Custo-efetividade: indicadores médicos na construção de protocolos mais eficientes

Publicado em: 11/06/2021 - 15:06:16
Institucional
Pesquisa
Inovação e tecnologia
Linha Fina

A construção e o monitoramento de indicadores médicos reforçam nosso compromisso com o propósito de tratar o câncer, paciente a paciente. Isso inclui o melhor desfecho clínico para o bem-estar dos pacientes

Custo-efetividade: desde 2004, o departamento de Anestesiologia do A.C.Camargo Cancer Center possui uma equipe de Qualidade e Segurança do Paciente que coleta dados de todas as anestesias realizadas. Com essas informações, o grupo constrói e monitora indicadores que vão desde a avaliação pré-anestésica, intraoperatório e sala de recuperação anestésica até o pós-operatório.


Custo-efetividade: eficiência na prática

Na avaliação pré-anestésica, por exemplo, o indicador de taxa de ocupação do ambulatório permite alocar o número adequado de profissionais de saúde, reduzindo a ociosidade e aglomerações desnecessárias.

“Através da análise de dados de mais de 24 mil avaliações pré-anestésicas, identificamos que 8,7% dos pacientes não foram liberados para a cirurgia, sendo as causas mais frequentes a ausência de exames no momento da consulta e a necessidade de avaliação de um cardiologista por doenças pré-existentes”, explica a médica anestesista e assessora da gestão da prática médica Dra. Aline Chibana, que lidera os grupos de estudo.

Os dados, segundo a especialista, proporcionam um redesenho do atendimento na primeira consulta nos Centros de Referência (CRs), com encaminhamento ao cardiologista antes da anestesiologia em casos específicos.

No período perioperatório – que vai desde que o cirurgião decide indicar a cirurgia até que o paciente retorne, após a alta hospitalar, às atividades normais –, o destaque é a mudança do protocolo de monitorização intraoperatória, feito em 2014.

A partir da análise de dados, o grupo identificou que os eventos intraoperatórios mais frequentes estavam relacionados aos aparelhos cardiovascular e respiratório.

“Apesar de realizarmos anestesias para cirurgias de grande porte, monitorizávamos muito pouco esses eventos com monitores mais avançados. Dessa forma, desenhamos um protocolo baseado no porte cirúrgico e na classificação de gravidade do paciente (ASA), no qual estabelecemos parâmetros-alvo e o tipo de monitorização a ser realizada”, explica Aline.

Os resultados foram bastante expressivos: redução da taxa de infecção urinária de 6 para 2%, redução do tempo de permanência hospitalar em 0,8 dia e redução da taxa de delirium (síndrome que pode ocorrer no pós-operatório com mais frequência em idosos, com sintomas de confusão mental e consciência reduzida) em 50%.

“De maneira geral, os custos para cada dia internado de um paciente em delirium são duas vezes e meia maior do que os de um paciente que não desenvolveu a síndrome. Dessa forma, podemos afirmar que todos os pacientes oncológicos acima de 55 anos e que são submetidos a cirurgias abdominais abertas, com duração maior que duas horas, podem ser beneficiados pelo protocolo A.C.Camargo no período perioperatório”, diz Aline.

Os resultados do grupo foram divulgados em um artigo científico no Journal of Clinical Monitoring and Computing. Você pode conferir o material aqui (em inglês).

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Next Frontiers to Cure Cancer 2019
Convergência – o Futuro da Saúde será o grande tema da 4ª edição do Next Frontiers to Cure Cancer, de 16 a 18 de maio de 2019 no WTC Events Center, em São Paulo. É a intersecção da engenharia, física, química, computação e ciências da...
Paulinho Vilhena e Thaila Ayala visitam pacientes da Pediatria do A.C.Camargo
A manhã desta sexta, 22, teve um sabor especial para crianças e adolescentes em tratamento de câncer e também para o casal Paulinho Vilhena e Thaila Ayala. Em visita ao setor de Oncologia Pediátrica do A.C.Camargo, centro de referência em pesquisa, ensino e tratamento de...
Chegou o #Desafio21 do A.C.Camargo Cancer Center
21 dias Este é o tempo necessário para transformar uma atitude em um hábito. Pensando nisso, desafiamos você a adotar um novo hábito que ajude na prevenção ao câncer. Pode ser um exercício físico, uma dieta mais saudável ou mesmo a redução do consumo de...
Estudo com brasileiros confirma benefícios no consumo de vegetais e frutas na diminuição do risco de tumores de cabeça e pescoço
Publicada na revista científica Plos One, pesquisa com 1740 indivíduos relacionou a ingestão de alimentos minimamente processados e a prevenção desse tipo de câncer em três capitais brasileiras Os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de...
A diferença entre um hospital e o Cancer Center
O tratamento oncológico não pode esperar. Postergar a ida ao médico, causando demora no diagnóstico ou mesmo fragmentar o tratamento, aumentando o tempo de desfecho, pode impactar severamente no resultado final. “O diagnóstico tardio e a fragmentação do sistema são, sem dúvida, as maiores dificuldades...