Covid-19: como a quarentena influencia nosso sono

 
Publicado em: 22/05/2020 - 11:05:21

Ter sonhos vívidos ou dormir de forma intermitente durante a noite costumam ser características que ocorrem em momentos de estresse, como a pandemia do novo Coronavírus 

Covid-19 e nossa relação com o sono. Durante o isolamento social, muitas pessoas dizem enfrentar uma noite de sono leve ou com sonhos vívidos – aqueles que parecem que ocorreram de verdade.

Elas relatam acordar diversas vezes durante a noite e outras lembram perfeitamente do sonho, com emoções e sensações à flor da pele. Mas por que esses sintomas estão mais frequentes em tempos de quarentena?

Conversamos com a Dra. Maria Teresa da Cruz Lourenço, head do Núcleo de Psico-oncologia, para entender sobre como nosso cérebro se comporta durante novas situações, mudanças da rotina e sonhos.


Hora de dormir

Para entender os sonhos, é necessário compreender o que eles são. "É um assunto fascinante e complexo. Os sonhos são uma expressão da maturidade cerebral e desenvolvimento cognitivo que nosso organismo utiliza para organizar ideias, sensações e pensamentos", explica a doutora.

Quando vamos dormir, nosso corpo descansa de um longo dia e processa lembranças e emoções. “Existem duas fases importantes para uma boa noite de sono, que se intercalam durante a noite: o sono sem movimento rápido dos olhos e o sono com movimento rápido dos olhos, o que chamamos de sono REM", explica a especialista. 

Sono REM é uma abreviação para rapid eye movement, ou “movimento rápido dos olhos”, em tradução literal.

É nesse estado de relaxamento físico e alta atividade cerebral (sono REM) que podem ocorrer a maioria dos sonhos e pesadelos. "Os pesadelos podem ser uma tentativa do organismo em lidar com eventos adversos que ocorrem durante o dia. São sonhos vívidos, mas que causam muita ansiedade, o que faz despertar as pessoas", diz.


Sonho x Covid-19

Durante o isolamento social, nosso cérebro passa a se adaptar a essa nova rotina. Isso pode fazer com que nossos pensamentos sejam “organizados” de forma a criar elementos para que possamos enfrentar tudo isso. "Em resumo, em nossos sonhos, o cérebro se exercita para lidar com novas situações baseadas naquelas em que estamos vivendo", explica a especialista.

A razão pela qual muitas pessoas relatam ter sonhos vívidos se dá por alguns fatores. "Estresse, que desencadeia ansiedade, faz com que a gente tenha sonhos mais vívidos e se lembre deles com mais facilidade", conta Maria Teresa.

Além disso, estar restrito a um mesmo ambiente durante o isolamento social, com pouca atividade física e interação com outras pessoas, também pode contribuir para que o cérebro fique mais alerta com pensamentos que causam ansiedade.

"Quando a pessoa se deita para dormir, ela começa a pensar nas notícias que leu, tem preocupação com quem ela ama... isso é um gatilho para a ansiedade".


Tchau, pesadelos

Para diminuir a frequência de sonhos vívidos durante a noite, a Dra. Maria Teresa dá algumas dicas. "Tenha uma rotina. Horário para acordar, dormir, almoçar, ligar para quem você ama, relaxar. Estamos vivendo um momento de incertezas e não vamos encontrar todas as respostas agora. Mas precisamos estar bem. Diminuir o consumo de álcool e outras drogas e se exercitar também ajuda a ter uma boa noite de sono", conta.

Também é importante ter o apoio de um profissional de saúde mental, que pode ajudar, por exemplo, empregando técnicas cognitivo-comportamentais para ajudar a dormir melhor. "Peça ajuda. Vamos passar por isso da forma mais saudável possível", encerra a Dra. Maria Teresa.

Mais sobre o novo Coronavírus:
- O Fluxo Oncológico Protegido do A.C.Camargo Cancer Center

- Confira tudo o que você precisa saber sobre a pandemia

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...