Papanicolau é a principal forma de rastreamento de câncer do colo do útero

Publicado em: 29/01/2020 - 21:01:00

Exame é simples, rápido e eficaz para detectar lesões pré-malignas de forma precoce

O câncer do colo do útero é o quarto tipo de tumor com maior prevalência entre as mulheres, com exceção dos casos de pele não melanoma. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são aproximadamente 16 mil novos casos por ano no Brasil: quase todos são decorrentes de infecção pelo papilomavírus humano (HPV).

Transmitido por meio de relações sexuais desprotegidas, o HPV pode ser prevenido por meio do uso de preservativos e também pela vacinação. Mas, a maioria das mulheres infectadas pelo vírus não desenvolve tumores e não apresenta sintoma. Por isso, é importante fazer o papanicolau, exame de rastreamento para detecção precoce da doença.

Papanicolau

Este exame é a principal forma de detectar lesões que podem vir a desenvolver a doença. “O papanicolau é um procedimento simples que analisa amostras de células recolhidas do colo do útero, por meio de raspagem com uma espátula e escovinha. O material é analisado em laboratório e pode detectar lesões pré-cancerosas. Com isso, a paciente pode ser tratada precocemente, antes que a lesão resulte em um câncer. É um modelo muito eficaz de rastreamento”, explica Dr. Glauco Baiocchi Neto, head do Centro de Referência de Tumores Ginecológicos.
 
Todas as mulheres devem fazer o exame de acordo com a recomendação para cada idade

  • Aos 21 e 22 anos. Depois, a cada três anos.
  • A partir dos 30 anos, o papanicolau pode ser feito junto com o teste de detecção do DNA do HPV e, se ambos negativos, a cada cinco anos. 
  • Mulheres expostas ao HIV ou com problemas no sistema imunológico devem fazer o exame anualmente. 
  • Mulheres com 70 anos ou mais que tiveram três ou mais testes normais em sequência (e nenhum resultado anormal em 10 anos) não precisam continuar a fazer o exame.

Sinais e sintomas 

Dr. Glauco explica que, nos estágios iniciais, o câncer do colo do útero geralmente não apresenta sintomas e, por isso, a necessidade de fazer o papanicolau. Em casos mais avançados, a mulher pode apresentar:

  • Secreção, corrimento ou sangramento vaginal incomum.
  • Sangramento leve, fora do período menstrual.
  • Sangramento ou dor após a relação sexual, ducha íntima ou exame ginecológico.
  • Estes sintomas não necessariamente indicam a presença de um tumor, pois podem ser sinal de outros problemas ginecológicos. Em caso de dúvida, consulte seu médico.

Saiba mais sobre câncer do colo do útero 

Clique aqui e acesse a “Cartilha de câncer do colo do útero”. Este material, elaborado pela equipe do Centro de Referência de Tumores Ginecológicos, traz informações simples e didáticas com temas como etapas do diagnóstico, fatores de risco, prevenção, estadiamento e fases do tratamento.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
Podcast Rádio Cancer Center #19 - Julho Verde e a reabilitação de um câncer de cabeça e pescoço
Conheça mais as possibilidades terapêuticas da fonoaudiologia e da estomatologia Neste Julho Verde, mês de conscientização para o combate aos tumores de cabeça e pescoço (leia mais a seguir), é importante falar de reabilitação. É fundamental ressaltar as possibilidades de tratamento e até mesmo conhecer...
Como eu me tornei uma oncologista
Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo “A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da...
Julho Verde: 9 mitos & verdades sobre o câncer de cabeça e pescoço
Julho Verde: os tumores de cabeça e pescoço representam o nono tipo de câncer mais comum no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e boca, e órgãos como laringe, faringe, seios...