Imunoterapia, a ciência que faz diferença

 
Publicado em: 26/11/2019 - 17:11:22

Assista ao vídeo e entenda como funciona essa nova classe de medicamentos

A Imunoterapia é considerada um dos principais avanços no tratamento do câncer dos últimos anos. Ela estimula o organismo a identificar as células cancerosas e atacá-las com medicamentos que modificam a resposta imunológica. As maneiras mais comuns de administrar os medicamentos são: intravenosa (administrado diretamente na veia) e subcutânea (por injeção no tecido subcutâneo).

A Imunoterapia age de forma distinta das quimioterapias e das terapias-alvo moleculares. Enquanto essas últimas baseiam-se em atacar as células tumorais diretamente, a Imunoterapia auxilia o próprio sistema imunológico do paciente a identificar e combater o câncer, mas ela não se aplica a todos os casos. 

Hoje, no Brasil, existem medicamentos imunoterápicos aprovados para os cânceres de pulmão, rim, bexiga, estômago, cabeça e pescoço, melanoma e alguns subtipos de cânceres de mama e pele (carcinoma de células de merkel e carcinoma escamoso de pele). A indicação tem relação com o tipo de tumor e o momento do tratamento em que o paciente se encontra. 


Centro de Imunoterapia

O A.C.Camargo Cancer Center possui um Centro de Imunoterapia que conta com uma equipe multiprofissional que inclui oncologistas clínicos, patologistas, radiologistas, radioterapeutas, pneumologistas, dermatologistas, endocrinologistas, intensivistas e médicos em atendimento de emergência, além de enfermeiros dedicados, responsáveis pelo acompanhamento dos pacientes.

Boa parte desses profissionais especializados já tem experiência com o tratamento em Imunoterapia graças aos sete anos de trabalho com testes clínicos realizados pela Instituição.


Integração com pesquisa no Grupo de Imuno-Oncologia Translacional

Alguns pacientes respondem muito bem à Imunoterapia, e outros, não. Para aprofundar o conhecimento sobre alternativas individualizadas de tratamento que incentivam o sistema de defesa do corpo humano a destruir as células tumorais, o A.C.Camargo Cancer Center criou o Grupo de Pesquisa em Imuno-Oncologia Translacional. 

Essa área utiliza um Citômetro de Fluxo de última geração – a Instituição é a primeira na América Latina a ter esse equipamento, um citômetro digital de 50 parâmetros, com separador de células capaz de purificar populações e também células individuais. É a mesma tecnologia usada em centros como o MD Anderson, no Texas, e no Centro de Imunotecnologia do National Institute of Health.

Isso faz do A.C.Camargo Cancer Center um Centro Internacional de Excelência em Citometria de Fluxo, cujo uso é integrado entre as linhas de assistência, pesquisa e ensino.

Veja este vídeo da série Ciência que faz Diferença e entenda melhor como funciona a Imunoterapia no A.C.Camargo Cancer Center:

Mais sobre a série Ciência que faz Diferença:
- Biobanco
- Genômica

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando...
Imunoterapia para o câncer colorretal metastático
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O estudo mais aguardado desta ASCO foi o Keynote-177, pois a imunoterapia é usada para diversos tumores atualmente. Para os pacientes com câncer colorretal, a imunoterapia é aprovada apenas para os pacientes que...
Avaliação de resposta discordante entre PET/CT 18F-FDG e RECIST em pacientes com melanomas metastáticos tratados com inibidores de pontos de verificação
Por Milton José de Barros e Silva, primeiro autor do estudo e oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center A imunoterapia com inibidores de pontos de verificação vem revolucionando o tratamento dos pacientes com melanoma metastático. Nos estudos que levaram à aprovação dessas medicações, o tempo...
Seguimento de longo prazo de Lifileucel – terapia com TILs para pacientes com melanoma avançado que falharam em múltiplos tratamentos
Por Milton José de Barros e Silva, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O tratamento do melanoma metastático avançou muito na última década com a imunoterapia, através dos inibidores de pontos de verificação e da terapia-alvo para os pacientes com a mutação do gene BRAF...
Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado
Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O melanoma de mucosa pode se originar em diversas regiões, sendo as mais frequentes: cavidades nasal e oral e mucosa vulvovaginal e anorretal. É um subtipo raro de melanoma, sendo responsável por 1,3% de todos os...