Presença de proteína no sangue é um importante biomarcador para controle de câncer de estômago

Publicado em: 23/05/2019 - 10:05:18
Tratamento
Pesquisa
Genética
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

Oncogene HER 2 é maior nas células tumorais circulantes do que nos tumores primários

O câncer de estômago é a terceira neoplasia maligna mais letal do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) – corresponde a 8% de todos os tumores. Entre as causas, além de uma falta geral de compreensão da biologia do tumor, estão a ausência de sintomas que levam ao diagnóstico tardio e às baixas taxas de resposta à quimioterapia. 

Razões que motivaram o estudo The Potential Clinical Implications of Circulating Tumor Cells and Circulating Tumor Microemboli in Gastric Cancer / As Implicações Clínicas Potenciais de Células Tumorais Circulantes e Microembolia do Tumor Circulante no Câncer Gástrico. 

Publicado na The Oncologist, o trabalho analisa as chamadas células tumorais circulantes, que têm esse nome porque se desprendem do tumor. “Essas células vão para o sangue; quando isso ocorre, há risco de metástase”, afirma um dos autores do estudo, Victor Hugo Fonseca de Jesus, vice head de tumores abdominais do A.C.Camargo Cancer Center. 

Foram avaliados 55 pacientes de nossa Instituição, homens e mulheres com média de 57 anos e sem metástase no instante do diagnóstico. Ficou constatado que a presença do oncogene HER 2 é maior nas células tumorais circulantes (43%) do que nos tumores primários (11%). 

O que isso representa de benefício para os pacientes? “Para uma definição mais segura do tratamento, a presença deste marcador deve ser avaliada”, explica a farmacêutica bioquímica Ludmilla Chinen, uma das líderes do estudo.

Também foram quantificados os microêmbolos tumorais circulantes e ficou constatado que pacientes com maior risco de progressão da doença têm maior expressão da proteína placoglobina, mostrando-se um potencial biomarcador tumoral.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Câncer de reto: 3 avanços importantes no tratamento
1. Câncer de reto: TNT no combate Para o câncer de reto, a terapia neoadjuvante total (TNT) é uma mudança de paradigma que visa evitar, sobretudo, a progressão da doença, a amputação do reto e a colostomia definitiva. Usualmente, pacientes com câncer de reto baixo...
Pacientes com câncer colorretal podem voltar a comer de tudo?
Muitos pacientes com câncer colorretal têm dúvidas sobre o tipo de alimentação que devem ter e se poderão voltar a se alimentar normalmente após a cura. Thais Manfrinato Miola, supervisora de nutrição do A.C.Camargo Cancer Center, explica que dietas específicas dependerão da fase do tratamento...
Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado
Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O melanoma de mucosa pode se originar em diversas regiões, sendo as mais frequentes: cavidades nasal e oral e mucosa vulvovaginal e anorretal. É um subtipo raro de melanoma, sendo responsável por 1,3% de todos os...
Outubro Rosa: aspectos físicos e o legado emocional
Neste Outubro Rosa, as líderes do Centro de Referência em Tumores da Mama do A.C.Camargo Cancer Center realizaram uma live que discutiu todos os aspectos do câncer de mama. Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que coloca holofotes na necessidade do diagnóstico precoce para...
A.C.Camargo participa de grande estudo para mapear as características do mesotelioma pleural maligno na América Latina
Instituições de nove países arrolaram dados sobre o tumor: uma troca de conhecimento que pode gerar novos estudos internacionais O mesotelioma pleural maligno é um tumor bastante agressivo, quase sempre associado com a exposição dos pacientes ao amianto e seu prognóstico não costuma ser animador...