Dia Nacional de Atenção à Disfagia (20/3): problemas na deglutição devem ser tratados

 
Publicado em: 19/03/2019 - 17:03:24

Além de comprometer o bem-estar do paciente, alteração pode levar à pneumonia 

A disfagia é caracterizada por qualquer alteração no ato de engolir e pode trazer uma série de riscos à saúde, como aspirações de alimentos ou saliva que, se atingirem os pulmões, levam à pneumonia. Esta alteração é mais frequente no dia a dia do paciente oncológico e pode ser grave, comprometendo não só o bem-estar como a resposta ao tratamento.  Para destacar a importância do cuidado quanto do diagnóstico precoce, é comemorado em 20 de março o Dia Nacional de Atenção à Disfagia. 

Além dos sintomas clássicos como a dificuldade de mastigar e engolir, Dra. Luciana Dall'Agnol, fonoaudióloga do A.C.Camargo, destaca que é importante ficar atento a outros comportamentos. “Tempo elevado para se alimentar, necessidade de engolir diversas vezes a mesma colherada, escape de alimento pelo nariz, tosses ou engasgos durante ou imediatamente após as refeições, sensação de alimento parado na garganta, aumento na secreção pulmonar e até mesmo febre sem causa aparente podem ser sinais da disfagia”, conta. 

Um dos principais motivos que levam a este quadro estão relacionados ao próprio tratamento oncológico. Como há perda de peso e com isso a perda de massa muscular também, há um enfraquecimento da musculatura responsável pelas funções de fala, voz e deglutição. Outras causas como cirurgias na boca e garganta também podem modificar a forma de engolir. 

Exercícios e mudanças na alimentação ajudam no tratamento
A boa notícia é que esta alteração tem solução. O tratamento é realizado pelo profissional da fonoaudiologia e consiste em exercícios que fortaleçam ou melhorem a mobilidade da língua e demais estruturas da boca e laringe. Com isso, há uma melhora da disfagia. É importante frisar que cada caso é um caso e os exercícios devem ser orientados conforme a necessidade de cada paciente. 

A alimentação é outro ponto de atenção. A fonoaudióloga explica que mudanças alimentares simples podem melhorar o quadro. “Se o paciente não tiver condições de manipular e engolir as consistências dos alimentos que vem ingerindo, isso pode favorecer os sintomas de disfagia. Por exemplo, às vezes, o paciente não consegue ingerir um bife, mas ao substituí-lo pela carne moída o desempenho melhora e o risco é eliminado, sem privá-lo do alimento”, explica Dra. Luciana. 

Diante de qualquer sintoma, é importante que o paciente ou o cuidador notifique ao médico que o acompanha. O tratamento é multidisciplinar e é realizado em parceria com as equipes de fonoaudiologia e nutrição. No A.C.Camargo, a equipe de fonoaudiologia realiza atendimentos dos pacientes com disfagia nas enfermarias, UTIs e ambulatórios. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...