exame de rastreamento, mas ainda mais importante é parar de fumar o quanto antes, pois cessar o tabagismo reduz significativamente o risco de morte por câncer de pulmão e por diversas outras doenças causadas pelo consumo de tabaco.


Texto: Dr. Jefferson Gross, líder do Centro de Referência em Tumores de Pulmão e Tórax do A.C.Camargo

Doutor Jefferson Gross, 55 anos, grisalho, magro, de jaleco, trata Câncer de Pulmão

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...