Grupo de pesquisa do A.C.Camargo vai tentar desvendar segredos da imunoterapia anticâncer

Publicado em: 03/06/2017 - 21:06:00
Institucional
Pesquisa
Imunoterapia

A imunoterapia foi a grande vedete dos maiores congressos de oncologia nos últimos anos, mas, apesar do conhecimento até então acumulado, médicos e cientistas especulam o que ainda pode ser descoberto.

É o caso do biomédico americano Kenneth Gollob, recém-contratado do A.C.Camargo Cancer Center, hospital oncológico de São Paulo, para comandar um grupo que vai tentar descobrir o que não está nos manuais médicos ou nos artigos científicos patrocinados por farmacêuticas.

Um dos projetos nos quais o grupo está apostando é entender quais pacientes são mais suscetíveis aos efeitos colaterais do tratamento com imunoterápicos.

Os imunoterápicos foram desenhados para "remover as travas" do sistema imunológico, amplificando a resposta anticâncer do organismo.

Muitas vezes, explica Gollob, as pessoas desenvolvem um perfil de resposta semelhante ao de doenças autoimunes, difíceis de detectar.

Entre os órgãos que mais sofrem estão os rins, que ficam sobrecarregados. O risco de um paciente adquirir uma insuficiência renal crônica geralmente não compensa a tentativa ultramoderna de tratamento.

O plano, então, é tentar mapear parâmetros do sistema imunológico e, a partir deles, tentar prever quem tem maior probabilidade de desenvolver o problema.

Na prática, a pesquisa vai envolver inicialmente o acompanhamento de pacientes que receberão o tratamento com imunoterápicos para a identificação desses fatores em um tipo de câncer de pulmão (o de células não pequenas) e no melanoma.

Uma segunda etapa é saber exatamente quais são os "parafusos imunológicos" a serem apertados ou afrouxados com o uso de drogas para que a resposta à doença seja a melhor possível.

"Entre as possibilidades para a falta de resposta adequada estão um número insuficiente de células para atacar o tumor ou a resposta estar inibida, o que chamamos de supressão ativa. Faremos experimentos para diferenciar uma situação da outra", diz Gollob.

A ideia é aproveitar o fluxo de pacientes do hospital para reunir dados e material para executar as pesquisas. A instituição tem um banco com quase 60 mil amostras de tumores – prato cheio para cientistas da área.

Fonte: <cadeacura.blogfolha.uol.com.br>.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Tumores gastrointestinais: resultados promissores para o adenocarcinoma esofagogástrico
Por Victor Hugo Fonseca de Jesus, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Foi apresentado o DESTINY-Gastric01, um estudo randomizado, de fase II, envolvendo 187 pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico avançado HER2 positivo. Ele comparou o Trastuzumabe Deruxtecan com a quimioterapia de escolha do investigador. O estudo...
Inovação: a era da bioimpressão 3D chega à saúde
Tecnologia permite a construção de tecidos que reduzem rejeições e de modelos in vitro para testes de drogas imunossupressoras Células carregadas em matrizes poliméricas, as chamadas biotintas, são impressas posicionadas hierarquicamente, camada a camada, de maneira programada. Nascem assim, por meio da tecnologia de bioimpressão...
Avanços na Oncogenética
A Oncogenética é uma forma de se antecipar a um eventual tumor. Também pudera: estima-se que de 5% a 10% dos tumores malignos sejam de origem hereditária. Para isso, medidas de rastreamento podem ser adotadas, como explicou o Dr. José Claudio Casali da Rocha, head...
Conheça este projeto inovador de pesquisa sobre melanoma e seu tratamento com imunoterapia
Alguns pacientes com melanoma metastático ou localmente avançado que passam por cirurgia são tratados a seguir com imunoterapia pelo período de um ano. A imunoterapia é uma forma de tratamento que visa recuperar o controle do sistema imune do paciente contra o tumor. E, para...
Custo-efetividade em oncologia: criando modelos assistenciais baseados em valores
Custo-efetividade é um tema recorrente quando se fala sobre administração e gerenciamento de hospitais e instituições de saúde. Mas e quando o assunto é especificamente câncer, uma doença cujo tratamento e diagnóstico pode ter valores financeiros bastante consideráveis? Nelson Teich, médico oncologista e ex-ministro da...