Transplante de medula óssea: saiba tudo sobre o procedimento

Publicado em: 04/06/2019 - 17:06:05
Tratamento
Diagnóstico
Serviços ao Paciente
Neoplasias Hematológicas

Daniel Garcia, oncologista clínico, e Jayr Schmidt, head de Hematologia, assinam série de artigos com informações sobre o tratamento

O transplante de medula óssea, também chamado de transplante de células hematopoiéticas, pode ser utilizado para o tratamento de alguns tipos de câncer e também para algumas condições mais raras. A medula óssea é um tecido líquido e esponjoso presente no interior dos ossos longos e é popularmente mais conhecida como “tutano”. Ela produz todas as células que compõem o sangue, como glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas, que se desenvolvem a partir de um tipo de célula encontrada na medula óssea chamada de célula-tronco hematopoiética. 

O corpo é capaz de direcionar as células-tronco hematopoiéticas para se desenvolverem nos componentes sanguíneos necessários naquele momento. Este é um processo muito ativo, no qual a medula óssea produz milhões de células diferentes a cada hora. A maioria das células-tronco permanece na medula até serem transformadas em células sanguíneas maduras, que são liberadas na corrente sanguínea para realizarem funções específicas como transportar oxigênio (glóbulos vermelhos), fornecer proteção contra infecções (glóbulos brancos) e ajudar na formação do coágulo (plaquetas). 

Um pequeno número de células-tronco, no entanto, pode ser encontrado no sangue circulante, o que permite que sejam coletadas em determinadas circunstâncias. Várias estratégias podem ser empregadas para aumentar o número de células-tronco hematopoiéticas no sangue antes da coleta.Alguns dos tratamentos mais eficazes para o câncer, como a quimioterapia e a radiação, são tóxicos para a medula óssea. Em geral, quanto maior a dose, mais tóxicos são os efeitos na medula óssea.

No transplante de medula, o paciente recebe doses muito altas de quimioterapia ou radioterapia, cujo objetivo é matar as células cancerosas que podem ser resistentes a doses mais comuns de quimioterapia. Por outro lado, infelizmente, isso também destrói as células normais da medula óssea, incluindo as células-tronco. Após o tratamento, o paciente deve ter um suprimento saudável de células-tronco transplantadas para que elas restabeleçam o processo de produção de células sanguíneas na medula óssea. 

As células que serão transplantadas podem ser retiradas diretamente da medula óssea, da corrente sanguínea - o que requer que o paciente receba uma medicação específica para aumentar o número de células-tronco hematopoiéticas no sangue – ou, ocasionalmente, de sangue obtido do cordão umbilical de um recém-nascido saudável (que podem ser armazenados em bancos de sangue de cordão umbilical).

Acompanhe na próxima semana, o segundo artigo sobre a série de transplante de medula óssea. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Dra. Fabiana Makdissi se torna membro titular da Academia Brasileira de Mastologia
A história da mastologia brasileira é baseada em força, perseverança e ideias e deve ser sempre lembrada e cultivada para que as próximas gerações se engajem no contínuo fortalecimento dessa especialidade. Com isso, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) fundou a Academia Brasileira de Mastologia...
Tumor de tireoide pode ter origem na metástase de outros órgãos
Análise evidencia a importância do conhecimento dos aspectos morfológicos dos pacientes para identificar a origem da doença, cujo dia é lembrado em 25 de maio O Dia Internacional da Tireoide, em 25 de maio, é mais uma ocasião para lembrar que o câncer nessa glândula...
Podcast Rádio Cancer Center #4 - Guia de prevenção
Ouça o episódio, adote estes hábitos simples e proteja sua saúde Podcast Rádio Cancer Center, um espaço que está de volta para abordar a prevenção. Neste episódio, a conversa cheia de dicas práticas é com o Doutor Thiago Chulam, cirurgião oncológico e head do Departamento...
Entenda os tipos de transplante de medula óssea: autólogo e alogênico
Confira segundo texto da série sobre o tratamento Por Daniel Garcia, oncologista clínico, e Jayr Schmidt, head de Hematologia Existem dois tipos principais de transplante de medula: autólogo e alogênico. No transplante autólogo, as próprias células-tronco hematopoiéticas do paciente são removidas antes que a quimioterapia...
Inibidores de PARP: estamos vivendo uma mudança de paradigma?
Medicamento atua inibindo enzimas relacionadas às mutações BRCA1 e BRCA2 presentes no desenvolvimento de câncer de ovário Os inibidores de PARP. estão quebrando paradigmas no tratamento de câncer de ovário. O medicamento, que funciona como uma quimioterapia oral, tem sido utilizado para tratamento de uma...