Conheça o primeiro catálogo mundial do ecossistema microbiano urbano do mundo

Publicado em: 21/06/2021 - 06:06:59
Pesquisa
Institucional
Epidemiologia
Linha Fina

Estudo realizado com apoio do A.C.Camargo Cancer Center apresenta o primeiro catálogo da distribuição de micro-organismos nas cidades do planeta

Imagine andar pela cidade em busca de cada micro-organismo existente por aí. Parece uma missão impossível, certo? Para os cientistas, nem tanto.

Um estudo realizado pelo consórcio internacional MetaSub reuniu pesquisadores especializados em genômica, análise de dados, engenharia, epidemiologia e saúde pública para mapear a variedade e quantidade de bactérias, fungos, vírus e outros micro-organismos do ambiente urbano.


Como foi feita a pesquisa

A equipe sequenciou e analisou amostras coletadas de sistema de transporte público, ambientes urbanos e hospitais em 60 cidades ao redor do mundo. Os resultados foram impressionantes: mais de 10 mil novos tipos de vírus, além de bactérias e arqueias (tipo de bactéria) até antes desconhecidas pela ciência.

O estudo foi publicado pela revista Cell, com um artigo complementar publicado na revista Microbiome (links em inglês).

Os resultados, baseados em 4.728 amostras de cidades em seis continentes coletadas ao longo de três anos (2015 a 2017), caracterizam marcadores regionais de resistência antimicrobiana e representam o primeiro catálogo mundial do ecossistema microbiano urbano.

Por aqui, na América do Sul, foram recolhidas 331 amostras, sendo 199 oriundas das cidades brasileiras de Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).


Novas descobertas

Os pesquisadores identificaram mais de quatro mil espécies conhecidas de micro-organismos urbanos, mas também descobriram que qualquer amostragem subsequente provavelmente continuará a encontrar espécies que nunca foram vistas antes, o que destaca o potencial para novas descobertas relacionadas à diversidade microbiana e funções biológicas em ambientes urbanos.

“Este monitoramento é muito valioso, não apenas para estudos relacionados às doenças humanas, mas também para a detecção de genes de resistência a antibióticos, descoberta de novas espécies e monitoramento ambiental da dispersão de micro-organismos, incluindo vírus, bactérias e fungos”, explica o Dr. Emmanuel Dias-Neto, cientista chefe do Laboratório de Genômica Médica do Centro Internacional de Pesquisas (CIPE) do A.C.Camargo Cancer Center e diretor do consórcio MetaSub para a América do Sul.

No Brasil, o Laboratório de Genômica Médica do A.C.Camargo Cancer Center participa do consórcio internacional MetaSub desde 2016.


Novos tipos de vírus

Os achados também incluem a distribuição de 11.614 tipos de vírus, dos quais 10.928 (94,1%) são classificados como novos, além de 1.302 novas espécies de bactérias.

No continente sul americano, a maior parte dos novos micro-organismos descobertos foram encontrados em regiões mais próximas à linha do Equador, algo já esperado por ser uma região menos estudada e com maior temperatura média, o que favorece o desenvolvimento de muitas espécies.

“Além do mapeamento inicial da microbiota urbana mundial, criamos um estabelecimento de uma rede mundial e protocolos eficientes para monitorar o surgimento de endemias e pandemias, permitindo avaliar rotas de transmissão e o surgimento de variantes virais de grande interesse, como no caso da pandemia de covid-19”, explica o pesquisador.


CIPE e inovação

O A.C.Camargo foi o único centro no Brasil envolvido no estudo de covid-19 e mapeamento do SARS-CoV-2 em ambiente hospitalar. Isso permite identificar as variantes virais dispersas no ambiente e mapear regiões de atenção, o que deve propiciar ações mais efetivas de controle da pandemia e oferecer um ambiente hospitalar ainda mais seguro para os pacientes oncológicos.

O consórcio ainda publicará estudos importantes nos próximos meses sobre a dispersão mundial de SARS-CoV-2 em ambientes urbanos no mundo, com coletas em ambiente hospitalar brasileiro, além de sua distribuição em sistemas de transporte; e ainda investigando o efeito de eventos de grandes proporções, como os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, na microbiota de uma cidade, com a chegada de milhares de pessoas vindas de países do mundo todo, estudo que deverá se repetir nos jogos Olímpicos de Tóquio.

A pesquisa foi divulgada em diversos veículos de comunicação, como The New York Times, Revista Nature e Revista Science (links em inglês).

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

31 de maio: Dia Mundial sem Tabaco alerta para os riscos do fumo à saúde pulmonar
A data, criada para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo, é uma inciativa global da Organização Mundial de Saúde Sob o tema “Tabaco e saúde pulmonar”, a campanha alerta sobre os prejuízos que o uso do tabaco e a exposição ao...
Participamos de um estudo de tumores de timo (timoma) que envolveu 14 instituições de 11 países
O propósito do estudo foi demonstrar que uma classificação simplificada, aplicada a 1.470 casos cirúrgicos, se correlaciona com o prognóstico dos pacientes. Simplificar é a palavra-chave desse estudo. Entretanto, para simplificar, era preciso começar grande: foram revistos 1.470 casos cirúrgicos de timoma, de 14 respeitadas...
Atuação do enfermeiro em tecnologia e práticas inovadoras no tratamento oncológico é destaque no Next Frontiers to Cure Cancer 2021
Enfermagem e tecnologia: no primeiro dia de evento do Next Frontiers to Cure Cancer 2021, realizado pelo A.C.Camargo Cancer Center, a sessão "Atuação do Enfermeiro em Oncologia" abordou experiências de sucesso no trabalho da enfermagem em tecnologia e práticas inovadoras. A mesa foi composta por...
Câncer infantil: A.C.Camargo avalia efeitos tardios em quem tratou um tumor e se curou na infância e na adolescência
A cura de um câncer infantil, além de clínica, tem de ser psicológica e social. Com o objetivo de avaliar eventuais consequências tardias do câncer em indivíduos que se trataram e se curaram na infância e na adolescência, o A.C.Camargo conta com o Grupo de...
Estudos retrospectivos em parceria elevam qualidade dos resultados
Com maior número de casos, colaborações entre instituições fazem com que os achados se tornem muito mais precisos Estudos retrospectivos: são várias as colaborações científicas entre médicos do A.C.Camargo e especialistas de outras entidades do exterior e do Brasil. Oncologista clínico do A.C.Camargo, o Dr...