Tudo sobre endoscopia

A endoscopia digestiva alta é um exame que consiste na visualização do esôfago, do estômago e do duodeno, permitindo diagnosticar eventuais alterações ou lesões.

É realizada por meio de um aparelho flexível, que conta com um sistema de microchip e captura digital das imagens através de um tubo, que é inserido no paciente por via oral.

Quando necessário, a endoscopia inclui a realização de biópsias, a avaliação e o tratamento de hemorragias, dilatações, ressecção de pólipos, ressecção de tumores precoces, realização de gastrostomias, entre outros procedimentos, sendo que todo o material colhido segue para análise.

A seguir, confira 27 perguntas e respostas que esclarecem dúvidas frequentes entre as pessoas sobre a endoscopia. Há ainda um vídeo em animação, que mostra o caminho do alimento em nosso corpo, e dois podcasts que têm a ver com o tema.

ícone de um estômago, verde com fundo branco

 Entendendo a endoscopia

A endoscopia digestiva alta é um exame que consiste na visualização do esôfago, do estômago e do duodeno, permitindo diagnosticar eventuais alterações ou lesões.

É realizada por meio de um aparelho flexível com uma microcâmera e iluminação na ponta de um tubo, que é inserido no paciente por via oral.

Quando necessário, a endoscopia inclui a realização de biópsia, tratamento de sangramento e ressecção de pólipos, e o material colhido segue para análise.

Em algumas situações ocorre uma investigação que busca a bactéria H. pilory pelo método de urease.

O exame é solicitado para avaliar o esôfago, o estômago e o duodeno.

Alguns sintomas podem, inclusive, ser um alerta para a existência de um tumor.

Geralmente, o médico o solicita para acompanhamento/prevenção ou quando o paciente apresenta:

•    Alguma alteração de hábito intestinal
•    Presença de sangue nas fezes
•    Dor abdominal
•    Azia
•    Queimação no estômago e no esôfago 
•    Falta de apetite
•    Sensação de estufamento 
•    Perda de peso
•    Refluxo
•    Sangramento digestivo alto: evacuar sangue escuro ou vomitar sangue
•    Sensação de parada de alimentos no esôfago 
•    Dor ao engolir
•    Histórico familiar de tumores na região do intestino

As biópsias endoscópicas são realizadas durante o procedimento, através da passagem de uma pinça descartável pelo canal de trabalho do endoscópio.

São retirados pequenos pedaços da mucosa, entre 5 e 7 milímetros. O procedimento é indolor e, geralmente, desprovido de complicações. 

Na maioria das endoscopias, realizamos biópsias para pesquisa da presença da bactéria H.pylori, relacionada a doenças inflamatórias e tumorais gástricas.

A realização de biópsias para exame anatomopatológico, mesmo que não esteja no pedido médico, é feita nos casos em que o endoscopista identifica a necessidade da complementação diagnóstica.

Para a população sem sintomas, é recomendado realizar o exame a partir dos 50 anos e repeti-lo a cada 10 anos.

Em mais de 95% dos casos, o procedimento é realizado apenas com sedação endovenosa e de rápida recuperação.

A anestesia para realização de exames endoscópicos costuma ser uma anestesia tópica da orofaringe.

Se o paciente não quiser ou não tiver condições clínicas de receber a sedação, a solução é ministrar uma anestesia profunda com intubação orotraqueal.

Sim. É muito importante realizar o jejum de oito horas antes do exame (alimentos sólidos e líquidos, exceto água).

A ingestão de água é permitida até quatro horas antes do exame.

Dê preferência a uma alimentação mais leve no dia que antecede o exame.

Confira os medicamentos que devem ser suspensos, desde que com consentimento médico:

•    Pausa de sete dias antes do exame: Warfarina (Marevan e Coumadin), Clopidogrel, Prasugrel, Ticlopidina, Ticagrelor
•    Pausa 48 horas antes do exame: Dabigatrana, Xarelto, Apixabana e Sulfato Ferroso
•    Pausa de 24 horas antes do exame: Enoxaparina (Clexane) 

O Ácido Acetilsalicílico (AAS e Aspirina) pode ser tomado normalmente, caso você fizer uso de até 200 mg. Ao utilizar doses maiores, a suspensão deverá ocorrer cinco dias antes do exame.

Todos os anticoagulantes acima citados necessitam de pausa, pois há a possibilidade da realização de biópsia.

Caso você tenha diabetes, no dia do exame, suspenda o uso de hipoglicemiantes, devido ao tempo prolongado de jejum.

A endoscopia dura, em média, 20 minutos. 

O A.C.Camargo Cancer Center é um centro oncológico especializado e atende pacientes com diversas condições clínicas. 

Haverá, eventualmente, a necessidade de realizar procedimentos durante o exame, como, por exemplo, a retirada de pólipos – isso pode acarretar atrasos, mas, caso ocorram, você será informado.  

Trata-se de uma endoscopia com a utilização de dois a quatro fragmentos de biópsias, que são colocados em uma solução de ureia e um marcador de pH para identificar a presença da bactéria H.pylori, relacionada a doenças inflamatórias e tumorais gástricas.

Realizamos frequentemente essa investigação da H.pylori através da urease ou de um exame anatomopatológico.

Por se tratar de exame detalhado de toda a mucosa interna do trato aero digestivo, podemos diagnosticar desde gastrites, hérnias, tumores, estenoses, infecções, pólipos e diversas outras patologias.

Lembrando também que a colangiografia endoscópica tem acesso às vias biliares e pancreáticas, podendo diagnosticar e tratar lesões biliares e pancreáticas, além de cálculos de colédoco e obstruções patológicas.

Quando o exame for realizado em condições insatisfatórias, ou seja, quando ainda houver presença de alimentos no trato gastrointestinal, será emitido um laudo parcial e, provavelmente, o paciente terá a necessidade de reagendar o exame. 

Já aqueles pacientes com doenças crônicas descompensadas ou considerados em condições de risco pela equipe médica poderão ter seu exame suspenso e/ou reagendado para ser realizado durante uma internação, de acordo com avaliação médica.

Pacientes com índice de massa corpórea (IMC) maior ou igual que 40 devem realizar o procedimento com um anestesista, portanto é necessário informar a condição no ato do agendamento.

É uma endoscopia acoplada ao exame de ultrassonografia focada em investigar tumores de estômago ou pâncreas. Assim, é possível identificar detalhes da lesão como tamanho, profundidade e presença de linfonodos. 

Esse exame permite ainda a realização de biópsias especiais de lesões localizadas externamente aos órgãos ocos, sempre direcionados com o auxílio do ultrassom acoplado.

Indicações: para avaliar lesões no esôfago, estômago, duodeno e órgãos próximos, como o pâncreas. É possível definir tamanho, textura e presença de linfonodos, assim como fazer biópsia de lesões na parede por fora do intestino ou em outras áreas não visualizadas pelo endoscópio normal.

Trata-se de uma endoscopia específica para o estudo do pâncreas e das vias biliares.

Indicações: a situação mais comum de indicação desse exame é em pacientes com icterícia por obstrução de vias biliares, ou seja, o acúmulo de bile no organismo, que pode ser causado por um tumor ou por presença de cálculo (pedra).

Pelo exame, é possível determinar a causa da obstrução e, eventualmente, o tratamento ao mesmo tempo, com a remoção de cálculos e aplicação de prótese para desobstrução de vias biliares e pancreáticas.

A colangiografia endoscópica tem de ser feita em um centro cirúrgico. Há sedação. É indicada a realização de jejum de líquidos e alimentos sólidos de seis horas.

Pós-exame: o paciente permanece internado por 24 horas para observação pela equipe médica, a fim de diminuir os riscos de complicações como sangramento e infecção de vias biliares ou do pâncreas.

Após o exame, não é aconselhável dirigir ou realizar qualquer tipo de atividade que exija atenção, no mesmo dia de realização do exame. Para o dia seguinte, não há restrições.

Ultrassom e tomografia são exames radiológicos de imagem.

Já a endoscopia é um exame do trato aero digestivo in vivo, com observação detalhada de toda a mucosa, possibilidade de magnificação e diagnóstico presuntivo do tipo de alterações celulares, além de possibilitar procedimentos terapêuticos, biópsias, ressecções, cirurgias e drenagens.

O ultrassom endoscópico é um aparelho que penetra no trato gastrointestinal e possibilita exames mais detalhados que o exame externo, além de abrir caminhos, também, para procedimentos cirúrgicos menos invasivos.

Endoscopia: é um exame para a visualização do esôfago, do estômago e do duodeno, que investiga eventuais alterações ou lesões. É realizada por meio de um aparelho flexível com uma microcâmera e iluminação na ponta de um tubo, que é inserido no paciente por via oral.

Colonoscopia: é um exame que visualiza o intestino grosso até chegar ao delgado. É recomendado em caso de sintomas como sangramento nas fezes, diarreia, intestino preso e dor abdominal. Para a população sem sintomas, o ideal é fazer o exame a partir dos 50 anos e repeti-lo a cada 10 anos.

Laparoscopia: é uma cirurgia minimamente invasiva, na qual pequenas incisões são feitas para introduzir o laparoscópio, equipamento com microcâmera integrada. Entre as vantagens que ela apresenta em relação à cirurgia convencional estão:

•    Menor perda de sangue e menor necessidade de transfusão
•    Menor tempo de internação
•    Menor tempo para reintrodução da dieta
•    Menor tempo para retorno às atividades normais e de trabalho
•    Menor cicatriz com melhora do aspecto estético

Solicitada comumente para casos crônicos de sinusite, ela é feita para investigar se eventualmente poderia haver um tumor na cavidade nasal.

Podendo ser realizada tanto em crianças como em adultos, é feita com um aparelho chamado nasofibroscópio, que é conectado a uma câmera e introduzido no nariz, para uma análise da mucosa e das estruturas nasais. 

ícone de um estômago, verde com fundo branco

 Cuidados pós-endoscópicos

O paciente é encaminhado para a sala de recuperação, onde permanecerá em repouso por 20 minutos, em média, podendo variar de pessoa a pessoa.

Após o paciente despertar, oferecemos um lanche e, em seguida, ele recebe a alta hospitalar juntamente com seu acompanhante.

Geralmente, o paciente não apresenta sintomas após a endoscopia, sendo raras as queixas de náuseas, desconforto na garganta e dor abdominal, sensações estas que melhoram em algumas horas sem necessidade de medicações. 

Sim. As complicações são raras, porém podem ocorrer sangramentos, reações adversas aos medicamentos e perfurações. 

As complicações após os exames podem ser imediatas e tardias.

Caso, após a alta para casa, você sinta dores fortes na região abdominal ou distensão abdominal (barriga mais inchada), procure o nosso serviço de emergência.

O motivo é a administração de sedativos (medicamentos para dormir). 

Essas medicações causam muita sonolência, perda de reflexos, alteram a atenção e o equilíbrio das pessoas. 

Assim, a endoscopia só é realizada mediante a presença de um acompanhante maior de 18 anos e capaz, que deve permanecer no A.C.Camargo durante todo o período do procedimento.

Crianças e menores de 18 anos necessitarão da presença dos pais (mãe ou pai) ou responsável legal, que só poderá permanecer em sala até o momento da sedação desse jovem paciente. 

Não. O ideal é que retorne às atividades normais somente no dia seguinte – não deve dirigir ou realizar qualquer tipo de atividade que exija atenção.

Sim. Reintroduza a dieta normalmente. Dê preferência a alimentos mais leves e com menos gordura.

ícone de um estômago, verde com fundo branco

 Endoscopia em tempos de covid-19

Se a endoscopia for apenas para diagnóstico e realizada com sedação, é preciso esperar de três a cinco dias depois de tomar vacina para fazer o exame – para evitar reações pós-vacinais que podem ser amplificadas com o procedimento.

No entanto, para procedimentos cirúrgicos endoscópicos, sugere-se aguardar até duas semanas após tomar a vacina contra a covid-19.

De qualquer forma, alinhe essa questão com o seu médico.

Não aumentam. Ao adotar as medidas de segurança indicadas, realizar o seu procedimento torna-se uma prática segura. 

Dada a particularidade e a especificidade de cada caso, porém, é fundamental que o paciente discuta diretamente com seu médico oncologista a melhor escolha a ser feita no momento.

#QuemTemCâncerTemPressa e estamos prontos para acolher nossos pacientes, assistindo-os de forma segura em todas as fases de seu tratamento. 

Dessa forma, estabelecemos o Atendimento Oncológico Protegido – um conjunto de processos para o paciente prosseguir com seu tratamento, em tempos de pandemia. 

Todas as práticas adotadas estão de acordo com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde. 

Sim. A Telemedicina é uma excelente opção para a realização das suas consultas e o acompanhamento do seu tratamento, de forma rápida e segura, evitando deslocamentos excessivos, principalmente para pacientes que residem mais longe das nossas unidades.  

Outra opção e medida de segurança é o Pronto Atendimento Digital. Antes de vir ao A.C.Camargo, o paciente tem a opção de acessar a plataforma Pronto Atendimento Digital e responder a uma série de questões. Por exemplo, se teve contato com alguém com suspeita de covid-19, se há sintomas como febre e falta de ar e se pertence a algum grupo de risco. 

Em seguida, a inteligência artificial analisa as informações concedidas e define se o caso é considerado crítico ou não. Assim, evita-se que o Pronto Atendimento fique saturado com casos não-urgentes e diminuem-se os focos de contaminação. 

Os dois cenários: 

  • Se os sintomas forem de gravidade: o paciente com suspeita de covid-19 confirma que vai para o A.C.Camargo e, imediatamente, ele aparece na plataforma de previsão de demanda para o Pronto Atendimento, visualizada pelos profissionais da Instituição. 
  • Se o caso for menos crítico: uma mensagem orienta a permanência em isolamento domiciliar. Depois, a plataforma convida o paciente a responder ao formulário diariamente para monitorar seus sintomas, assim a equipe assistencial poderá acompanhar a progressão ou não do quadro, dia a dia. O paciente ainda recebe dicas de prevenção. 

O A.C.Camargo está preparado para receber e cuidar de seus pacientes em tempos de covid-19, com total segurança, excelência e agilidade.

Entre as medidas, foi restringido o número de acompanhantes circulantes nas unidades. 

Há também uma triagem virtual: antes de vir ao A.C.Camargo, o paciente tem a opção de acessar a plataforma Pronto Atendimento Digital e responder a uma série de questões. 

Por exemplo, se teve contato com alguém com suspeita de covid-19, se há sintomas como febre e falta de ar e se pertence a algum grupo de risco.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam