Estudo americano mostra pela primeira vez o risco de tratar câncer apenas com terapias alternativas

Publicado em: 02/06/2017 - 21:06:00
Pesquisa
Institucional
Epidemiologia

Uma pesquisa do Yale Cancer Center, em Connecticut (Estados Unidos), avaliou o risco de morte que um paciente de câncer corre quando recorre exclusivamente às chamadas terapias alternativas, e ele foi, em média, 2,5 vezes maior se comparado com quem recebeu tratamento com terapias convencionais (cirurgia, quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia).

Os pesquisadores avaliaram 280 pacientes com quatro tipos de câncer – mama, próstata, pulmão e cólon – em estágio inicial e compararam com 580 outros que seguiram o tratamento convencional.   

O estudo analisou dados de uma base nacional de dados de câncer nos Estados Unidos no período de 2004 a 2013 (10 anos), incluindo pacientes que apareceram no registro como tendo seguido apenas "terapias não comprovadas", usadas em substituição aos tratamentos médicos vigentes e com comprovação científica.

Tanto nos Estados Unidos como no Brasil, são raros os pacientes de câncer que tomam essa atitude de recorrer exclusivamente a "terapias" não recomendadas por médicos. "Esse é um assunto bastante delicado e a melhor maneira de trabalhar essa questão é oferecer aos pacientes informações claras a respeito dos tratamentos e de suas perspectivas; atualmente, minha impressão é de que no Brasil o recurso às terapias alternativas é mais comum entre os pacientes que entram em cuidados paliativos", explica Dr. Helano Freitas, coordenador científico de Pesquisa Clínica do A.C.Camargo Cancer Center. De acordo com ele, não existem dados semelhantes no Brasil.

Alguns resultados da pesquisa

As terapias alternativas estão relacionadas à menor sobrevida em cinco anos após o diagnóstico em relação a pacientes que seguiram o tratamento convencional:

O único grupo em que a pesquisa não demonstrou diferença estatisticamente significativa na sobrevida foi o dos pacientes com câncer de próstata (sobrevida em 5 anos: 86,2% para terapias não comprovadas x 91,5% para terapias convencionais). Pelo caráter muitas vezes indolente dessa neoplasia, com muitos pacientes sobrevivendo mais de uma década, o tempo de acompanhamento de 66 meses é insuficiente para detectar diferenças mais significativas entre os grupos.

O trabalho é importante para trazer à discussão os riscos envolvidos na eventual escolha de abandonar ou nem começar o tratamento do câncer em troca de terapias alternativas sem comprovação científica. "Resultados como esse nos lembram a importância da medicina baseada em evidência científica, ou seja, que médicos e seus pacientes sigam protocolos de tratamento já bem estabelecidos pelas pesquisas", reforça Dr. Helano.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Trabalho ganha prêmio no Congresso Latino-Americano de Patologia
Estudo foi feito em parceria com pesquisadores do Instituto Mário Penna e do A.C.Camargo Cancer Center Durante o XXXII Congresso Latino-americano de Patologia, o trabalho Perfil imuno-genético de pacientes com câncer de colo uterino respondedoras à quimiorradioterapia foi o vencedor do Prêmio da Fundação Latino-americana...
AACR 2019: confira as novidades sobre câncer pela visão dos especialistas do A.C.Camargo
Inovações em prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer foram destaques do congresso promovido pela American Association for Cancer Research, em Atlanta (EUA) Durante o AACR Pre-Annual Meeting (28/03 a 03/04), em Atlanta, nos Estados Unidos, o A.C.Camargo esteve presente acompanhando as novidades em prevenção, diagnóstico...
Fernando Gentil, um pioneiro em cirurgia oncológica
O cirurgião Fernando Campello Gentil (1921-1989), que hoje empresta seu nome a um de nossos ambulatórios, teve papel muito relevante na Cirurgia Oncológica no A.C.Camargo e no Brasil. Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), fez Residência Médica no Memorial Sloan Kettering Cancer...
Câncer em Pauta: Especialistas do A.C.Camargo participam de debate sobre o avanço do combate ao câncer
Nesta semana, dias 29 e 30/03, a Folha de S.Paulo promoverá o fórum "O Futuro do Combate ao Câncer", reunindo médicos, pesquisadores, especialistas e ex-pacientes para debater assuntos como a pesquisa de novas drogas e tratamentos, atendimento interdisciplinar, orçamentos hospitalares e a importância da comunicação...
A diferença entre um hospital e o Cancer Center
O tratamento oncológico não pode esperar. Postergar a ida ao médico, causando demora no diagnóstico ou mesmo fragmentar o tratamento, aumentando o tempo de desfecho, pode impactar severamente no resultado final. “O diagnóstico tardio e a fragmentação do sistema são, sem dúvida, as maiores dificuldades...