Os efeitos da radioterapia na pele

Publicado em: 11/05/2015 - 21:05:00
Tratamento
Foco do paciente
Radioterapia

Importante método terapêutico que utiliza radiação para destruir células tumorais, a radioterapia pode provocar alguns sintomas, como cansaço e fadiga. No entanto, os efeitos colaterais mais perceptíveis dessa modalidade terapêutica – hoje minimizados com os novos avanços tecnológicos – manifestam-se na pele.



Como recebe altas doses de radiação, a pele pode ficar avermelhada ou até mesmo apresentar pequenos ferimentos, reações chamadas de radiodermite, ou seja, lesões na pele após a exposição à radiação. Dores, assaduras e secreções são outros efeitos possíveis. A resposta dada pelo paciente varia de acordo com as substâncias e taxas de radiação aplicadas, além da individualidade do organismo. 

Caso o paciente apresente alguma reação, é fundamental avisar o médico imediatamente. "Sintomas como dores musculares, assaduras e secreções podem ser esperados durante a radioterapia, mas requerem muitos cuidados e precisam ser informados", avisa Dra. Bianca Costa Soares de Sá, médica titular do Núcleo de Câncer de Pele do A.C.Camargo.

Felizmente há recursos terapêuticos que ajudam a amenizar esses efeitos. Independentemente da especificidade do caso, é recomendado evitar o uso de cremes, pomadas, perfumes e medicamentos sem autorização médica, além da exposição solar na área irradiada. Em um centro de referência como o A.C.Camargo, há uma equipe de apoio que acompanha o paciente antes, durante e depois do tratamento, com o objetivo de atenuar esses possíveis efeitos colaterais. 
 

Pele com tatuagem

A existência de uma tatuagem na região a ser tratada com radioterapia não constitui um problema. "A única possível consequência, em casos raros, é a desconfiguração do desenho aplicado. Mas a tatuagem não interfere no tratamento radioterápico, tampouco aumenta o risco de complicações na pele", explica.

Caso isso ocorra, após o procedimento terapêutico, é necessário um tempo de espera para retocar a tatuagem modificada ou criar um novo desenho. "É preciso pelo menos um mês depois da radioterapia para poder novamente manipular a pele, caso ela não apresente mais sinais de radiodermite", orienta a dermatologista.

Se o paciente deseja retirar a tatuagem, por apresentar alguma deformidade causada pelo tratamento, Dra. Bianca estima um tempo ainda maior. "Apesar de não haver contraindicação para a utilização de laser, a pele deve estar totalmente cicatrizada".
 

Como funciona a radioterapia

Um dos fatores que interferem nas manifestações cutâneas geradas pela radioterapia é a profundidade do tumor em relação à superfície da pele, de acordo com Dr. Cássio Pellizzon, diretor do Departamento de Radioterapia do A.C.Camargo Cancer Center. "Se tratarmos de uma lesão no braço, utilizaremos poucos campos de radiação, por tratar-se de uma estrutura pouco espessa. Diferentemente da região abdominal, na qual o órgão pode estar numa profundidade muito maior em relação à superfície do corpo", explica.

dosagem é outro ponto destacado pelo especialista. "A irradiação de tumores de mama e cabeça e pescoço é a que mais aumenta a chance de manifestações cutâneas. Em um câncer na língua, por exemplo, onde os gânglios linfáticos estão a meio centímetro da pele, na derme e abaixo dela, essa região receberá uma dose próxima da radiação quase tão alta quanto a que é necessária para eliminar o tumor", exemplifica.

Dr. Cássio Pellizzon ressalta também a evolução da radioterapia, que hoje utiliza a tecnologia IMRT (Intensity-Modulated Radiation Theraphy). Com a possibilidade de modular a intensidade do feixe, esse método é mais avançado do que os anteriores e diminui os riscos de sequelas na pele. A dosagem da radiação é medida em centigreis (cGy) e a taxa aplicada pode influenciar diretamente na reação provocada no paciente.

"As tecnologias mais recentes permitem que os profissionais distribuam melhor as doses de radiação, o que ajuda a minimizar os efeitos colaterais. Preferimos utilizar uma dose mais baixa em um volume maior do que concentrá-la em dois ou três campos", tranquiliza Dr. Cássio Pellizzon.

Dr. Antônio Cássio de Assis Pellizzon - CRM 59714
Diretor do Departamento de Radioterapia

Dra. Bianca Costa Soares de Sá - CRM 81917
Médica Titular do Núcleo de Câncer de Pele

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Fundação Antônio Prudente, mantenedora do A.C.Camargo Cancer Center, recebe prêmio pela atuação histórica na área da saúde e oncologia
Como reconhecimento pela trajetória na prevenção, tratamento, ensino e pesquisa do câncer, a Fundação Antônio Prudente, mantenedora do A.C.Camargo Cancer Center, recebeu este mês o Prêmio Pedro Kassab 2015, na categoria Pessoa Jurídica. A premiação ocorreu no 9º Encontro Paulista de Fundações, organizado pela Associação...
Câncer de mama: 7 jeitos de manter a mente calma
O câncer de mama mexe com mulheres de qualquer idade em questões como feminilidade, vaidade, maternidade e sexualidade. Existem, porém, formas de se manter calma e positiva, conforme se vê nas dicas abaixo, dadas pela Dra. Christina Haas Tarabay, head de psicologia do A.C.Camargo. São...
Farmacêutico oncológico, um profissional de importância essencial no cuidado
O farmacêutico oncológico sempre foi fundamental no tratamento do câncer. Atualmente, com a crescente onda de incorporação de tecnologias em saúde no mercado brasileiro, como a imunoterapia e as terapias-alvo, o trabalho de um farmacêutico clínico ganhou ainda mais relevância. Este profissional deve ter um...
Podcast Rádio Cancer Center #20 - O cirurgião oncológico
Conheça o papel deste especialista essencial A conversa de hoje é sobre o papel do cirurgião oncológico. Vamos falar da atuação desse especialista que é vital para o tratamento do câncer. Trata-se de um profissional que não somente é preparado para conduzir cirurgias de alta...
AACR 2019: o papel protetor do microbioma intestinal durante o tratamento imunoterápico
Fibras prebióticas e probióticos podem influenciar na eficiência da terapia Por Diana Noronha Nunes, bióloga pesquisadora do Laboratório de Genômica Médica do Centro Internacional de Pesquisa (CIPE) do A.C.Camargo Cancer Center Mais uma vez o tema da avaliação do microbioma intestinal em pacientes tratados com...