Triunfar é recomeçar, ensina a derrota Pular para o conteúdo principal

Triunfar é recomeçar, ensina a derrota

 
Publicado em:

Triunfar é recomeçar, ensina a derrota

Publicado em:
3 minuto(s) de leitura

Foto do Gabriel Priolli, colunista da Voz do Paciente

3 minuto(s) de leitura
Foto do Gabriel Priolli, colunista da Voz do Paciente

Nesses dias estou experimentando algo que não é raro, eu sei bem, mas é inédito para mim: a sensação de fracasso num procedimento médico. Não é caso de entrar em detalhes, mas fiz uma cirurgia para corrigir um problema, com chances iguais de dar e de não dar certo, porque as condições orgânicas no local não eram totalmente favoráveis. Foi uma aposta que fiz conscientemente, ao concordar em tentar a operação. Mas perdi.

Antes fosse uma aposta de jogo, que leva dinheiro embora, mas a gente pode recuperar. Não é o caso dessa, infelizmente. Perdi e ainda não tenho ideia de como serão as coisas daqui em diante. Só sei que serão incômodas, com toda certeza, porque já eram antes da cirurgia. Porque são assim mesmo, muito chatas, as sequelas de um câncer de cabeça e pescoço, como o talzinho que já saiu do meu corpo e não voltou (aleluia!), mas deixou intermináveis lembranças da sua passagem.

Nesse percurso de cinco anos no A.C.Camargo, agora já no final do seguimento, eu sempre aliviei as minhas angústias com a ideia de que não estou sozinho. Ao contrário, estou sempre muito bem acompanhado. Não apenas pela atenção do pessoal médico e o carinho da família e amigos, mas pela companhia de meus colegas, pacientes oncológicos.

O sofrimento alheio sempre me deu o padrão de medida para o meu próprio. Me fez calçar as "sandálias da humildade" e sempre pensar o meu caso em perspectiva, no contexto geral do câncer. Ele aguçou a minha sensibilidade, reforçou em mim os sentimentos de compaixão e solidariedade. Me fez — e faz — mais humano.

Hoje me vi triste pela aposta perdida, mas logo pensei naqueles em que o fracasso de um procedimento é muito mais grave. Pensei nos que recebem a notícia da recidiva do câncer. Pensei nos que se aplicam nas terapias e elas não resultam como esperado. Pensei nos que têm o tumor em lugar inacessível. Pensei nos que têm sequelas muito mais dramáticas do que as minhas.

Meu coração se encheu de ternura e os olhos, de lágrimas. Estamos juntos, todos, nessa batalha! A experiência de um de nós é também de todos nós.

Foi nesse momento de comoção que o zap me trouxe um vídeo do José Mujica, ex-presidente do Uruguai, talvez o melhor político em ação hoje na América Latina. Um exemplo de ética, modéstia e sabedoria. "Pepe" tem um tumor grave no esôfago e está tranquilo com o que virá. As palavras dele numa entrevista coletiva de imprensa eram tudo que eu precisava ouvir. Todos nós precisamos ouvir.

"

Quero transmitir aos meninos e meninas deste país que a vida é bela, mas se desgasta e cai. O objetivo de triunfar na vida é recomeçar toda vez que você cair. E que, se há raiva, que a transformem em esperança. E que lutem pelo amor. Que não se deixem enganar pelo ódio. Lutem. A única liberdade que existe está na cabeça e se chama 'vontade'. E se não a utilizarmos, não somos livres. A vida é tão bela, que não tem sentido que a sacrifiquem pela estupidez.

José Mujica, ex-presidente do Uruguai

É isso. Triunfar na vida é recomeçar toda vez que cair. Se houver raiva, transformá-la em esperança. A única liberdade que existe está na cabeça e se chama… vontade. Gracias, Don Pepe! Disse tudo que é preciso para as horas difíceis de cada um. Vamos nessa, seguir adiante. Reconfortados e confiantes.

Sobre o autor

Gabriel Priolli é jornalista radicado em São Paulo. Trabalhou nos principais veículos de imprensa do país, dirigiu e criou canais de televisão e foi professor na PUC, FAAP e FIAM. Hoje, atua como consultor de comunicação.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Cuidados paliativos, para todas as horas
"Fulano, coitado, ele já está nos cuidados paliativos". É pouco provável que você nunca tenha ouvido essa frase, ou outra parecida com ela, numa conversa sobre doença. O coitado seria uma pessoa muito enferma, já incurável, vivendo os seus últimos...
A quimérica célula Car-t
Você se lembra da notícia, certamente. Se já era oncológico à época, recorda especialmente a esperança que ela trouxe para todos os pacientes. Em 9 de setembro de 2019, no Hospital das Clínicas da de Ribeirão Preto, um aposentado de...
Os planos e o drama da cobertura
Imagine você estar na Emergência do A.C.Camargo, acomodado provisoriamente numa baia, esperando a transferência para um quarto do hospital. Você é um paciente em seguimento de câncer e deu entrada com um quadro de diarreia intensa. Como é o auge...
Nossos índices de chance de cura são os mais altos do país
Lançado em abril de 2023, o Observatório do Câncer do A.C.Camargo avaliou mais de 98 mil casos tratados na instituição nos últimos 20 anos. E os dados apresentados mostram que, cada vez mais, alcançamos ótimos resultados junto aos pacientes. Nos...