Dia Mundial da Saúde Mental – 10/10: cuidar da mente faz parte do tratamento oncológico

Publicado em: 10/10/2019 - 15:10:35
Foco do paciente
Prevenção
Efemérides

O corpo é importante, mas a saúde mental não pode ficar de lado

Mente sã, corpo são, já dizia a sabedoria popular. Por outro lado, quando pensamos em cuidar da saúde, a primeira ideia que pode vir à mente é ir ao médico, fazer exames, checar a pressão arterial etc., ou qualquer outra medida que tenha a ver com a saúde física.

Raramente lembramos de avaliar a nossa saúde mental, que é tão importante para o bem-estar como um todo de um indivíduo. No caso do paciente com câncer, olhar para o lado emocional é necessário e deve fazer parte do tratamento desde o início. 

“É um momento muito especial: enfrentar o diagnóstico de câncer leva a gente pensar em finitude, em ter medo de sofrer... É um momento de estresse, que traz um mundo novo, uma rotina nova, que a princípio é assustadora e preocupante”, comenta Maria Teresa Cruz Lourenço, head da Psico-Oncologia do A.C.Camargo Cancer Center. 

De olho nisso, cuidar da saúde mental deve ser prioridade para que o paciente possa atravessar o período de tratamento de forma tranquila e confortável. “Precisamos falar cada vez mais sobre isso para não termos medo e sim, tratarmos e cuidarmos para que tudo fique bem e a pessoa possa viver da melhor forma possível”, complementa. 

Atenção aos sintomas de que algo não vai bem com a saúde mental 

Por estar mais fragilizado, o paciente com câncer está mais predisposto a desenvolver quadros de depressão e de ansiedade, além de um risco duas vezes maior para suicídio.  É importante ficar atento aos primeiros sintomas que do ponto de vista psíquico algo não vai bem: quanto mais cedo o diagnóstico for feito e o tratamento iniciado, melhor será para o paciente e seus familiares. 

“Os principais sintomas incluem desânimo, tristeza, sensação de vazio, pensamentos negativos, angústia, agonia, sensação de falta de ar, medo de passar mal, entre outros. Esses são os sinais de um quadro depressão ou ansiedade. Ao notar isso, é importante que o paciente ou seus familiares procurem ajuda”, destaca Maria Teresa. 
Aqueles pacientes que possuem algum transtorno mental prévio ao diagnóstico de câncer também precisam de cuidados desde o começo.

“Pacientes com transtorno bipolar, esquizofrenia ou outra doença mental precisam ser acompanhados para que se mantenham estáveis para que o transtorno psiquiátrico não comprometa o tratamento do câncer e vice-versa”, finaliza doutora Maria Teresa. 

Como é feito o tratamento

Após o diagnóstico, a equipe irá definir o tratamento que poderá incluir acompanhamento com o psiquiatra, com a psicóloga ou ambos. Além disso, há a possibilidade de participar de grupos de apoio com outros pacientes. 

“No A.C.Camargo temos alguns grupos de apoio para pacientes, como o Grupo da Mama, o grupo Espaço da Mulher, e o grupo Espaço do Homem e o Grupo de Apoio ao Tabagista.  É muito importante e encorajador que os pacientes possam compartilhar e expor seus sentimentos, experiências, dúvidas, discutir seus medos e trocar ideias de como enfrentar esse momento difícil”, explica a especialista. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Podcast Rádio Cancer Center #35 - Câncer: um manual de prevenção
Para prevenir o câncer, várias atitudes podem ser adotadas. Temos de lidar com estresse, obesidade, sedentarismo, cigarro, álcool, alimentação desregrada, com o perigo de pegar sol sem proteção e com os riscos de não se vacinar, por exemplo, contra HPV e hepatite. Esta conversa, que...
Conheça os tipos de câncer que podem acometer o útero
O útero é um dos órgãos do sistema reprodutor feminino. Ele tem o formato de uma pera invertida e é dividido em duas partes: o corpo e o colo do útero. O corpo do útero tem duas camadas, a interna, ou endométrio; e a externa...
Será que isso causa câncer?
Há muitas informações sobre o câncer disponíveis na internet, mas algumas delas são enganosas ou erradas. Assim, alguns mitos e verdades são tema de conversas no dia a dia de um oncologista clínico no consultório. A seguir, veja seis dos mitos mais comuns sobre o...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Outubro Rosa: por que a prática de atividade física é benéfica durante e após o tratamento oncológico
Correr, malhar, fazer caminhada ou até mesmo dançar pela casa. Quando alguém se exercita, o organismo libera um neurotransmissor chamado serotonina. Esse hormônio é responsável por auxiliar e regular o humor e ajuda a diminuir os sintomas de tristeza e depressão. Estudos recentes mostram que...