Quimioterapia perioperatória: opção promissora em tumores gastroesofágicos

Publicado em: 10/09/2019 - 09:09:44

Pesquisa veiculada na Annals of Surgical Oncology mostrou que essa terapia tende a aumentar a chance de cura e sobrevida 

 

A quimioterapia perioperatória, juntamente com a cirurgia, está estabelecida como tratamento padrão para pacientes com câncer gastroesofágico avançado. Mas o impacto que uma cirurgia radical causa nos indivíduos ainda carece de uma avaliação mais aprofundada.

Com o objetivo de identificar fatores prognósticos associados à melhora da sobrevida, a revista científica Annals of Surgical Oncology divulgou uma pesquisa realizada por cientistas do A.C.Camargo, Impact of ypT, ypN, and Adjuvant Therapy on Survival in Gastric Cancer Patients Treated with Perioperative Chemotherapy and Radical Surgery (Impacto do ypT, ypN e da Terapia Adjuvante na Sobrevida em Pacientes com Câncer Gástrico Tratados com Quimioterapia Perioperatória e Cirurgia Radical).

 

As métricas 

Esse estudo de coorte retrospectivo incluiu 239 pacientes tratados no A.C.Camargo entre 2006 e 2016. A média de idade foi de 59,9 anos. Todos se submeteram à quimioterapia perioperatória, terapia em que metade dos ciclos ocorre antes da cirurgia, e a outra metade dos ciclos é ministrada depois. 

“Nossos dados apontam que o tratamento com quimioterapia perioperatória, particularmente para os pacientes que alcançam uma resposta patológica significativa, está associado à maior chance de cura e sobrevida no longo prazo”, explica um dos autores do estudo, Victor Hugo Fonseca de Jesus, vice head de tumores abdominais do A.C.Camargo. “Introduzida há pouco mais de 10 anos na Instituição, a quimioterapia perioperatória, hoje, é rotina no nosso serviço”, acrescenta.

A cirurgia, no caso, foi a linfadenectomia D2, tratamento padrão no Cancer Center. Neste tipo de operação são removidos todos os linfonodos que circundam o órgão e/ou lesão, bem como os que acompanham as artérias mais próximas que irrigam o órgão.

 

Resultados

Entre os 239 pacientes que iniciaram a quimioterapia, 207 (86,6%) completaram todos os ciclos de tratamento. Já a ressecção cirúrgica foi realizada em 225 indivíduos (94,1%) – destes, 198 (82,8%) tiveram ressecção R0. “A ressecção R0 é a meta da cirurgia, é aquela onde não há tumor microscopicamente visível na margem da peça cirúrgica”, ensina o Dr. Victor Hugo.

A taxa geral de morbidade e mortalidade em 60 dias foi de 35,6% e 4,4%, respectivamente. Para toda a coorte, a sobrevida média foi de 78 meses e a taxa de sobrevida em cinco anos foi de 55,3%. Os fatores associados à pior sobrevida foram: resposta patológica sub-ótima do tumor (estágio ypT3-4 ou, estágio ypN +), não realização de quimioterapia pós-operatória e ressecção estendida. 

“Ressecção estendida é uma cirurgia na qual, além da retirada do estômago, há a retirada de gânglios mais distantes em relação ao tumor, a chamada linfadenectomia D3; ou mesmo de outros órgãos, um processo conhecido como ressecção multivisceral”, conta Victor Hugo.

 

Conclusão

A quimioterapia perioperatória garantiu bons resultados para pacientes tratados com a cirurgia radical. Para conferir o estudo completo (em inglês), clique aqui.

Há ainda outro paper sobre quimioterapia perioperatória feito pelo Dr. Victor Hugo: Primary Tumor Location Is a Predictor of Poor Prognosis in Patients with Locally Advanced Esophagogastric Cancer Treated with Perioperative Chemotherapy (A Localização do Tumor Primário é um Preditor de Prognóstico Ruim em Pacientes com Câncer Esofagogástrico Avançado Localmente Tratado com Quimioterapia Perioperatória).

Saiba mais aqui (em inglês).

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Leucemia mieloide aguda: novo método calcula com precisão a sobrevida do paciente
Pioneiro no campo da onco-hematologia, ele foi desenvolvido em estudo multicêntrico internacional, que teve a liderança de médico do A.C.Camargo Cancer Center Quando um paciente é diagnosticado com leucemia mieloide aguda, os médicos usam uma variedade de métricas para determinar a gravidade da doença. As...
Pesquisa aponta aumento da incidência de câncer de orofaringe associado a infecção por vírus HPV
Neste Julho Verde, mês de conscientização sobre o combate aos tumores de cabeça e pescoço, conheça este estudo feito na cidade de São Paulo, que analisou mais de 15 mil casos de câncer de boca e orofaringe O papilomavírus humano (HPV) é um vírus que...
Síndrome de Li-Fraumeni: estudo que envolveu o A.C.Camargo pode mudar o aconselhamento genético da doença de forma marcante
Pesquisa internacional analisou dois tipos de mutações que estão ligadas à predisposição ao câncer A Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) é uma doença hereditária de predisposição ao câncer, relacionada a mutações no gene TP53. Uma das mutações neste gene, denominada R337H, é encontrada apenas no Brasil...
Dia Mundial do Câncer de Rim: atividade física ajuda a reduzir o risco da doença
A adoção de hábitos saudáveis durante o dia diminui a incidência de tumores renais e ainda atua na melhoria de problemas cardiovasculares ou diabetes Câncer de rim e prevenção. Segundo dados mais recentes do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a incidência de câncer renal no...
Câncer de cabeça e pescoço: artigo científico traz recomendações para cirurgias oncológicas
Estudo internacional teve a contribuição do Dr. Luiz Paulo Kowalski, líder do Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço Câncer de cabeça e pescoço e Covid-19. Em artigo divulgado pela revista científica The Lancet Oncology, especialistas representando mais de 30 sociedades médicas do...