Cuidados na recuperação após tratamento cirúrgico de câncer colorretal | A.C.Camargo Cancer Center Pular para o conteúdo principal

Cuidados na recuperação após tratamento cirúrgico de câncer colorretal

 
Publicado em:

Cuidados na recuperação após tratamento cirúrgico de câncer colorretal

Publicado em:

A cirurgia é o principal método de tratamento para casos de câncer colorretal (sem metástases). No A.C.Camargo Cancer Center, mais de 70% dessas cirurgias são minimamente invasivas, isto é, realizadas por videolaparoscopia ou por meio de equipamentos robóticos, como o robô Da Vinci. Os benefícios para os pacientes são, principalmente, maior segurança, menor agressividade e recuperação mais rápida.

Em alguns casos, após a remoção cirúrgica do tumor, é necessário exteriorizar o cólon (região do intestino grosso) ou o íleo (parte final do intestino delgado). Esses procedimentos são denominados, respectivamente, colostomia e ileostomia. O paciente, dependendo do estadiamento da doença e do tratamento realizado, pode utilizar provisória ou permanentemente uma bolsa especial que auxilia no processo de evacuação das fezes.

Para maior segurança e visando proporcionar melhor qualidade de vida para o paciente, alguns cuidados com a bolsa de colostomia/ileostomia são essenciais:

  • A bolsa deve ser higienizada todos os dias. Sua troca pode ser feita uma ou duas vezes por semana, conforme a necessidade. Sua utilização é em tempo integral, pois não haverá meios de segurar a vontade de evacuar e/ou urinar.
  • Esvazie sempre que estiver acima de um terço da capacidade. Isso evita o peso excessivo e reduz o risco de deslocamento da bolsa.
  • Após a completa recuperação pós-cirúrgica, o paciente, mesmo com a bolsa, pode voltar a praticar algumas atividades físicas leves, sempre mediante orientação médica.
  • Quando o paciente está vestido, as bolsas de colostomia/ileostomia não ficam visíveis para o público. Voltar à rotina pode ser de importante ajuda psicológica. Converse com pessoas próximas para combinar um retorno gradual ao trabalho e, assim, ganhar maior confiança com o passar dos dias.
  • Fique atento a alterações como irritação da pele ao redor ou febre. Em caso de complicações, procure um especialista para avaliação.
  • Ao tomar banho, o paciente pode permanecer com a bolsa coletora, pois é impermeável.
  • Evite ambientes com altas temperaturas, como praias.
  • Sempre que sair de casa, leve um kit com lenços, roupas e material para trocar a bolsa, para se prevenir de eventuais emergências.

Durante essa fase de recuperação, atenção também à alimentação. A retirada parcial ou total do intestino grosso, cuja função é absorver os líquidos do bolo fecal, pode diluir as fezes. A correta ingestão de alimentos pode ajudar na reabilitação de tecidos prejudicados durante a remoção cirúrgica. Confira as dicas:

  • Consulte um nutricionista. Cada paciente tem uma dieta alimentar mais apropriada.
  • Beba bastante água e suco. É importante se manter sempre hidratado.
  • Evite alimentos industrializados, frituras e alimentos com sal.
  • Faça refeições pequenas de três em três horas. Mastigue devagar e evite grandes quantidades de líquidos durante as refeições.
  • Atenção ao consumo de frutos do mar, que podem contribuir para um odor mais desagradável da bolsa. Evite também ovos, cebola, e vegetais da família Brassicaceae, como brócolis e couve-flor.


Dr. Samuel Aguiar Jr. - CRM 84495
Diretor do Núcleo de Tumores Colorretais
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 43422

Renata Ferrari - COREN-SP 247395
Titular da Enfermagem do Ambulatório Fernando Gentil

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Adolescentes e adultos jovens em tratamento de câncer podem ter fertilidade preservada
A expertise acumulada em oncopediatria ao longo das últimas décadas trouxe avanços no atendimento de pacientes com diagnóstico de câncer na faixa etária de 12 a 30 anos. É uma nova área chamada câncer em Adolescente e Adulto Jovem, conhecida...
A.C.Camargo mostra que avaliação genética poderá prever perda auditiva em crianças tratadas por câncer
Um grupo de pesquisadores do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo, trouxe uma descoberta que pode refletir na mudança da atual conduta terapêutica prescrita para crianças diagnosticadas com câncer. Ao analisar o DNA de 61 pacientes tratados com cisplatina e...
Fisioterapia contribui para a qualidade de vida de mulheres com câncer de mama e tumores ginecológicos
Uma das grandes preocupações da mulher em tratamento de câncer de mama ou tumores ginecológicos é o linfedema – acúmulo de líquido nos braços ou nas pernas, que causa inchaço e pode dificultar o movimento. A fisioterapia tem o papel...
Medo de recidiva: nova forma de terapia melhora vida de pacientes após o tratamento
Estudo australiano mostra eficiência de abordagem para controlar o medo da volta da doença, que impacta a qualidade de vida emocional e profissional de mais da metade dos pacientes que sobrevivem ao câncer. Cerca de 50% dos pacientes que passaram...
Guia da Mulher: dicas e alertas para mulheres durante o tratamento oncológico
Os cuidados com a saúde devem ser intensificados durante o tratamento de câncer. Algumas condutas terapêuticas, como a quimioterapia, podem aumentar o nível de sensibilidade da pele, tornando-a mais propensa a irritações ou lesões. Entre as dúvidas mais comuns dos...