Câncer de cabeça e pescoço: profissões e fatores de risco

Publicado em: 11/12/2019 - 09:12:42
Pesquisa
Diagnóstico
Hábitos saudáveis
Tumores de Cabeça e Pescoço

Com participação do corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, grupo internacional de pesquisa INHANCE analisou 8839 casos; laringe apresentou a maior incidência de tumores

Câncer de cabeça e pescoço: investigar as relações entre ele e os fatores de risco inerentes às ocupações foi o norte do estudo Occupations and the Risk of Head and Neck Cancer: a Pooled Analysis of the International Head and Neck Cancer Epidemiology Consortium [INHANCE] (Ocupações e o Risco de Câncer de Cabeça e Pescoço: uma Análise do Consórcio Internacional de Epidemiologia do Câncer de Cabeça e Pescoço [INHANCE]).

Publicada no Journal of Occupational and Environmental Medicine, essa pesquisa reuniu 8839 casos e 13730 controles com participantes de 27 países. 

“Temos esse grupo de pesquisa há mais de 20 anos. Identificamos a necessidade de avaliar as possíveis associações entre as ocupações e os cânceres de cabeça e pescoço”, conta Maria Paula Curado, head do Núcleo de Epidemiologia e Estatística em Câncer do A.C.Camargo.


Câncer de cabeça e pescoço: risco menor para encanadores

Foram identificados riscos associados a várias categorias, de acordo com as características da ocupação e o tempo em que a pessoa esteve na atividade, sobretudo os que passaram mais de 10 anos nesse trabalho. 

O câncer de laringe apresentou a maior incidência em todas as profissões investigadas. Exemplos de categorias afetadas foram os mecânicos de veículos e os motoristas, algo que sugere que a inalação a certas substâncias – como a fumaça dos escapamentos – tenha impacto no surgimento dessas neoplasias. 

Faxineiros e trabalhadores da indústria têxtil também foram alguns dos mais afetados pelo câncer de laringe. Na cavidade oral, a associação foi maior em garçons e bartenders. 

Curiosamente, encanadores, instaladores de tubulações e de estruturas metálicas não foram acometidos significativamente na laringe.

Já os profissionais que trabalham com carne, como açougueiros, se mostraram mais afetados na faringe, na orofaringe e na cavidade oral. 

Vale ressaltar que 87,5% dos casos de tumores de cabeça e pescoço envolviam fumantes e 87,3% consumiam álcool com frequência.


Conclusões 

Embora o mecanismo preciso de ação de carcinógenos ocupacionais ainda não seja estabelecido, muitos estudos ainda serão necessários para elucidar a carcinogênese. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Tumor de tireoide pode ter origem na metástase de outros órgãos
Análise evidencia a importância do conhecimento dos aspectos morfológicos dos pacientes para identificar a origem da doença, cujo dia é lembrado em 25 de maio O Dia Internacional da Tireoide, em 25 de maio, é mais uma ocasião para lembrar que o câncer nessa glândula...
Reabilitação em câncer de mama no Brasil: onde estamos e futuros desafios
O cuidado precoce, multidisciplinar e global é necessário para a qualidade de vida das pacientes A reabilitação é um tema de suma importância e ao mesmo tempo um desafio no cenário do câncer de mama. Além da prevalência e frequência, existem as dificuldades de acesso...
Novos agentes imuno-oncológicos em desenvolvimento
Um dos paradoxos da oncologia é que a combinação de tratamentos, se, por um lado, pode melhorar os resultados, por outro, também apresenta o risco de aumento da toxicidade, ou seja, de causar mais efeitos adversos. Um estudo apresentado no AACR Meeting 2017, em Washington...
Tumores pediátricos: conheça os sinais e sintomas
Para qualquer tipo de câncer, a detecção precoce é essencial para aumentar as chances de sucesso e reduzir os efeitos tóxicos do tratamento, principalmente para os tumores pediátricos, que costumam ser doenças com evolução rápida. Normalmente, o câncer em crianças apresenta sinais e sintomas que...
Tumores pediátricos: estudos moleculares auxiliam no diagnóstico preciso
Os tumores pediátricos também são tema de reflexão incessante no Next Frontiers to Cure Cancer. Entre tantos painéis, um exemplo foi Discussão de Casos Clínicos e Resultados Moleculares, um debate que teve como chair o Dr. Felipe D’Almeida, do Departamento de Anatomia Patológica do A.C.Camargo...