Cuidados paliativos: pacientes que deixam a UTI sobrevivem Pular para o conteúdo principal

Muitos pacientes que deixam a UTI com cuidados paliativos sobrevivem e retomam o tratamento do câncer

 
Publicado em:

Muitos pacientes que deixam a UTI com cuidados paliativos sobrevivem e retomam o tratamento do câncer

Estudo revela que aproximadamente 20% dos pacientes receberam alta para casa e até voltaram às terapias contra o câncer

Publicado em:

Estudo revela que aproximadamente 20% dos pacientes receberam alta para casa e até voltaram às terapias contra o câncer

Alguns pacientes internados em UTI e que não apresentam melhora no quadro deixam esse serviço em cuidados paliativos. 

Há, no entanto, pouca amostragem sobre o que acontece com eles após a alta da UTI. E foi isso que motivou uma pesquisa do corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, que foi publicada na revista científica Critical Care Medicine. Nela, identificou-se que mais da metade consegue retomar o tratamento.

Intitulado Outcomes of Cancer Patients Discharged from ICU After a Decision to Forgo Life-Sustaining Therapies (Resultados de Pacientes com Câncer Saídos da UTI Após Decisão de Abrir Mão de Terapias de Manutenção de Vida), o estudo avaliou 507 pessoas que receberam alta com doenças terminais e incuráveis. 

Entre as conclusões do trabalho, a primeira é que um a cada cinco pacientes que passaram pela UTI e receberam alta com cuidados paliativos consegue voltar para casa.

A segunda é bem melhor: mais de 50% destes pacientes que recebem alta para casa conseguem retomar seu tratamento oncológico, o que lhes confere aumento da sobrevida. 

 

Cuidados paliativos: o que se analisa

O cuidado é paliativo, pois, como esses pacientes têm doenças terminais e incuráveis, essas medidas extremas e invasivas de suporte avançado da vida – caso de hemodiálise ou ventilação mecânica – costumam ser desproporcionais. Elas apenas acrescentam sofrimento ao paciente. 

É importante ressaltar que a decisão de limitar o suporte avançado da vida é sempre consensual entre médicos, pacientes e responsáveis. Se não houver concordância de todas as partes, a decisão não é tomada. E quem decide pela alta da UTI é o médico da UTI em consenso com o oncologista clínico ou cirúrgico. A decisão é 100% centrada no paciente.

Em todo o mundo, aproximadamente 10% dos pacientes internados em UTI recebem a determinação de abrir mão de medidas extremas e invasivas de suporte avançado da vida – seja por diretriz da família ou por protocolos médicos.


Fonte: Dr. Pedro Caruso, head do Departamento de UTI Adulto do A.C.Camargo

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Leucemia mieloide aguda: novo método calcula com precisão a sobrevida do paciente
Pioneiro no campo da onco-hematologia, ele foi desenvolvido em estudo multicêntrico internacional, que teve a liderança de médico do A.C.Camargo Cancer Center Quando um paciente é diagnosticado com leucemia mieloide aguda, os médicos usam uma variedade de métricas para determinar...
Pesquisa aponta aumento da incidência de câncer de orofaringe associado a infecção por vírus HPV
Neste Julho Verde, mês de conscientização sobre o combate aos tumores de cabeça e pescoço, conheça este estudo feito na cidade de São Paulo, que analisou mais de 15 mil casos de câncer de boca e orofaringe O papilomavírus humano...
Síndrome de Li-Fraumeni: estudo que envolveu o A.C.Camargo pode mudar o aconselhamento genético da doença de forma marcante
Pesquisa internacional analisou dois tipos de mutações que estão ligadas à predisposição ao câncer A Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) é uma doença hereditária de predisposição ao câncer, relacionada a mutações no gene TP53. Uma das mutações neste gene, denominada R337H...
Dia Mundial do Câncer de Rim: atividade física ajuda a reduzir o risco da doença
A adoção de hábitos saudáveis durante o dia diminui a incidência de tumores renais e ainda atua na melhoria de problemas cardiovasculares ou diabetes Câncer de rim e prevenção. Segundo dados mais recentes do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a...
Câncer de cabeça e pescoço: artigo científico traz recomendações para cirurgias oncológicas
Estudo internacional teve a contribuição do Dr. Luiz Paulo Kowalski, líder do Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço Câncer de cabeça e pescoço e Covid-19. Em artigo divulgado pela revista científica The Lancet Oncology , especialistas representando...