Inibidores de PARP: estamos vivendo uma mudança de paradigma?

Publicado em: 17/05/2019 - 20:05:26

Medicamento atua inibindo enzimas relacionadas às mutações BRCA1 e BRCA2 presentes no desenvolvimento de câncer de ovário

Os inibidores de PARP. estão quebrando paradigmas no tratamento de câncer de ovário. O medicamento, que funciona como uma quimioterapia oral, tem sido utilizado para tratamento de uma parcela das pacientes que possuem uma mutação nos genes BRCA1 e BRCA2. 

O assunto foi destaque na palestra  Inibidores de PARP. Estamos vivendo uma mudança de paradigma?, da ginecologista oncológica do Stephenson Cancer Center, Kathleen Moore, durante o painel de câncer de ovário no Next Frontiers to Cure Cancer, congresso do A.C.Camargo Cancer Center.

Mutações BRCA 1 e BRCA 2

Os genes BRCA1 e BRCA2 estão correlacionados com o câncer de ovário: as mulheres que possuem o primeiro gene apresentam 45% de chance de desenvolver esse tipo de câncer; já as portadoras do segundo gene têm 25%.

Nas últimas décadas, estudos clínicos estabeleceram relações entre alguns genes e a predisposição a tipos específicos de câncer. A associação entre mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 e a predisposição ao câncer de mama e ovário hereditário (HBOC) foi bem estabelecida e estas mutações no grupo de genes BRCA são responsáveis por 5% dos cânceres de mama em torno de 18% dos cânceres de ovário.

De olho nisso, durante a palestra,, a médica destacou a importância do mapeamento destes genes para tratamento e prognóstico das pacientes. “Nos Estados Unidos, apenas 50% das mulheres com câncer de ovário realizam o teste genético para identificar as mutações. Precisamos melhorar esse quadro”, complementou.

Como funcionam os inibidores de PARP?

Com a mutação identificada, o tratamento inicia-se com o uso dos inibidores de PARP. O medicamento age inibindo as enzimas PARP, que fazem parte da via onde o BRCA atua. Dessa forma, os inibidores de PARP atuam evitando a multiplicação e eliminado as células cancerosas. Atualmente, há disponível quatro medicamentos desta linha: Olaparib, Rucaparibe, Niraparibe e Talazoparib.   

Os resultados de eficácia dos medicamentos têm sido bastante promissores. De acordo com Kathleen, há diversos estudos em andamento que estão avaliando o uso dos inibidores concomitantemente com outras drogas e tratamentos, como a imunoterapia, e para outros tipos de tumores. “Nos próximos cinco anos, teremos uma nova quebra de paradigma no tratamento do câncer de ovário: usaremos os inibidores de PARP para todos os casos, mesmo para aqueles que não são portadores da mutação BRCA”, contou. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...