Ingestão de álcool contribui para a formação de tumores

 
Publicado em: 27/01/2020 - 21:01:00

Entenda como a bebida alcoólica pode reagir em diferentes partes do corpo

Ingerir bebidas alcoólicas aumenta a probabilidade de desenvolver tumores. E não só para os bebedores pesados (que consomem mais de 21 doses de álcool por semana): qualquer quantidade ingerida contribui para o aumento do risco de desenvolver certos tipos de câncer.

“O álcool é apontado em estudos como responsável por cerca de 6% das mortes no mundo inteiro. Ele aumenta o risco do câncer de boca, garganta, esôfago, fígado, intestino e mama. Também existem indícios de que o álcool pode estar envolvido na formação dos tumores de estômago e de pâncreas”, comenta do Thiago Chulam, head do Departamento de Prevenção e Diagnóstico Precoce da instituição.

O médico explica que todos os tipos de bebidas alcoólicas são potencialmente cancerígenos e que não existe bebida melhor ou pior nesse sentido, apenas com concentração alcoólica diferente. “Foi observado em alguns estudos que mesmo o fato de beber socialmente pode levar ao aumento do risco de desenvolver certos tipos de tumores. É claro que a quantidade de bebida ingerida influencia muito, principalmente as com maior graduação alcoólica, como os destilados. Mas a dose limite permitida ainda não é algo que está estabelecido na medicina, pois não existe consenso sobre níveis seguros” comenta Dr. Thiago.

Reações do álcool no corpo

Para cada parte do corpo, o álcool tem uma reação diferente. 

  • Boca, esôfago e laringe: ao aumentar a permeabilidade da mucosa bucal, do esôfago e da laringe, o álcool pode facilitar a penetração de agentes carginógenos. Ao lesionar estes tecidos, a capacidade de reparo do DNA destas células pode ser alterada e gerar mutações. E a partir do acúmulo de mutações e de alterações do DNA, surgem os tumores.
  • Mama: o álcool aumenta os níveis de alguns hormônios, como o estrogênio, responsável pelo aumento das chances de desenvolvimento dos tumores de mama.
  • Fígado: a maior parte do álcool é metabolizada neste órgão. Os produtos resultantes desse metabolismo, como o acetaldeído, são tóxicos para o fígado e podem causar lesão, cirrose ou aumentar o risco de câncer hepático.
  • Intestino: além de outros efeitos, há alteração da absorção de nutrientes que são anticarcinogênicos, como o folato, que é fundamental para a proteção do intestino.

Além dos efeitos no corpo, Dr. Thiago lembra que a ingestão de álcool pode causar interação medicamentosa. Para pacientes em tratamento do câncer, a bebida alcoólica também contribui para tornar mais fraco o sistema imunológico, que já está debilitado pela presença do tumor.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...