Pesquisadores do A.C.Camargo afirmam que fumar reduz as "bactérias do bem" da boca

Publicado em: 05/01/2015 - 22:01:00

É sabido que o consumo regular de álcool e tabaco pode levar a uma ampla gama de problemas de saúde, como câncer e cirrose. O que não se sabia é que essas drogas são responsáveis por vitimar também centenas de espécies de bactérias da boca, principalmente "bactérias do bem", que habitam as mucosas saudáveis e as protegem de diversas doenças, incluindo talvez o câncer oral.

A descoberta foi anunciada por pesquisadores do A.C.Camargo Cancer Center e da Universidade de São Paulo em artigo publicado na revista científica BMC Microbiology. De acordo com os autores, quem é fumante perde cerca de 35% da biodiversidade bacteriana bucal (que pode chegar a 700 espécies diferentes de micróbios). Já quem consome bebidas alcoólicas e fuma fica sem 20% das espécies da "flora" da boca. Na presença destas duas drogas – tabaco e álcool –, diversas bactérias desaparecem da boca e são substituídas por outras, capazes de resistir a essas substâncias. Estas talvez sejam bactérias nocivas que podem estar na base do desenvolvimento de diversas doenças ligadas ao uso dessas substâncias.

De acordo com a análise, esse cenário pode se revelar preocupante porque, assim como ocorre no intestino, a presença de uma comunidade saudável de bactérias na boca provavelmente ajuda a proteger essa parte do corpo. "As chamadas bactérias 'do bem' têm o potencial de ajudar a manter sob controle micróbios que causam danos ou produzir substâncias benéficas para a boca", afirma o biólogo do A.C.Camargo e um dos autores da pesquisa, Andrew Maltez Thomaz.

Com esse desequilíbrio causado pelo consumo constante de álcool e tabaco, a biodiversidade alterada de bactérias poderia acelerar os problemas de saúde ligados a essas drogas, favorecendo o aparecimento de tumores bucais, por exemplo. "Achamos que aquelas bactérias que conseguem adentrar esse território, agora desprotegido do biofilme, a "capa' de micróbios que antes defendia a mucosa, podem estar ligadas a isso", ressalta o biólogo e coordenador do Laboratório de Genômica Médica, Emmanuel Dias-Neto.
 

METODOLOGIA

Para chegar aos resultados, os pesquisadores obtiveram amostras da boca e da língua de 22 voluntários, com a ajuda de uma espécie de cotonete. A partir das amostras, os cientistas usaram uma técnica que "pesca" pequenos trechos de DNA bacteriano, que são úteis para identificar e quantificar as espécies de micróbios às quais esses pedaços de DNA pertencem.

Logo foi observado que a boca de quem bebe e fuma apresenta menos tipos de bactéria do que a de quem apenas fuma. O próximo passo será entender melhor o motivo. A explicação, até o momento, é que o álcool pode servir de substrato (nutriente) para um grupo de bactérias especializadas em metabolizá-lo. Elas transformam a substância em acetaldeído, que é outro componente bastante tóxico e carcinogênico, causador de câncer. "Portanto, quem bebe e fuma possui uma população distinta de bactérias na boca; isso está longe de ser uma coisa boa, pois perdemos microrganismos que nos protegem e adquirimos outros que podem nos causar muito mal, incluindo talvez uma propensão aumentada ao desenvolvimento do câncer", destaca Emmanuel Dias-Neto.

Os pesquisadores agora estão estudando o que ocorre no biofilme bacteriano bucal de um fumante que desenvolve câncer. Se houver de fato uma relação entre a comunidade de bactérias e o aparecimento do câncer, será aberta a possibilidade de realizar um monitoramento do microbioma [conjunto das bactérias] como indicador de biofilme pré-maligno, ou seja, próximo de levar ao câncer.

"Outra possibilidade seria desenvolver uma goma de mascar probiótica, ou seja, com bactérias "do bem", como certos iogurtes, para tentar recompor o biofilme e com isso reduzir os riscos de lesões pré-cancerígenas", ressalta Dias-Neto. São ideias interessantes, mas que ainda estão no começo, adverte o cientista.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
"O homem não pode se descuidar de jeito nenhum!"
Sou Carlos Levy, tenho 75 anos, funcionário público aposentado e pai de cinco filhos. Também sou avô dos meus quatro queridos netos e casado com o amor da minha vida, Amália. Desde meus 50 anos tenho um compromisso comigo mesmo: fazer meus exames periódicos. Sigo...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...
21/09: Dia Mundial do Doador de Medula Óssea
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, que tem como objetivo a conscientização sobre a importância da doação de medula óssea. O procedimento servirá para o transplante, um tipo de tratamento que visa substituir uma medula óssea doente...
29/08 – Dia Nacional de Combate ao Fumo: como parar de fumar?
Apoio psicológico, medicamentos e algumas atitudes simples podem ajudar quem deseja largar o vício O tabagismo é o maior fator de risco evitável de adoecimento e morte no mundo. Os malefícios incluem um aumento significativo nas chances de adquirir ou morrer por doenças cardíacas, pulmonares...