Um símbolo da nossa coragem Pular para o conteúdo principal

Um símbolo da nossa coragem

 
Publicado em:

Um símbolo da nossa coragem

Publicado em:
3 minuto(s) de leitura

Foto do Gabriel Priolli, colunista da Voz do Paciente

3 minuto(s) de leitura
Foto do Gabriel Priolli, colunista da Voz do Paciente

Outro dia, numa consulta, o médico colocou um estetoscópio nos ouvidos e encostou o auscultador no meu peito. Para não dizer que tomei um susto, eu me surpreendi com o gesto. Há anos não via o tradicional aparelho em consultório nenhum, muito menos na mão de algum doutor. E como sou dado a matutar sobre as coisas, filosofar como bom estudante de Humanas que fui e sempre serei, me ocorreu de pensar sobre o sentido e a duração dos símbolos. Em particular, aqueles da medicina.

Sim, porque o estetoscópio, todos sabemos, cansamos de ver, é o símbolo gráfico do médico. Assim como a cruz vermelha é do hospital, a touca é da enfermeira e a cama de ferro é do paciente. Pode procurar aí na sua própria memória, ou recorrer à do Tio Google, que você vai achar todos esses símbolos em vários formatos, tamanhos e estilos. E, no entanto, com exceção da cruz, todos estão desatualizados.

Cruz tem perenidade, isso é indiscutível. A mais famosa delas, a cristã, surgiu há 2.000 anos e não apenas sobrevive no mundo atual como está no centro dos acontecimentos, junto com a lua crescente do islamismo, mais novinha que ela, só com 1.300 anos de idade. Já a cruz vermelha passou dos 160 e está aí, firme e forte, em placas de rua e de fachada de tudo que é cidade, exceto no mundo islâmico, onde reina o crescente vermelho.

Mas os outros símbolos da medicina caducaram, vamos reconhecer. O estetoscópio já era, coitado, ele que tantas tossidas escutou, tantas vezes ouviu gerações sucessivas dizerem 33. Mas não consigo imaginar o que poderia representar hoje o médico. O que poderia ser? Da mesma forma, a enfermeira. Aquelas charmosas toucas branquinhas com a cruz, que enfeitavam a cabeça das nossas atenciosas cuidadoras, desapareceram. Só vemos em filmes de guerra e olhe lá, apenas naqueles de guerras antigas. Também não imagino que símbolo poderia representar apropriadamente a enfermagem moderna.

E aí chego ao nosso caso, os pacientes. Cama de ferro como símbolo?!? Quando dispomos de leitos hospitalares de plástico rígido, com design de carro europeu, cheios de funcionalidades e mais confortáveis do que a maioria das camas de hotel, talvez até do que a nossa? Não faz sentido. Eu não me reconheço naquele desenho antigo. Para mim, o que mais simboliza um enfermo hospitalizado é outro equipamento. O mais chato de todos, o mais irritante, o que é impossível gostar.

Qual é ele? O suporte parenteral, claro. Aquele cabide que põem ao lado do leito, depois de colocarem um acesso no nosso braço, e prendem nele soro, bolsas de medicação e a gente mesmo. Aquele estrupício que acaba com a liberdade de movimentos e se enfia no banheiro junto conosco. Aquele chato que, a depender do seu tratamento, pode mandar um primo dele infernizá-lo em sua casa, na recuperação pós-internação: o suporte enteral. O traste dos infernos onde você pendura os frascos de alimento e água, e conecta com a agradabilíssima sonda enfiada em seu nariz. Torcendo para que não goteje nada pelo lado de fora, dele e da sonda, o que é raro acontecer.

Eu elejo o suporte para novo símbolo do paciente! Ele é a própria ideia da dependência da pessoa ao tratamento médico. Não existe fora desse contexto, não serve para pendurar bolsa e chapéu. Faço esse reconhecimento com raiva, porque ele me irrita e a todos nós pacientes, mas também com bom humor, porque rir dele e das nossas amolações com ele ajuda a desopilar. E faço com gratidão, porque ele existe para nos tratar melhor, para nos curar e para se livrar da gente o mais rápido que puder — como queremos fazer com ele.

"Suporte, baby, suporte", já recomendava o Cazuza, numa de suas grandes canções. "Suporte, baby, que a vida é bem mais perigosa que a morte". Ele falava do verbo, não do substantivo, e falava do amor, não da doença, mas vale para tudo, inclusive ela. 

"

Digo eu a mim mesmo: suporte. Suportemos todos e todas nós o danado do suporte e todos os incômodos de todos os tratamentos. Porque hospital é para nos livrar de perigos, estamos a bordo de um dos melhores e aquela haste de metal é cheia de significado. É o símbolo da nossa coragem e determinação em enfrentar as provações e vencer o câncer. 

Gabriel Prioli, colunista da Voz do Paciente
Sobre o autor

Gabriel Priolli é jornalista radicado em São Paulo. Trabalhou nos principais veículos de imprensa do país, dirigiu e criou canais de televisão, e foi professor na PUC, FAAP e FIAM. Hoje atua como consultor de comunicação.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Cuidados paliativos, para todas as horas
"Fulano, coitado, ele já está nos cuidados paliativos". É pouco provável que você nunca tenha ouvido essa frase, ou outra parecida com ela, numa conversa sobre doença. O coitado seria uma pessoa muito enferma, já incurável, vivendo os seus últimos...
A quimérica célula Car-t
Você se lembra da notícia, certamente. Se já era oncológico à época, recorda especialmente a esperança que ela trouxe para todos os pacientes. Em 9 de setembro de 2019, no Hospital das Clínicas da de Ribeirão Preto, um aposentado de...
Os planos e o drama da cobertura
Imagine você estar na Emergência do A.C.Camargo, acomodado provisoriamente numa baia, esperando a transferência para um quarto do hospital. Você é um paciente em seguimento de câncer e deu entrada com um quadro de diarreia intensa. Como é o auge...
Nossos índices de chance de cura são os mais altos do país
Lançado em abril de 2023, o Observatório do Câncer do A.C.Camargo avaliou mais de 98 mil casos tratados na instituição nos últimos 20 anos. E os dados apresentados mostram que, cada vez mais, alcançamos ótimos resultados junto aos pacientes. Nos...