Câncer de colo de útero e a acessibilidade ao rastreamento Pular para o conteúdo principal

Setembro em Flor: o câncer de colo de útero e a diferença da acessibilidade a screening ou rastreamento

 
Publicado em:

Setembro em Flor: o câncer de colo de útero e a diferença da acessibilidade a screening ou rastreamento

Nesta edição da coluna "Fala, doutor", a Dra. Andrea Gadelha conta um pouco mais sobre o câncer de colo de útero e a acessibilidade ao seu rastreamento

Publicado em:

Imagem da Dra. Andréa Gadêlha

Imagem da Dra. Andréa Gadêlha

Nesta edição da coluna "Fala, doutor", a Dra. Andrea Gadelha conta um pouco mais sobre o câncer de colo de útero e a acessibilidade ao seu rastreamento

Este ano, a campanha "Setembro em Flor" de conscientização do câncer ginecológico vem trazendo a temática de “Diversidade, inclusão e a busca por equidade de assistência a pacientes com câncer ginecológico” através de diferentes tipos de conteúdo e discussões.  

Por isso, hoje quero trazer até vocês um pouco das barreiras do câncer ginecológico, especificamente quando se trata do seu rastreamento (screening) de tumores no colo do útero para uma descoberta precoce e melhor eficácia do tratamento.  

Quando falamos em tumores ginecológicos, o câncer de colo de útero é um dos mais incidentes entre as mulheres e com sinais e sintomas mais tímidos. Por isso, merece uma atenção constante.  

1º Câncer de Mama

2º Câncer Colorretal

3º Câncer de colo de útero

  • Cerca de 17.010 novos casos no triênio (2023-2025)   
  • São quase 15,38 novos casos a cada 100 mil mulheres   
  • Aproximadamente 6.627 mortes por ano  

Fonte: INCA – Instituto Nacional do Câncer  

Apesar de ser um problema de saúde pública mundial, este é um tumor passível de prevenção, diagnóstico precoce e cura, através de medidas como vacinação contra HPV, prevenção de rotina e tratamento precoce de lesões precursoras do câncer. Em 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou uma estratégia global para acelerar a eliminação do câncer de colo útero no mundo, incluindo as seguintes metas (que devem ser alcançadas até 2030):

> 90% das meninas totalmente vacinadas contra HPV aos 15 anos

> 70% das mulheres submetidas a um teste de rastreamento de alta performance aos 35 e aos 45 anos

> 90% das mulheres identificadas com lesões precursoras e câncer recebendo tratamento

Screening ou rastreamento do câncer de colo de útero no Brasil   

Atualmente, o método de rotina de rastreamento de câncer de colo de útero na rede pública de saúde é o Papanicolaou ou citologia cervico-vaginal, que é realizado anualmente – ou a cada 3 anos, após 2 exames anuais seguidos com resultado normal - em mulheres de 25 a 64 anos, após o início da atividade sexual e tem o objetivo de detectar lesões pré-cancerígenas causados pelo HPV.   

A boa notícia, é que, recentemente, as sociedades médicas nacionais e internacionais têm sugerido a análise molecular do DNA do vírus do HPV como rastreio isolado ou combinado à citologia-cervico vaginal. Tudo isso pensando em identificar o vírus, seu tipo e risco. Vale dizer também que este teste tem uma sensibilidade superior ao que é praticado hoje, principalmente para pacientes a partir dos 30 anos.  

Ele ainda promete aumentar o intervalo do rastreio para cada a 3 ou 5 anos, identificar pacientes com maior risco de câncer e proporcionar um monitoramento mais rigoroso.  

Infelizmente, ainda não temos este teste disponível na rede pública de saúde do país, somente na suplementar. Fato que reforça ainda mais a importância de falarmos do assunto e da possibilidade de contribuirmos na inclusão deste no rastreamento o quanto antes.  

Escrito por Dra. Andréa Paiva Gadêlha Guimarães

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A.C.Camargo recebe o Prêmio IBHE Hospitalidade Empresarial
Silvia Voullieme, gerente de experiência do paciente, também foi premiada na categoria Profissionais Mais Hospitaleiros de 2019 O A.C.Camargo Cancer Center recebeu o Prêmio IBHE Hospitalidade Empresarial, concedido pelo Instituto Brasileiro de Hospitalidade Empresarial (IBHE). Junto com a Instituição, outras...
Síndrome de Li-Fraumeni: estudo que envolveu o A.C.Camargo pode mudar o aconselhamento genético da doença de forma marcante
Pesquisa internacional analisou dois tipos de mutações que estão ligadas à predisposição ao câncer A Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) é uma doença hereditária de predisposição ao câncer, relacionada a mutações no gene TP53. Uma das mutações neste gene, denominada R337H...
Sinais e sintomas de câncer que merecem cuidado e investigação
Fique atento(a), pois o diagnóstico precoce de um tumor pode fazer dobrar a chance de sobrevida – conte com o Atendimento Oncológico Protegido do A.C.Camargo Cancer Center A Covid-19 nos obrigou a permanecer em casa. Quando uma vida está em...
Mulher branca deitada em uma cadeira doando sangue.
Dia Mundial do Doador de Sangue: faça sua parte e salve vidas!
Doação de sangue, uma atitude mais que essencial, que ajuda a salvar vidas. Saiba mais neste vídeo: Doação de sangue: agendamento online Com o objetivo de oferecer mais segurança e agilidade em nosso Banco de Sangue, é possível fazer o...