Lifileucel – terapia com TILs para melanoma avançado Pular para o conteúdo principal

Seguimento de longo prazo de Lifileucel – terapia com TILs para pacientes com melanoma avançado que falharam em múltiplos tratamentos

 
Publicado em:

Seguimento de longo prazo de Lifileucel – terapia com TILs para pacientes com melanoma avançado que falharam em múltiplos tratamentos

Publicado em:

Por Milton José de Barros e Silva, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center

O tratamento do melanoma metastático avançou muito na última década com a imunoterapia, através dos inibidores de pontos de verificação e da terapia-alvo para os pacientes com a mutação do gene BRAF. 

Entretanto, existe um percentual significativo de pacientes que não respondem a esses tratamentos ou, em algum momento, deixam de responder. 

Para esses pacientes, ainda não existe tratamento considerado padrão até o momento. Nesse sentido, os dados do estudo com Lifileucel, uma terapia de células T adotivas, são realmente animadores. 


Como funciona 

A terapia de células T adotivas consiste em retirar do próprio paciente fragmentos do tumor, para que possam ser extraídas as células de defesa que lá se encontram, nesse caso, os linfócitos T CD8. 

De maneira resumida, após a extração dessas células, existe um processo de amplificação em laboratório das mesmas, seguido da infusão de volta nos pacientes, acrescido de um tratamento complexo para aumentar a sua atividade já no corpo do paciente. 

Em teoria, essas células já possuem a capacidade de reconhecer o câncer do paciente em questão. Esse processo é muito complexo e atualmente restrito a poucos centros no mundo. Entretanto, tentativas de padronização e comercialização dessa tecnologia encontram-se em franca expansão, como é o caso do Lifileucel.
 
No estudo apresentado na seção oral de melanoma da ASCO 2020, 66 pacientes com melanoma metastático, que já haviam falhado a pelo menos duas linhas de tratamento, receberam o tratamento com células T adotivas com Lifileucel. 

A taxa de redução dos tumores foi de 36,4% (objetivo primário do estudo) e a taxa de controle total foi de 80,3%. 

No seguimento mediano de 17 meses, a duração mediana de resposta do tratamento ainda não foi atingida (ou seja, mais de 50% dos pacientes ainda mantêm a doença sob controle). 

Os efeitos colaterais desse tratamento são severos, porém basicamente restritos às primeiras semanas de tratamento, onde todo o processo de ativação do sistema imune é induzido. 

Os dados de controle de doença nessa população de pacientes politratados chama muito a atenção. Ainda necessitamos de maiores estudos confirmatórios e, sobretudo, estar preparados para oferecer esse tipo de tecnologia quando estiver amplamente disponível. 

Para conferir mais (em inglês) sobre o estudo Long-term follow up of lifileucel (LN-144) cryopreserved autologous tumor infiltrating lymphocyte therapy in patients with advanced melanoma progressed on multiple prior therapies, clique aqui.

Saiba mais:

- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia , que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e...
Imunoterapia para o câncer colorretal metastático
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O estudo mais aguardado desta ASCO foi o Keynote-177 , pois a imunoterapia é usada para diversos tumores atualmente. Para os pacientes com câncer colorretal, a imunoterapia é...
Avaliação de resposta discordante entre PET/CT 18F-FDG e RECIST em pacientes com melanomas metastáticos tratados com inibidores de pontos de verificação
Por Milton José de Barros e Silva, primeiro autor do estudo e oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center A imunoterapia com inibidores de pontos de verificação vem revolucionando o tratamento dos pacientes com melanoma metastático. Nos estudos que levaram à...
Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado
Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O melanoma de mucosa pode se originar em diversas regiões, sendo as mais frequentes: cavidades nasal e oral e mucosa vulvovaginal e anorretal. É um subtipo raro de melanoma, sendo responsável...
Covid-19 e imunoterapia em pacientes com câncer em tratamento
Conheça os cuidados que essas pessoas devem manter para garantir a proteção contra o vírus Covid-19 e imunoterapia . As pessoas que fazem tratamento contra o câncer a partir desse tipo de terapia devem ter os mesmos cuidados da população...