Navegar é preciso

Publicado em: 04/08/2022 - 08:08:00

Artigo assinado pelo Doutor Victor Piana de Andrade, Diretor Geral do A.C.Camargo, e publicado originalmente na revista Veja

Imagine você descobrir que amanhã, se quiser viver, terá que cruzar o Atlântico em um barco. E não tem como adiar. Você não se sente capacitado, mas não tem escolha. Não sabe por onde começar, nem mesmo tem tempo de pensar. Como fica seu trabalho? Seus filhos? Seus outros planos? Um paciente recém-diagnosticado com câncer se sente assim: perdido, desorientado, cheio de incertezas, sem saída.

Cruzar o Atlântico amanhã sem experiência e com segurança vai requerer que você seja um tripulante em meio a uma equipe experiente, que já fez essa viagem muitas vezes, conhece as melhores rotas e os perigos, sabe bem a hora de içar velas e quando recolhê-las para esperar a tempestade passar… 

Claro, você terá responsabilidades a bordo, mas com orientações contínuas. Parece melhor agora?  Ah sim! Já ia me esquecendo... A viagem será paga por você e, portanto, não podemos exagerar no tamanho do barco, nem no número de tripulantes, somente o necessário e adequado para otimizar a segurança e a chance de sucesso.  

Cuidar do câncer e de várias outras doenças complexas é assim. Requer um time de especialistas com vivências, organização, planos claros e bem comunicado. Quando o paciente chega aterrorizado, nós explicamos, apresentamos o plano, transmitimos segurança, esclarecemos os riscos, lembramos dos inúmeros sucessos. E convidamos o paciente a se integrar na equipe.

Sim, agora o “Dr. Você” é parte importante da equipe. “Dr. Você” precisa dizer tudo que sabe ao grupo, alertar sobre sinais e sintomas, estar atento aos eventos adversos, zelar pela sua segurança e de todos no barco, expor as suas preocupações. Nenhuma decisão é tomada sem o “Dr. Você” participar. 

Há espaço inclusive para adequar a velocidade, o trajeto e suas preferências.  Nada sobre você acontece sem você – afinal, a travessia do oceano só se justifica porque você precisa chegar lá.

A oncologia cresce em complexidade a cada dia: mais alternativas terapêuticas, mais detalhes, mais genômica, mais personalização. O tratamento é longo, com anos de idas e vindas a médicos e múltiplos profissionais. Aliás, há cada vez mais especialistas de diferentes origens na tripulação: os que fazem o diagnóstico, os que preparam para suportar o tratamento, os que tratam, os que controlam os sintomas da doença e dos eventos adversos, os que organizam a reabilitação física e mental, os que cuidam da nutrição ao longo da jornada, os que garantem a segurança de todos os medicamentos, os que acolhem os sentimentos nas horas difíceis, aqueles que ajudam a voltar às atividades do cotidiano. 

Todos são excepcionais no que fazem, mas alguém precisa garantir a comunicação entre essa equipe e gerenciar o plano coletivo. Chamamos esse profissional de Navegador de Pacientes. É uma profissão que pode ser exercida por qualquer pessoa que se capacite, mas vemos, mais frequentemente, enfermeiros se especializando nesse tema pela capacidade de integrar conceitos clínicos de segurança, eficácia, eficiência, coordenação de pessoas e acolhimento. É um especialista na coordenação do cuidado, entre todos aqueles que mais vão ficar ao lado do “Dr. Você” na travessia, ajudando na transição entre as etapas e entre os especialistas.

A Navegação de Pacientes remove barreiras que atrapalhariam o plano de ação. O profissional coordena as consultas e exames com a pessoa certa, na hora certa, sem desperdício de tempo ou recursos.  Há metas de tempo para iniciar o tratamento que aumentam as chances de sobrevida; há momentos importantes para se medir se o benefício esperado do tratamento está acontecendo; há pausas para discussões entre especialistas sobre situações não previstas. Navegar é preciso; a vida precisa.  A relevância é tanta que está em trâmite na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4171/21, que cria o Programa Nacional de Navegação de Paciente, com o objetivo específico de treinar profissionais de saúde para orientar, tratar, acompanhar e monitorar pacientes com câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS). 

Em 2005, o National Cancer Institute dos Estados Unidos investiu 25 milhões de dólares para implantar um Programa de Navegação de pacientes oncológicos. Desde então, o Medicare e Medicaid, o Affordable Care Act e o Colégio Americano de Cirurgiões recomendam a navegação desses pacientes. O Programa Nacional de Acreditação de Centros de Referência em Câncer de Mama dos Estados Unidos exige a navegação de pacientes para emitir certificado no nível de excelência.  

Os estudos reportam que pacientes navegados iniciaram o tratamento mais rápido, aderiram mais ao plano de tratamento, passaram menos tempo internados, fizeram menos à emergência e, por fim, relataram mais bem-estar, equilíbrio emocional e satisfação com o cuidado. 

Mais chance de sucesso com menos esforço e sofrimento do paciente. Lembra do custo? Ao evitar que o paciente busque descobrir sozinho os caminhos do seu cuidado, a navegação evita redundância de consultas, exames e procedimentos. Com isso, reduz os custos para quem paga a conta. Sem falar nos custos indiretos de não aderir ao plano de cuidado. A navegação no tratamento do câncer é a antítese do que dizia o poeta: navegar é preciso, viver é ainda mais preciso.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
O papel do enfermeiro navegador e seu impacto na jornada oncológica
Durante a jornada oncológica, pacientes do A.C.Camargo Cancer Center podem contar com a expertise dos enfermeiros navegadores. São profissionais altamente especializados em oncologia que atuam como um elo entre o paciente e todas as equipes (assistenciais e administrativas), desenvolvendo um trabalho fundamental para melhorar os...
15 de setembro - Dia mundial de conscientização sobre linfomas
Como se prevenir deles? Indo ao médico assim que perceber os sintomas. Então apareceu um gânglio diferente no pescoço, ou na axila, ou na virilha, que não dói, mas você sente extremo cansaço, febre, está suando à noite e também perdendo peso sem razão aparente...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...
1º lugar Qualihosp na categoria Educação
Estamos felizes em anunciar o reconhecimento do A.C.Camargo na edição 2021 do QualiHosp, um importante congresso internacional de qualidade em serviços e sistemas de Saúde, que reúne profissionais e hospitais renomados do Brasil. Recebemos o prêmio de primeiro lugar na categoria Educação em Saúde com...