Câncer infantil: diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de cura

Publicado em: 11/02/2019 - 15:02:24
Notícias

No dia 15 de fevereiro, é comemorado o Dia Internacional de Luta contra o Câncer Infantil. No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA) são registrados 12 mil novos casos de câncer infantil ao ano. Os tipos mais comuns são as leucemias, tumores do sistema nervoso central, linfomas e tumores sólidos como o neuroblastoma, sarcomas e o tumor de Wilms. 

O câncer infantil possui características próprias e bem diferentes em relação ao câncer em adultos. As células que sofrem a mutação no material genético não conseguem amadurecer como deveriam e permanecem com as características semelhantes da célula embrionária, multiplicando-se de forma rápida e desordenada. Por isso, a proliferação do tumor é mais rápida em crianças. Por outro lado, responde melhor à quimioterapia, com chances de cura de 80%, de acordo com o INCA. 

Infográfico sobre mutação celular

Na luta contra a doença, o A.C.Camargo Cancer Center criou, em 1964, o primeiro serviço de Oncologia Pediátrica do País, além de ser a única instituição do país a operar jovens pacientes com a cirurgia robótica - um procedimento menos invasivo, com melhor recuperação às crianças. Os primeiros casos envolveram remoção de tumores nos rins, com o mesmo sucesso que se consegue em adultos, com destaque para menor tempo de internação e menos efeitos colaterais para os pequenos pacientes.

Se por um lado o câncer em adultos está ligado ao envelhecimento, tabagismo, álcool, entre outros riscos de exposição, o câncer na infância não tem relação com fatores ambientais e de estilo de vida. Por esse motivo, é muito importante o diagnóstico precoce para o sucesso do tratamento. Fique atento a alguns sinais e sintomas, como:

  • Perda de peso contínua e inexplicável
  • Dores de cabeça com vômito de manhã
  • Aumento do inchaço ou dor persistente nos ossos ou articulações
  • Protuberância ou massa no abdômen, pescoço ou qualquer outro local
  • Desenvolvimento de uma aparência esbranquiçada na pupila do olho ou mudanças repentinas na visão
  • Febres recorrentes não causadas por infecções
  • Hematomas excessivos ou sangramento, geralmente repentinos
  • Palidez perceptível ou cansaço prolongado

Infográfico de sintomas

Conheça os tipos mais comuns de câncer pediátrico:
 

Veja também

Confira os destaques da pesquisa científica sobre câncer ginecológico
Transposição uterina e novos marcadores para câncer de ovário são alguns dos trabalhos produzidos pelos nossos especialistas A pesquisa torna possível ampliar o acesso a novas terapias, melhorar a qualidade de vida e aumentar a sobrevida dos pacientes. Além disso, permite o fomento e a...
Mulheres devem ficar atentas a endometriose, miomas e cistos
Se você é mulher e sofre com dores frequentes na região pélvica ou sangramentos irregulares, pode fazer parte do grupo acometido por doenças ginecológicas, como endometriose, miomas ou cistos ovarianos. Todas são doenças benignas, mas devem ser investigadas para confirmar o diagnóstico – excluindo a...
O desafio do diagnóstico precoce do câncer de pele em homens
Diagnosticar precocemente o câncer de pele pode parecer difícil para muitas pessoas, seja pela quantidade de pintas espalhadas pelo corpo, seja pelas diversas características que elas podem apresentar (aparência, tamanho, cor, espessura, entre outras). Para os homens, o desafio é ainda maior. Isso porque o...
Projetos de Incentivo - Informe Ministério da Saúde
Informamos às instituições credenciadas no âmbito do PRONON e PRONAS/PCD que, em cumprimento ao § 2º do art. 25 da Portaria GM/MS nº 1.550/2014, os valores do teto a serem considerados para a elaboração dos projetos serão os constantes no anexo IV.10 - "Renúncia de...
Nosso aluno de pós-graduação propõe uma combinação inovadora de técnicas para quimioterapia em câncer de ovário avançado
O estudo mostrou que a nova abordagem é segura e pode agilizar o tratamento. O método convencional de tratamento para câncer de ovário avançado indica cirurgia para a retirada completa do tumor e, depois, seis ciclos de quimioterapia. Há alguns anos surgiu a quimioterapia intraperitonial...