Menos casos e maior sobrevida: a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de pulmão

 
Publicado em: 17/08/2016 - 21:08:00

Apesar da previsão de mais de 26 mil novos casos em 2016, no Brasil, o câncer de pulmão é uma doença potencialmente evitável. O seu desenvolvimento, em cerca de 90% dos casos, está relacionado ao consumo de tabaco – em todas as suas formas, inclusive narguilé, charuto, cachimbo, entre outros. Eliminar ou evitar esse hábito é fundamental para a prevenção de tumores pulmonares, que, segundo o INCA, é o tipo com maior taxa de mortalidade no Brasil.

Em levantamento realizado pelo A.C.Camargo Cancer Center, cerca de 80% dos mais de 1.000 pacientes diagnosticados com câncer de pulmão, a partir dos anos 2000, são ou foram fumantes por muitos anos. "São números que reforçam o tabagismo como o principal fator de risco para o desenvolvimento dessa doença", ressalta Dr. Jefferson Gross, cirurgião oncológico e diretor do Núcleo de Pulmão e Tórax do A.C.Camargo.

Se a prevenção pode diminuir o número de casos, o diagnóstico precoce pode resultar em um tratamento mais eficiente: as chances de sobrevida após cinco anos nesses casos podem ser de mais de 70%. No entanto, apenas um entre quatro casos costuma ser descoberto em fase inicial, e mais da metade dos pacientes são diagnosticados já com metástase (quando o tumor atinge outros órgãos), quando a porcentagem de sucesso do tratamento diminui consideravelmente. Para a detecção precoce da doença, a tomografia é o principal exame de rastreamento.

Não existem manifestações clínicas específicas do câncer de pulmão. Os sintomas costumam ser semelhantes a reações comuns ao ato de fumar, como tosse, pigarro e secreção, caracterizando-se como o principal motivo da detecção tardia da doença. "O fumante está acostumado a lidar com esses sintomas e não se atenta ao possível surgimento de um tumor", analisa Dr. Jefferson. Por isso, recomenda-se a consulta com um especialista anualmente a partir dos 55 anos, caso seja tabagista ou tenha parado de fumar há menos de 15 anos.

Queda da prevalência do tabagismo e outros fatores
Com a proibição da propaganda do cigarro e as campanhas de conscientização sobre seus males, o índice de fumantes no Brasil caiu para cerca de 15% da população – menos da metade em relação há duas décadas, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Esse avanço, porém, deve ser acompanhado por um aviso: o tabagismo não é o único fator de risco para o câncer de pulmão. A poluição atmosférica é outro ponto de alerta, principalmente as de fábricas industriais e agrícolas e dos gases emitidos por veículos automotivos.

Dr. Jefferson Luiz Gross - CRM 68099
Diretor do Núcleo de Pulmão e Tórax
Especialista em Cirurgia Torácica - RQE nº 3502

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico . Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço ( leia mais a seguir ), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...