Arte gráfica em fundo verde escuro com uma foto cortada de duas mulheres conversando.

Endometriose pode virar câncer?

Publicado em: 11/03/2021 - 08:03:17
Linha Fina

Descubra mais sobre uma doença que afeta cerca de 10% das brasileiras

Endometriose, um mal que atinge cerca de 6 milhões de mulheres. 

A doença ocorre quando o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras partes do corpo.

Geralmente, órgãos como ovários, trompas e peritônio são os mais afetados, causando cólicas muito fortes, menorragia (fluxo menstrual muito intenso), dores durante as relações sexuais, além de outros desconfortos. 

Mulheres na faixa dos 25 a 35 anos correm mais risco de desenvolver endometriose, principalmente as nulíparas (aquelas que nunca engravidaram). 


Endometriose: diagnóstico e tratamento

A principal forma de diagnóstico é através de um ultrassom pélvico com preparo intestinal específico, que avalia com detalhes a situação da paciente.

O tratamento é realizado caso a caso, considerando sintomas, intensidade das dores e local da endometriose. São utilizados medicamentos hormonais ou até cirurgias para retirar os focos da doença.


Afinal, endometriose pode virar câncer?

“Existem alguns tipos mais raros de câncer de ovário que têm origem em foco de endometriose, porém a indicação da cirurgia independe desse risco”, explica o Dr. Glauco Baiocchi Neto, líder do Centro de Referência em Tumores Ginecológicos do A.C.Camargo Cancer Center.

Ele também ressalta que contraceptivos como o dispositivo intrauterino (DIU) com progesterona diminuem a chance do aparecimento ou aumento da endometriose. Outra forma de evitar a doença é a concepção. 

Uma cólica muito forte, que não permite as atividades normais do dia a dia, pode sinalizar a presença de coágulos na região pélvica feminina.

Por isso, é sempre importante visitar seu ginecologista periodicamente para fazer os exames de rotina. 


Sobre os tumores ginecológicos 

Em março, mês da mulher, publicamos diversos conteúdos informativos para prevenção e conscientização do câncer ginecológico.

Os tumores ginecológicos atingem, a cada ano, mais de 30 mil mulheres, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A alta incidência decorre da descoberta tardia, uma vez que os sintomas são ausentes ou inespecíficos na fase inicial do tumor. No entanto, baseado no histórico da paciente, nos exames clínicos e na análise anatomopatológica, é possível antecipar o diagnóstico e obter um tratamento mais efetivo.


 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Tumores ginecológicos: uma seleção de conteúdos para você saber tudo sobre a saúde da mulher
Tumores ginecológicos: mais de 30 mil mulheres são diagnosticadas anualmente, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Uma vez que os sintomas são ausentes ou inespecíficos na fase inicial do tumor, muitas vezes fica complicado perceber precocemente um câncer de colo de útero...
Tumores ginecológicos além do colo de útero: informe-se e cuide de você!
Os tumores ginecológicos envolvem muito mais do que o câncer de colo de útero, o terceiro mais frequente em mulheres. Estima-se que, em 2020, cerca de 16 mil novos casos de câncer de colo de útero foram diagnosticados no Brasil, assim como 6650 novos casos...
Sangramento atípico fora da menstruação: posso estar com câncer?
Sangramento atípico. Todo mês é a mesma coisa: menstruação acompanhada de cólicas e fluxo intenso, coletores ou absorventes sendo trocados a todo momento. Às vezes, esse episódio ocorre fora do período menstrual, causando ainda mais estresse e desconforto para a mulher. Afinal, isso é normal...
Podcast Rádio Cancer Center #39 - Sinais e sintomas de um câncer ginecológico: previna-se!
Câncer ginecológico, um problema que atinge mais de 30 mil mulheres a cada ano, segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer). São tumores no colo de útero, endométrio, ovário, vulva e vagina. A alta incidência decorre da descoberta tardia, uma vez que os sintomas são...
Mioma no útero poderia ser um sinal de câncer?
Algumas mulheres podem detectar um mioma (fibromioma) no útero ao fazer exames de rotina como o ultrassom pélvico. Apesar do nome assustador, não há motivo para tensão: esse tipo de tumor é benigno, originário da proliferação da camada muscular do órgão, chamada de miométrio. Geralmente...