O desafio do diagnóstico precoce do câncer de pele em homens | A.C.Camargo Cancer Center Pular para o conteúdo principal

O desafio do diagnóstico precoce do câncer de pele em homens

 
Publicado em:

O desafio do diagnóstico precoce do câncer de pele em homens

Publicado em:

Diagnosticar precocemente o câncer de pele pode parecer difícil para muitas pessoas, seja pela quantidade de pintas espalhadas pelo corpo, seja pelas diversas características que elas podem apresentar (aparência, tamanho, cor, espessura, entre outras).

Para os homens, o desafio é ainda maior. Isso porque o local mais comum onde surge o melanoma (tipo de câncer de pele mais agressivo) é nas costas, enquanto nas mulheres é nas pernas.

"É muito mais difícil observar uma lesão nas costas. Muitas vezes, é a mulher quem percebe e orienta seu filho, pai ou marido a consultar um especialista", comenta
Dr. João Duprat Neto, Diretor do Departamento de Oncologia Cutânea.


Além disso, incentivar o diagnóstico precoce é importante para o resultado do tratamento. Levantamento realizado com 997 pacientes do A.C.Camargo Cancer Center, entre 2000 e 2011, mostrou que a sobrevida* entre os homens foi de 76,4%, enquanto entre as mulheres foi de 82,4%. De acordo com o oncologista, o principal motivo está relacionado a questões hormonais, que impactam na taxa de resposta às terapias.

Sobre o câncer de pele
Tumores de pele são os mais incidentes na população brasileira e, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), são estimados no Brasil mais de 180 mil novos casos somente em 2017. O melanoma, apesar de representar 3,12% desse total, é o mais agressivo.



*Pacientes vivos cinco anos após o tratamento.

Dr. João Pedreira Duprat Neto - CRM 49571
Diretor do Departamento de Oncologia Cutânea
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 42350

 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico . Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço ( leia mais a seguir ), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e...