Fundo branco com uma ilustração de um coração, com uma foto do Doutor Daniel do lado direito, homem branco e jovem de jaleco

Tumores cardíacos: eles existem?

 
Publicado em: 29/09/2021 - 08:09:35
Linha Fina

Confira a coluna Fala, Doutor, que traz as dúvidas mais frequentes entre os pacientes no consultório, por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C. Camargo Cancer Center

Tumores cardíacos primários

Os tumores cardíacos primários (que se originam no coração) são uma entidade rara, com uma frequência de 0,001 a 0,030%. 

Cerca de 80% desses tumores são benignos e, entre eles, o mais comum é o mixoma, responsável por 70% dos casos. 

Outras histologias benignas possíveis incluem rabdomiomas, miomas, fibroelastomas e lipomas. 

Os tumores malignos primários do coração são ainda mais raros: entre eles, 95% dos casos são sarcomas e os 5% restantes, linfomas. Os mais frequentes são os angiossarcomas, rabdomiossarcomas, leiomiossarcomas, fibrossarcomas e sarcomas indiferenciados. 


Tumores secundários

Embora os tumores cardíacos primários sejam extremamente incomuns, os tumores secundários não são. E, pelo menos em teoria, o coração pode ser alvo de metástase por qualquer neoplasia maligna capaz de se espalhar para locais distantes. 

A incidência exata de doença cardíaca metastática é desconhecida. Em geral, são consideradas como raras. No entanto, quando procurada, a incidência não parece ser tão baixa quanto a esperada, variando de 2,3% a 18,3%. 

Em uma das maiores séries de autópsias com mais de 1900 pacientes que faleceram de câncer, 8% tinham doença metastática envolvendo o coração. 


Como ocorrem

Os tumores cardíacos primários são, na maioria das vezes, esporádicos, mas podem ter um caráter hereditário em até 7% dos casos. 

Os tumores secundários, por outro lado, surgem de metástases provenientes de tumores malignos alojados em outros órgãos; podem migrar até o coração por via hematogênica (pela corrente sanguínea), linfática, invasão direta do mediastino ou crescimento do tumor para o interior do coração, seja pela veia cava ou por veias pulmonares, até o átrio direito ou esquerdo, respectivamente.

Embora nenhum tumor maligno sabidamente migra preferencialmente ao coração, alguns o envolvem com maior frequência do que outros, como, por exemplo, melanoma, tumores de pulmão, mama, rim e primários de mediastino. 


Sinais e sintomas

Os sinais e sintomas de um tumor cardíaco são extremamente variáveis e dependem de fatores como: localização do tumor, tamanho, histologia (tipo do tumor) e presença ou não de outras metástases. 

Podem levar a quadros de insuficiência cardíaca, interferência nas válvulas do coração, arritmias, derrame pericárdico, embolias e sintomas constitucionais como febre e emagrecimento. 


Tratamento

O tratamento dos tumores cardíacos é bastante variável e depende principalmente da histologia. 

Enquanto os tumores benignos tenham um excelente prognóstico e sejam curados na maioria das vezes com cirurgia, os tumores malignos raramente são passíveis de cura e seu tratamento pode envolver cirurgia, quimioterapia e/ou radioterapia.


Mais da coluna Fala, Doutor:
- Por que o câncer pode voltar, mesmo após um tratamento bem sucedido?

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...