Tumores do aparelho digestivo alto: inovações e desafios no tratamento cirúrgico

Publicado em: 18/05/2019 - 16:05:09
Tratamento
Pesquisa
Cirurgia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

A terapia adjuvante e outros aspectos terapêuticos do raro colangiocarcinoma

O colangiocarcinoma é um tipo de câncer de vias biliares, cujas células epiteliais mutantes são oriundas dos dutos que drenam a bile do fígado para o intestino delgado. Mais um assunto destacado neste sábado (18/5) , terceiro e último dia do Next Frontiers to Cure Cancer, um dos maiores congressos oncológicos da América Latina, ocorrido no WTC Center, em São Paulo.

Um dos destaques foi o painel Colangiocarcinoma – Avanços e Desafios no Tratamento Cirúrgico, apresentado por Ailton Sepulveda, cirurgião titular do Hospital Beaujon, em Paris, que atua na cirurgia hepática laparoscópica, em transplante de fígado e em cirurgias minimamente invasivas.

Ele ressaltou a importância de uma investigação minuciosa antes da cirurgia e o uso de exames de maior precisão como a angiotomografia, para identificar o possível envolvimento de vasos que nutrem o fígado, assim como linfonodos comprometidos pelo tumor que costumam estar presentes em metade dos casos. 

"Havia um paciente de 60 anos, com icterícia, perda de peso e parênquima hepático. Ver sua angiotomografia foi fundamental para avaliar se havia invasão vascular", explica Sepulveda. "Passado um ano, não houve recidiva", comemora o médico brasileiro, radicado na França há mais de 10 anos. 

Cirurgia minimamente invasiva e radioembizações 

Assunto constantemente discutido, a robótica ainda é incipiente em casos de colangiocarcinoma. "Talvez ela venha a ajudar na reconstrução biliar, mas ainda carece de estudos", comenta Ailton Sepulveda. 

De acordo com o especialista, um caso de uma paciente de 74 anos com ressecção hepática teve grande sucesso com as chamadas radioembizações para diminuir reduzir o tumor antes da cirurgia. "Depois de duas delas, a lesão ficou quase totalmente inativa, uma resposta impressionante", celebra Sepulveda.  

Adjuvante x neoadjuvante

A terapia adjuvante, tratamento em que a radioterapia e/ou quimioterapia são associadas, seguida pela cirurgia, também foi assunto. "É um tema controverso, pois os estudos não comprovaram benefícios em pacientes com linfonodos, mas talvez eles ainda possam se beneficiar", comenta o médico.

Já a terapia neoadjuvante, usada para diminuir o volume do tumor com a meta de deixar a cirurgia menos mutiladora, pode ter sua função em casos selecionados. "Ela permite selecionar melhor o paciente com o colangiocarcinoma localmente avançado, a fim de evitar a posterior recidividade", encerra Ailton Sepulveda.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Podcast Rádio Cancer Center #31 - Tumores do aparelho digestivo alto: saiba como se prevenir
Esta conversa é sobre os tumores do aparelho digestivo alto, esta parte do corpo que inclui órgãos como o estômago, o abdômen e o pâncreas. Vamos tirar todas as dúvidas sobre o assunto de uma forma simples: duas das questões, inclusive, chegaram via seguidores do...
Câncer de reto: 3 avanços importantes no tratamento
1. Câncer de reto: TNT no combate Para o câncer de reto, a terapia neoadjuvante total (TNT) é uma mudança de paradigma que visa evitar, sobretudo, a progressão da doença, a amputação do reto e a colostomia definitiva. Usualmente, pacientes com câncer de reto baixo...
Câncer colorretal metastático: foco em pacientes HER2 positivos
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Foi apresentado o estudo DESTINY-CRC01. Este estudo é um estudo pequeno, de fase II, multicêntrico que avaliou a eficácia de uma nova droga, o Trastuzumabe Deruxtecan (T-Dxd), em pacientes com carcinoma de cólon...
Podcast Rádio Cancer Center #53 – Outubro Rosa: inspire-se com a nossa paciente Michelly Zullo
Neste Outubro Rosa, mês de conscientização para a necessidade do diagnóstico precoce do câncer de mama, o podcast Rádio Cancer Center recebe a paciente Michelly Zullo. Moradora de Indaiatuba (SP), a jovem de 34 anos descobriu um nódulo aos 33, em julho de 2020. “Eu...
AACR 2019: a modulação do microambiente imunológico pode ativar a resposta imune contra o câncer na medula óssea
MD Anderson Cancer Center apresenta novidades na área de imuno-oncologia Por Dr. Kenneth Gollob, head do grupo de Imuno-oncologia Translacional do A.C.Camargo Cancer Center Os cânceres que se espalham para a medula óssea são particularmente difíceis de combater e a resposta imune é frequentemente suprimida...