Diagnóstico tardio do câncer pode causar insuficiência cardíaca

Publicado em: 17/06/2019 - 15:06:44
Diagnóstico
Pesquisa
Sinais e Sintomas
Tumores do Sistema Nervoso Central

Publicado no Journal of Clinical Medicine, estudo avalia que cardiopatia carcinoide demonstra relação com tumores neuroendócrinos

Para a literatura médica em geral, não é comum colocar a cardiopatia carcinoide como consequência de tumores neuroendócrinos. Isso até a realização de um estudo desenvolvido pelo corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center. 

Veiculado no periódico Journal of Clinical Medicine, o trabalho Carcinoid Heart Disease and Decreased Overall Survival among Patients with Neuroendocrine Tumors: a Retrospective Multicenter Latin American Cohort Study (Cardiopatia Carcinoide e Diminuição da Sobrevida Global em Pacientes com Tumores Neuroendócrinos: um Estudo Retrospectivo Multicêntrico de Coorte Latino-Americano) surgiu de uma percepção clínica de que a cardiopatia é frequente em pacientes com tumores neuroendócrinos. 

“Apesar disso, não tínhamos dados sobre essa correlação na América Latina”, pondera Rachel Riechelmann, head da Oncologia Clínica e autora principal da pesquisa. “Mostramos que essa complicação não é algo tão raro, especialmente no caso de pacientes tratados no sistema público”, afirma a médica.

 

Entendendo os problemas

Antes de detalhar o estudo, é necessário compreender como funcionam os tumores neuroendócrinos e a cardiopatia carcinoide. 

Um tumor neuroendócrino começa nas células do sistema neuroendócrino. “Essas células têm características tanto de células endócrinas produtoras de hormônios quanto de células nervosas. São encontradas em praticamente todos os órgãos do corpo”, explica Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo. 

Já a cardiopatia carcinoide não é um câncer no coração, como a nomenclatura pode sugerir. É uma lesão das válvulas cardíacas, geralmente do lado direito, a parte que recebe o sangue venoso vindo do corpo. Essa lesão é causada pelo excesso de substâncias que alguns tumores neuroendócrinos produzem e liberam na corrente sanguínea. Um exemplo dessas substâncias é a serotonina.

A relação: esses tumores neuroendócrinos produzem as tais substâncias como a serotonina, que podem rumar para o coração e, consequentemente, provocar a lesão do mesmo. Portanto, neste caso, os tumores neuroendócrinos são a causa da cardiopatia. 

 

O estudo 

Foram analisados 139 pacientes tratados na Instituição durante 39 meses. Neste período, 48 deles desenvolveram a cardiopatia carcinoide.

Um fato a se considerar: 77,2% dos pacientes que desenvolveram o problema usavam a saúde pública – 22,9% foram tratados no sistema privado. A cardiopatia carcinoide ainda se mostrou significativamente associada às metástases hepáticas. “O atraso no diagnóstico e no início do tratamento impacta negativamente na vida deles”, diz Rachel Riechelmann. 

Assim, o benefício do estudo é que ele evidencia que a cardiopatia carcinoide é mais comum do que o esperado. “Dessa forma, serve como um alerta para que os médicos possam rastrear e identificar a cardiopatia com mais frequência e mais precocemente, possivelmente melhorando a saúde dos pacientes”, salienta Daniel Garcia.

“No A.C.Camargo, temos uma abordagem integrada: todo paciente com tumores neuroendócrinos é investigado sobre a possível presença de cardiopatia carcinoide em seu quadro”, finaliza a doutora Rachel.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Cientistas debatem o papel da análise dos genes no pré-natal para diagnóstico de doenças hereditárias
Hospital A.C.Camargo apresenta... Conferência de Genômica Médica – 13 de março de 2013 A Genômica voltada para a Medicina Fetal será abordada com grande enfoque na Conferência de Genômica Médica, evento que acontece em 13 de março, em São Paulo, reunindo palestrantes do A.C.Camargo –...
Câncer de pulmão: oncologista do A.C.Camargo comenta sobre diagnóstico de Rita Lee
O câncer de pulmão é um dos mais comuns. De acordo com o INCA, ele é o quarto mais comuns entre os homens, com 17.760 novos casos em 2020. Entre as mulheres, ele é o quinto mais recorrente, com 12.440 novos casos no ano passado...
Câncer de canal anal: o que há de novo?
Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato...
Seguimento de longo prazo de Lifileucel – terapia com TILs para pacientes com melanoma avançado que falharam em múltiplos tratamentos
Por Milton José de Barros e Silva, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O tratamento do melanoma metastático avançou muito na última década com a imunoterapia, através dos inibidores de pontos de verificação e da terapia-alvo para os pacientes com a mutação do gene BRAF...
GAP, congresso anual do MD Anderson Cancer Center, ocorre no Brasil e tem o A.C.Camargo Cancer Center como uma das Instituições parceiras
Com o tema "Diversidade, Inovação, Humanização e Integração", foi realizado, nas cidades de São Paulo e Barretos, o Global Academic Programs 2016 (GAP), congresso anual do MD Anderson Cancer Center. Foi a primeira vez que o evento da instituição norte-americana aconteceu na América Latina. Em...