Os efeitos colaterais da quimioterapia

Publicado em: 28/02/2013 - 21:02:00
Tratamento
Foco do paciente
Quimioterapia

O paciente diagnosticado com câncer pode, em algum momento, ser submetido à quimioterapia e, embora não tenha a real dimensão do tratamento, já chega ao consultório médico ciente de que a abordagem é acompanhada de algumas consequências, como queda de cabelo, infecções, febre e vômito.

Esses efeitos colaterais da quimioterapia são resultado das medicações, que interferem diretamente na capacidade de multiplicação das células, normais ou tumorais, e variam de acordo com o tipo e a dosagem dos medicamentos. Em cada pessoa, as reações podem ser diferentes, variando em frequência e intensidade.

Alguns sintomas duram pouco tempo após a aplicação da quimioterapia e outros podem durar todo o tratamento, persistindo, inclusive, após seu término. A boa notícia é que a maioria desses desconfortos cessa com o término das sessões e ainda existem certos cuidados que podem reduzi-los, tornando o tratamento o mais tolerável possível.

"A quimioterapia é um tratamento muito amplo e há uma centena de medicamentos e combinações que podem ser feitas. Muitas vezes, o efeito colateral que afeta uma pessoa não é o mesmo de outra. O tipo e a associação da medicação utilizada e a sensibilidade do paciente vão influenciar na reação do organismo ao tratamento", explica Dra. Solange Sanches, oncologista clínica do A.C.Camargo.

Febre, náusea, vômito e diarreia
A febre pode ocorrer durante o tratamento e requer uma investigação imediata, pois pode ser sinal de uma infecção, resultado da queda de resistência. Já náuseas, vômitos e diarreia podem ser controlados com medicamentos específicos, conforme orientação médica. "Se algum desses efeitos for persistente e não estiver sendo controlado, o ideal é procurar o pronto-socorro do Hospital onde o tratamento está sendo feito", diz a oncologista.

Infecção
A infecção é uma complicação do tratamento que pode ocorrer devido à redução das barreiras de proteção do corpo (integridade da pele e das mucosas, por exemplo) e dos glóbulos brancos. Com menor número de leucócitos no sangue, o risco de invasão por agentes como vírus, bactérias, fungos e outros parasitas aumenta. A prevenção é a chave para combater essa possível complicação: cuide da pele e das unhas, evite locais fechados e aglomerados, evite contato com animais e pessoas que estejam com doenças contagiosas e conserve e prepare os alimentos de forma segura.

Queda de cabelo 
A alopecia é característica de apenas alguns medicamentos, que agem nas células que estão se multiplicando e crescendo. A célula do folículo piloso, que dá origem à estrutura do cabelo, quando sofre a ação da quimioterapia, se desprega e cai. Isso ocorre geralmente cerca de duas a três semanas após o início da quimioterapia e é completamente reversível após o término do tratamento.

"A queda de cabelo pode ser bastante rápida e muito impactante do ponto de vista emocional. É importante que a pessoa já tenha preparado antecipadamente sua estratégia para o efeito colateral: peruca, lenço, chapéu, bonés e protetor solar para esta área sensível e antes não exposta ao sol", alerta a oncologista.

Mucosite
As lesões na cavidade oral podem variar de uma leve vermelhidão até feridas graves. Um dos sintomas mais comuns é sentir a mucosa mais fina e sensível. É importante manter uma higienização adequada, utilizando escova de dentes de cerdas macias, creme dental suave e enxaguantes bucais sem álcool, para diminuir a proporção de agentes patogênicos como fungos, vírus e bactérias, além de proteger mais a mucosa.

Toxicidade do sangue
O sangue é composto pelos glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas. Quando o tratamento atinge essas células, a queda de glóbulos brancos, por exemplo, baixa a resistência, aumentando o risco de infecções; a diminuição de glóbulos vermelhos leva à anemia e consequente cansaço; já com a queda das plaquetas, o risco maior é de sangramento.

Infertilidade
A infertilidade não acomete necessariamente todos os pacientes, pois depende muito da medicação e, na maioria das vezes, é reversível. Nos casos em que o risco é maior, existe a possibilidade de preservação de espermatozoides e óvulos.

Para o homem jovem, ou que ainda quer ter filhos, a sugestão é a preservação do esperma. Para a mulher, não há taxas que mostrem se determinada quimioterapia oferece mais riscos que outra, mas também é possível optar pela coleta e preservação dos óvulos.

Esses procedimentos devem ser discutidos com o médico, caso a caso, avaliando o tempo demandado para a coleta e preservação dos espermatozoides ou óvulos, além da possibilidade de uma fertilização posterior ao tratamento.

Segundo Dra. Solange, as mulheres em idade fértil e em quimioterapia devem discutir com o médico as opções possíveis dentro de seu caso, para evitar a gravidez durante o tratamento. "Muitas vezes, a menstruação sofre alterações, mas isso não significa que não há ovulação. O médico deve avaliar cada caso para orientar a paciente sobre o método de prevenção mais adequado", completa.

Inapetência
O tratamento pode induzir à falta de apetite e pode causar perda de peso, consequência de uma nutrição inadequada. Ingerir líquidos vagarosamente e se alimentar várias vezes ao dia e em quantidades menores amenizam esse quadro. A orientação nutricional deve ser específica para cada caso e supervisionada por um nutricionista especializado, pois alinhar as necessidades às preferências nutricionais do paciente é muito importante nesse contexto.

A melhor conduta no tratamento é determinada pelo oncologista, que leva em consideração fatores como idade, sexo, peso, condição de saúde e histórico clínico, além das características próprias do tumor. No A.C.Camargo, uma equipe multidisciplinar, composta por oncologistas clínicos, cirurgiões oncológicos, farmacêuticos, nutricionistas e enfermeiros, atua avaliando e acompanhando cada caso a fim de minimizar ao máximo o desconforto do tratamento. 

Dra. Solange Moraes Sanches - CRM 66744
Departamento de Oncologia Clínica do A.C.Camargo

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Conheça o TrueBeam, um equipamento de alta tecnologia em radioterapia
Esse acelerador linear de última geração permite tratar o paciente com menor grau de toxicidade e maior precisão O TrueBeam é um acelerador linear de alta precisão que vem acoplado com um equipamento que captura imagens, o Conebeam. Ou seja: a cada sessão de radioterapia...
Função sexual e câncer urológico: mitos e verdades
Todo tipo de tratamento contra câncer urológico pode resultar em impotência sexual. Mito. Não é todo câncer urológico que pode causar impotência sexual após o tratamento. Na maioria das vezes, a disfunção erétil ocorre durante o tratamento cirúrgico para tumores de próstata ou de bexiga...
Câncer de pele: 13 dicas de cuidados
Quando o assunto é prevenir a doença, há dúvidas sobre o que é mais eficaz e o que de fato é nocivo ou seguro para a saúde da pele. Com base nisso, o cirurgião oncológico e head do Centro de Referência de Pele do A.C.Camargo...
A.C.Camargo Cancer Center - do Brasil para o mundo! 
Somos o único representante da América Latina a compartilhar conhecimento no curso da União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) ao lado dos maiores Cancer Centers do mundo, como o canadense Princess Margaret. O objetivo desse encontro é ensinar o modelo de sucesso do...
Dia Nacional dos Ostomizados
Procedimento proporciona a pacientes nova oportunidade de viver com mais qualidade A ostomia, mais conhecida como estomia, é uma cirurgia realizada com objetivo de construir um novo caminho para eliminar a urina e as fezes. É um procedimento que salva vidas. Mas, ainda existem pessoas...