Discussão dos benefícios da cirurgia para pacientes com câncer de mama metastático ao diagnóstico Pular para o conteúdo principal

Discussão dos benefícios da cirurgia para pacientes com câncer de mama metastático ao diagnóstico

 
Publicado em:

Discussão dos benefícios da cirurgia para pacientes com câncer de mama metastático ao diagnóstico

Publicado em:

Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama

Na literatura, não existe consenso se mulheres que fazem o diagnóstico com o câncer de mama já com metástase teria benefício ou não de operar a mama. Existem alguns estudos que não apresentam o mesmo resultado: alguns mostram que tirar o câncer da mama mesmo com doença à distância tem benefício na sobrevida; já outros mostram que não.

Um novo estudo incluiu 256 pacientes que faziam tratamento sistêmico com a quimioterapia mais moderna, baseada em antraciclinas e taxanos. Se a doença não progredia no intervalo de quatro a oito meses, elas eram randomizadas para continuar nesse tratamento sistêmico ou para fazer uma terapia local, que era a retirada do tumor com objetivo de ter margens livres junto com radioterapia da mama.

Esse estudo mostrou que não teve diferença em sobrevida global. Essas mulheres alcançaram 54 meses de sobrevida global, mas não tiveram benefício. Porém, fazer a retirada da doença da mama diminui o risco de recorrência local, ou seja, de voltar o tumor nessa mesma mama. E isso é 2,5 vezes versus quem só fez a terapia sistêmica.

Para os tumores triplo negativos (um subtipo mais agressivo), quem fez tratamento sistêmico evoluiu melhor do que quem fez tratamento local. Mas a gente tem que ter muito cuidado para avaliar esse resultado visto que o número de pacientes era muito pequeno (apenas 20 pacientes). Já para os tumores do tipo HER2 e receptor hormonal positivo foi igual em sobrevida fazer tratamento sistêmico ou tratamento local.

Em termos de qualidade de vida também não houve muita diferença. Numa primeira avaliação 18 meses após a randomização, quem fez a cirurgia teve melhores índices de qualidade de vida, mas ficou igual em todas as outras medidas.

Então, trazendo para a prática clínica, o resultado desse estudo mostra que operar todas as mulheres com câncer de mama metastático no diagnóstico não é adequado. Eventualmente, algumas mulheres, mesmo tendo o controle da doença fora da mama, progridem na mama ou aquele tumor traz resultado, essa sim poderia ser oferecida a cirurgia. Mas, para todas as outras, agora fica claro que não existe benefício desta cirurgia, considerando os avanços dos tratamentos sistêmicos que fizeram com que a sobrevida dessas mulheres aumentassem mesmo sem a retirada do tumor primário.

Ainda na discussão do estudo, restava dúvida sobre um subgrupo específico de pacientes que tem só uma metástase óssea: para essas, um estudo direcionado deveria ser realizado antes, a fim de saber se essas pacientes que já têm um prognóstico excelente, fazendo a cirurgia ou ablação dessa doença oligometastática que tivesse somente um local de metástase (além da mama), se poderia ser feito. Mas, a rigor, esse estudo afasta a necessidade de operar a mama de pacientes metastáticos.

 

Solange Moraes Sanches

 

Saiba mais:
- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

O que nos traz ao A.C.Camargo?
"Todos os caminhos levam a Roma", diz um antiquíssimo ditado hoje em desuso, mas ainda muito presente na infância de septuagenários como eu, idade de cuidados médicos. Ele se refere ao poderio do maior império da Antiguidade, que dominava territórios...
Cuidados paliativos, para todas as horas
"Fulano, coitado, ele já está nos cuidados paliativos". É pouco provável que você nunca tenha ouvido essa frase, ou outra parecida com ela, numa conversa sobre doença. O coitado seria uma pessoa muito enferma, já incurável, vivendo os seus últimos...
A quimérica célula Car-t
Você se lembra da notícia, certamente. Se já era oncológico à época, recorda especialmente a esperança que ela trouxe para todos os pacientes. Em 9 de setembro de 2019, no Hospital das Clínicas da de Ribeirão Preto, um aposentado de...
Os planos e o drama da cobertura
Imagine você estar na Emergência do A.C.Camargo, acomodado provisoriamente numa baia, esperando a transferência para um quarto do hospital. Você é um paciente em seguimento de câncer e deu entrada com um quadro de diarreia intensa. Como é o auge...